Uma semente que germina por Lisboa, cidade verde

Exposição “Hortas de Lisboa: Da Idade Média ao século XXI
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta (23 out. 2020 – 19 set. 2021)

A horta é, por definição, o lugar de cultivo de legumes, hortaliças, temperos, ervas medicinais e, eventualmente, árvores de fruto, para consumo alimentar e assente num modelo de agricultura sazonal e de regadio. Durante séculos, as hortas existentes no perímetro da cidade asseguravam o sustento da população. A expansão urbana empurrou-as para os arrabaldes, para as zonas periféricas que, como Carnide (vd. projeto e-Carnide), mantêm evidentes traços de ruralidade, até que, nos últimos anos, se tem vindo a registar um esforço, por vezes artificial, ou contrariando a espontaneidade de algumas iniciativas, no sentido da implementação de hortas reguladas pelo município.

Quintas urbanas na Quinta da Granja em Lisboa
Foto: MIR, 2020

A exposição, estruturada em seis núcleos, explora duas vertentes: a histórica, fazendo uma síntese da evolução dos espaços rurais no tecido urbano desde a época medieval à contemporaneidade; a antropológica, através da análise como o indivíduo urbano lida com as memórias da ruralidade e as projeta no seu quotidiano.

O primeiro núcleo, “As hortas de uma cidade”, aborda os espaços hortícolas que, durante a Idade Média, se desenvolveram junto aos conventos estabelecidos no centro da cidade, numa estratégia de povoamento e ordenamento do território após a formação do reino. O termo almoinhas (do lat. antigo alimōnia, alimento, ou sustento) designava as pequenas hortas de subsistência, muradas, com práticas agrícolas e culturas subsidiárias da presença árabe. A ilustrar esta realidade, são apresentados fac-similes de documentos de emprazamentos de almoinhas pelo mosteiro de São Vicente de Fora e de uma doação de terrenos ao mosteiro de São Bento de Xabregas.

Documentos fac-similados
Séc. XVIII, 2.ª metade
Exposição “Hortas de Lisboa“
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta
Foto: MIR, 2020

Um alcatruz sobre o esquema de uma nora e um bocal de poço ilustram a importância da água para o cultivo nestas hortas.

Alcatruz
Bocal de poço
Séc. XVI
Proveniência: Castelo de S. Jorge (Paço da Alcáçova?)
Exposição “Hortas de Lisboa“
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta
Fotos: MIR, 2020

As reproduções de placas toponímicas evocam os vestígios de antigas hortas na malha urbana. Em frente do painel de azulejo do século XVIII, com a representação do “Mercado em Lisboa de hortaliça, fruta e caça”, está uma ampliação fotográfica com as hortaliceiras no Cortejo Histórico de 1947 e o pendão que aí transportavam com a representação de São Paulino.

Mercado em Lisboa de hortaliça, fruta e caça
Séc. XVIII, 2.ª made
Exposição “Hortas de Lisboa“
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta
Foto: MIR, 2020

A seguir, uma referência à Ordem Beneditina e ao Mosteiro de São Bento da Saúde (através da reprodução de um pormenor do painel de azulejos “Grande panorama de Lisboa” de Garcia del Barco) é complementada com utensílios associados ao cultivo e à preparação das ervas medicinais.

A Ordem Beneditina e o cultivo de ervas medicinais
Exposição “Hortas de Lisboa“
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta
Foto: MIR, 2020

Ao lado, um conjunto de ampliações do tratado médico, Tacuinum sanitatis, a partir do manuscrito da Bibliothèque nationale de France (Latin 9333) cujo título significa literalmente “Tábuas da preservação da saúde”, escrito pelo médico persa Ibn Butlan no século XI, é utilizado para mostrar um galinheiro e um elenco dos produtos cultivados nas hortas da baixa Idade Média: laranjas, limões, cebolas, melões, alhos, abóboras, cenouras1, nabos, favas, couves, feijões.

