Eduardo Salavisa e o cadeirão que fica vazio

Eduardo Salavisa é o desenhador que documenta o quotidiano, as rotinas, os rostos, os gestos. Ainda ontem, o Público contava como, durante o verão, os amigos se haviam sentado (ou não) num cadeirão da sua sala, enquanto lhes fixava os rostos, os corpos, os gestos, as posições, os nomes e as histórias, sabendo que esse retrato era uma despedida: “As memórias destes momentos em que amigos meus me visitaram no momento terminal da minha vida foram registados por um desenho”. Desses desenhos se fez o livro Caderno de retratos: Memórias imperfeitas, editado pelas Edições Afrontamento, e a exposição ”Um cadeirão e 96 retratos”, no Museu Bordalo Pinheiro, em Lisboa. Esteve na exposição, novamente a desenhar quem quisesse ocupar o cadeirão.

Eduardo Salavisa na exposição ”Um cadeirão e 96 retratos”
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: Câmara Municipal de Lisboa

Chega, agora, a notícia de que esse cadeirão não tornará a ser o mesmo, porque à sua frente já não estará Eduardo Salavisa a desenhar.

Chega, agora a notícia de que Eduardo Salavisa interrompeu o seu Diário gráfico, esse maravilhoso registo das suas viagens através de um universo íntimo e colorido onde o traço preto definia formas e movimentos.

A exposição iria encerrar a 8 de novembro, mas o museu, onde esteve tantas vezes que o poderia considerar como seu, decidiu mantê-la durante mais uma semana, fazendo-lhe homenagem e oferecendo a oportunidade de continuar a ver através do seu olhar, na convicção de que, onde estiver, estará a desenhar um novo diário.

Exposição ”Um cadeirão e 96 retratos”,
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro (20 out.- 15 nov. 2020)

Fonte das imagens: Câmara Municipal de Lisboa, Twitter: https://twitter.com/CamaraLisboa/status/1319730722349920263


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.