Reproduções a partir da obra Tacuinum sanitatis, de Ibn Butlan (séc. XI)
Exposição “Hortas de Lisboa“
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta
Foto: MIR, 2020

O caráter disperso, ou desconexo, destes registos é compensado pelos textos parietais, permitindo contextualizá-los na lógica do discurso expositivo. Estas introduções textuais não impedem, porém, a incoerência cronológica, entre avanços e recuos, que a estrutura temática não consegue justificar, ou a ocorrência de hiatos, como a passagem abrupta entre os finais da Idade Média e o século XVIII, omitindo o impacto dos Descobrimentos e do aparecimento de novos produtos na prática agrícola da cidade.

Logo a partir do primeiro núcleo, a museografia adivinha-se densa e excessiva: o verde que cobre todas as superfícies; os suportes da mesma cor, por isso facilmente dispensáveis, presos por ripas de madeira em bruto; nas vitrinas, os objetos assentes em placas de aglomerado de partículas de madeira. Por outo lado, nas vitrinas, os objetos tendem a estar muito baixos, enquanto o painel de azulejos “Mercado em Lisboa”, longitudinal e isolado na parede, colocado acima do olhar parece excessivamente alto.

Público junto à parede retroiluminada com reprosuções da obra Tacuinum sanitatis
Exposição “Hortas de Lisboa“
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta
Foto: Dália Guerreiro, 2020

Nas tabelas dos documentos fac-similados e das ampliações retroiluminadas, ainda que os originais sejam referidos de forma correta, entre a data e a cota arquivística ou bibliográfica, surge a indicação “ficheiro digital”. A reprodução foi naturalmente feita a partir da digitalização do documento, mas o que está exposto é uma impressão em papel, não um ficheiro digital. Este equívoco será recorrente ao longo de toda a exposição, embora as ampliações de fotografias sejam corretamente referidas (“reproduções de fotografias”). Embora a maioria dos textos se apresente em painéis parietais, conferindo-lhes maior destaque, uma citação de Duarte Nunes de Leão (1610), na Descrição do Reino de Portugal, aparece como epígrafe numa tabela.

No núcleo “Horticultores de oitocentos”, fala-se da rutura provocada pela extinção das ordens religiosas e, sobretudo, pela expansão urbana pelos arrabaldes aqui documentada pela litografia de João José dos Santos “Campo de Ourique – Arco do Cego”. Sendo este um tempo de proliferação dos almanaques dirigidos à população rural, com informações úteis à agricultura sobre as estações do ano, previsões do tempo e tabelas das fases da lua.

Almanaques e lunários
Exposição “Hortas de Lisboa“
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta
Foto: MIR, 2020

Num compartimento que lhes é exclusivo, inteiramente negro, encimado por uma enorme lua cheia que ilumina escassamente o ambiente, de caráter marcadamente noturno e lunar, são apresentados lunários, almanaques, um guia para lavradores, o Viziadoro moderno plognostico, numa caixa preta em cuja face superior se abrem círculos sobre cada um dos livros expostos. Também aqui, a museografia parece excessiva, sobrepondo-se às obras e ao próprio discurso, criando uma narrativa paralela.

O desenvolvimento científico da horticultura e da floricultura foi pontuado em Portugal pela obra de Francisco Simões Margiochi, agrónomo, autor de artigos sobre agricultura publicados no Jornal do Comércio. Entre 1889 e 1894, foi provedor da Casa Pia, que emprestou o retrato a óleo que lhe foi feito por Pedro Guedes. Ainda da Casa Pia são provenientes a “Planta da Real Casa Pia de Lisboa e dos terrenos adjacentes”, feita pelo professor de desenho Picard entre os anos de 1867 a 1879, e o livro A escola de agricultura prática da Real Casa Pia de Lisboa: Monographia, de José Ernesto da Silva Dias (1903), mostrando a importância que a instituição dava ao ensino e à prática agrícola.

Francisco Simões Margiochi (ao fundo) e Frederico Daupiás (em primeiro plano, à direita, nos Jardins dos Ensaios)
Exposição “Hortas de Lisboa“
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta
Foto: MIR, 2020

O incremento da horticultura e floricultura oitocentista está ligado à ação pioneira de Frederico Daupiás. Numa ampliação fotográfica, Frederico Daupiás aparece sentado nos Jardins de Ensaios, junto à sua casa na Rua do Arco a São Mamede, onde construiu núcleos ajardinados de cariz experimentalista. Abriu, no Chiado, a Casa Frederico Daupiás Sementes, na Rua do Carmo, aqui referida através da réplica do letreiro da loja, igualmente visível na ampliação de uma fotografia da rua, bem como nos catálogos da casa e nas reproduções do Diário Ilustrado, com anúncios da casa a página inteira. Ao lado destas referências, o regador emprestado pelo Palácio da Ajuda, numa referência à rega como tarefe inerente à horta e à germinação das sementes.

A escola de agricultura prática da Real Casa Pia de Lisboa e Boletim da Resal Sociedade Nacional de Horticultura de Portugal
Exposição “Hortas de Lisboa“
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta
Foto: MIR, 2020

Nesta altura, a horta era também espaço de lazer, como o prova a ampliação fotográfica ilustrando os passeios de domingo, para fazer piqueniques, e que frequentes entre a segunda metade do século XIX e primeiras décadas do século XX, amiúde referidos na literatura e na pintura da época.

O percurso histórico conflui no núcleo “Uma Lisboa de muitas hortas”, onde o chão é integralmente revestido com a reprodução do “Levantamento da planta de Lisboa”, elaborado pelo engenheiro Silva Pinto. Na topografia da cidade, é possível identificar os espaços de cultivo na área metropolitana, estabelecendo a ligação com as novas zonas hortícolas, através da planta da cidade onde estão assinaladas “As muitas hortas de Lisboa” e os projetos inovadores, como o das hortas verticais de iniciativa municipal previstos em vários bairros da cidade.

Projeto de hortas vericais
Maquete: Atelier Parto, 2020
Exposição “Hortas de Lisboa“
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta
Fotos: MIR, 2020

Este futuro tem raízes no presente. O núcleo “Ferramentas para uma horta na cidade” sugere diferentes formas de aproveitamento dos espaços domésticos para o cultivo. As hortas familiares surgem nas varandas, nos terraços, nos quintais, como é proposto na maquete de um prédio de habitação com vários pisos e logradouro nas traseiras.

Hortas domésticas: maquete
Exposição “Hortas de Lisboa“
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta
Fotos: MIR, 2020

Ou pode ser uma horta inteligente, com um sistema de rega e de iluminação automatizado e adaptado às plantas nas várias fases de crescimento para cultivar ervas aromáticas, frutos, saladas e flores comestíveis no balcão da cozinha.

Novamente, umas cortinas, agora translúcidas, separam do núcleo seguinte: “A minha horta – o meu mundo”, onde se constrói uma nova tessitura social, uma grelha de relações entre grupos, origens e culturas sob que se cruzam através dos universos pessoais ou familiares da horta urbana.

Passagem para o núcleo “A minha horta – o meu mundo”
Exposição “Hortas de Lisboa“
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta
Foto: MIR, 2020

Numa instalação parietal de caixas de fruta em madeira, criando uma analogia com a cultura hortícola, inserem-se televisores onde passam os testemunhos e as histórias de oito hortelões e alguns dos seus objetos pessoais. À frente, bancos sugerem um auditório rudimentar para o visionamento dos vídeos. Também aqui se regista uma museografia excessiva, onde o efeito cénico se sobrepõe ao valor representacional dos objetos de uso comum e à pobreza dos materiais. Será uma estratégia de compensação, exacerbando o aspeto visual em contrapartida à simplicidade do objeto, mas corre o risco de o anular, retirando a importância, enquanto elemento significante no discurso museológico.

Núcleo “A minha horta – o meu mundo”
Exposição “Hortas de Lisboa“
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta
Fotos: MIR, 2020

Os hortelãos são, novamente, os protagonistas do núcleo “O dom e o devir das sementes”, onde, numa estrutura de madeira simulando uma estufa, 25 hortelãos ganham rosto, fotografados nos seus talhões, encimando um registo textual que lhes traça a história de vida. São eles os disseminadores desta realidade cada vez mais imperiosas de criar espaços verdes no tecido urbano e de perpetuar a germinação das sementes que garantam a subsistência das gerações atuais e futuras. Por isso, em conjunto, elaboram um herbário de espécies hortícolas, em aguarelas científicas de Mafalda Paiva, complementado com as respetivas sementes em placas de Petri, habitualmente utilizadas para a cultura de micro-organismos.

Núcleo “O dom e o devir das sementes”
Exposição “Hortas de Lisboa“
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta
Fotos: MIR, 2020

Num compromisso de responsabilidade social, todos somos convocados a atitudes de sustentabilidade ecológica, adotando os comportamentos propostos ao longo da exposição. Cada um é convidado a deixar a sua marca e inscrever, num mapa da cidade, a seu espaço de cultivo.

Instalação com bombas de sementes
Exposição “Hortas de Lisboa“
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta
Foto: MIR, 2020

A exposição que, neste sentido, se pretende transformadora, consciencializando para necessidade dos espaços verdes e do cultivo de subsistência na proximidade, trazendo-os para o núcleo urbano, quer também deixar uma marca, projetando-se para o futuro: no corredor para a saída, estão suspensas 500 bombas de sementes que, no último dia, serão retiradas e oferecidas aos visitantes para que as plantem e as deixem germinar e crescer cumprindo o desígnio de tornar a cidade um espaço mais verde.

Ao longo da exposição, foram sendo assinaladas algumas fragilidades e inconsistências formais. Geralmente, por excesso – e o excesso não é sustentável! –, pela museografia carregada, pelo ruído visual de algumas soluções, pelo discurso que nem sempre é linear, mas também não é exaustivo no tratamento do tema. São, no entanto, questões essencialmente de ordem estética e, portanto, sujeitas à subjetividade do observador. O conteúdo demonstra os resultados de uma aturada investigação histórica e antropológica junto de grupos frequentemente marginalizados. E indicia o entusiamo de quem concebeu esta exposição e o trabalho imenso de quem a realizou.

Mais sérias parecem ser as questões de saúde pública. As passagens com cortinas que o visitante é obrigado a transpor, agarrar e afastar, parecem ser uma solução inadequada numa altura em que a pandemia nos obriga ao menor contacto possível com superfícies tocadas por outros. O mesmo se observa no estereoscópio, que, mesmo tendo ao lado um poste com desinfetante para as mãos, obriga o visitante a encostar a testa ao aparelho para observar as fotografias, ou no móvel de arquivo cujas gavetas é necessário abrir para observar os projetos de hortas verticais.

Museu de Lisboa, Palácio Pimenta
Lisboa
Foto: MIR, 2020

No entanto e apesar de tudo isso, esta é uma exposição de mérito que, por tratar de um tema relevante e de grande atualidade, cumpre uma função social ativa junto da comunidade. Podia ser diferente? Podia! Mas o importante é que seja e que continue a consciencializar todos os que a visitarem até setembro do próximo ano.

Um contributo pessoal: o canteiro de cheiros na minha varanda
Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Uma semente que germina por Lisboa, cidade verde," in a.muse.arte , 2020/11/05, https://amusearte.hypotheses.org/6871.
  1. É comummente aceite que  a cenoura moderna [pastinace, pastinaca ou cherovia] é representada de forma identificável, pela primeira vez, nesta obra (Stolarczyk, & Janick, 2011, p. 16).  Vd. Stolarczyk, J., & Janick, J. (2011). Carrot: History and iconography. Chronica Horticulturae, 51(2), 13-18. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.