Museu de Portimão: um museu de território para a comunidade

Portimão (do lat. portu magnu) é, literalmente, um porto grande. A história da vila e, depois, cidade é a história da sua ligação ao rio Arade e ao mar. Juntamente com o figo e a amêndoa, frutos da natureza mediterrânica, o sal e pesca constituem, desde a antiguidade, a sua principal fonte de riqueza. No início do século XX, a pesca propiciou o desenvolvimento da indústria fabriqueira que transformou o tecido social e económico da região até à década de 1970.

Desembarque do peixe
Portimão, década de 1960
Artur Pastor
Arquivo Municipal de Lisboa

A criação de um museu da região teria, inevitavelmente, de refletir esta ligação ao mar, à pesca e à indústria conserveira.

Em 1996, o Município de Portimão adquiriu a antiga fábrica de conservas de peixe La Rose, da Feu Hermanos1, na frente ribeirinha da cidade, com o objetivo de aí instalar o museu.

Museu de Portimão: fachada nascente virada ao rio; à esquerda, o Guindaste “Marion 2”
Foto: MIR, 2020

A ideia de criação de um espaço museológico remonta aos inícios da década anterior, quando a Câmara Municipal, em 1983, aprovou “um projeto museológico, visando a investigação, recolha, documentação e divulgação do património local” (Câmara…, 2008, p. 6) e viabilizou a Comissão Instaladora do Museu de Portimão liderada por José Gameiro que viria a dirigir todo o processo (Câmara…, 2008, p. 6). O projeto assumiu, desde o início, uma “perspetiva interdisciplinar de um Museu de Sociedade, de Identidade e de Território” (Gameiro, 2007, p. 150).

O projeto arquitetónico, desenvolvido pelo atelier Isabel Aires e José Cid Arquitetos, com a colaboração do Atelier 33, manteve a ligação a fachada poente, que se desenvolve ao longo de um troço da estrada entre Portimão e a Praia da Rocha e constitui, juntamente com a empena norte, uma imagem identitária do sítio (vd. imagem de topo), enquanto a intervenção na fachada nascente sublinha a ligação ao rio, numa relação de continuidade, materializada pela reconstituição do “vaivém” que transportava o peixe dos barcos para o interior da fábrica.

“Vaivém”: do embarcadouro à entrada do museu

Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2020

O edifício é, simultaneamente, espaço do museu e objeto museológico. A nave central foi adaptada para receber a exposição permanente “Portimão – Território e Identidade”, enquanto a antiga Casa do Descabeço2, espaço nuclear da fábrica, foi recuperada de forma a documentar a função original. Delineia-se, aqui, duas vertentes complementares do programa museológico: a exposição permanente, relativa à história da presença humana e da sua relação com a região num arco cronológico que abrange cinco milénios; a memória do lugar, relativa à atividade industrial conserveira.

Portimão – Território e Identidade

A exposição “Portimão – Território e Identidade” distribui-se por três núcleos, representando, num ambiente imersivo e multissensorial de objetos, imagens e sons. Na Máquina do Tempo, com a representação da evolução do território, salienta-se a passagem do lugar a Vila Nova de Portimão, com carta de foral passada por D. Manuel em 1504, e a elevação a cidade, por decreto assinado pelo Presidente da República Manuel Teixeira Gomes, portimonense, em 11 de dezembro de 1924.

Entrada no núcleo 1
Exposição “Portimão – Território e Identidade”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2020

A “Origem e destino de uma comunidade” refere-se ao percurso das comunidades que se fixaram na região, desde os vestígios pré-históricos da época do Neolítico final / Calcolítico, com uma referência especial aos monumentos megalíticos de Alcalar, e as presenças romana e islâmica à formação do núcleo urbano de Portimão, no século XV.

Monumentos megalíticos de Alcalar
Exposição “Portimão – Território e Identidade”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2020
Maquete ilustrativa de um monumento funerário tipo “tholos”
Exposição “Portimão – Território e Identidade”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2020

Os monumentos megalíticos de Alcalar, descobertos nos finais do século XIX, numa zona próxima do sistema lagunar da Ria de Alvor e onde terminava o troço outrora navegável da Ribeira da Torre, são antigos templos funerários que foram edificados e usados ao longo de vários séculos do 3.º milénio, no período Calcolítico, por uma importante comunidade pré-histórica que aí se fixou.

Presença romana
Exposição “Portimão – Território e Identidade”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2020

A relação com o rio e com o mar durante a época romana é confirmada não só pela designação relativa ao “porto magno”, como também através das referências à extração do sal e aos tanques de salga, enquanto a ocupação rural se documenta pelos vestígios das villas romanas da Abicada e do Vale da Arrancada. Na época islâmica, a proximidade de Xelb (Silves) contribuiu para o aparecimento de núcleos rurais e alcarias, como a do Armazém de Arge, junto à confluência da ribeira de Boina com o rio Arade, ocupada entre os séculos XII e XIII e de onde são provenientes alguns dos testemunhos expostos.

Materiais recolhidos nas dragagens realizadas no rio Arade
Exposição “Portimão – Território e Identidade”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2020

Neste núcleo, encontra-se um assinalável conjunto de materiais recolhidos nas dragagens realizadas no rio Arade, datados de Calcolítico final, Idade do Bronze e do Ferro, até à Idade Moderna, passando também pelas épocas romana e árabe. Destaca-se, aqui, o conjunto de ânforas proveniente de diferentes zonas do Mediterrâneo e que comprova o dinamismo das relações comerciais no período romano.

Núcleo 2
Exposição “Portimão – Território e Identidade” Portimão, Museu de Portimão Foto: MIR, 2020

Numa encenação que conjuga materiais, instrumentos e maquinaria, filmes e ampliações fotográficas retroiluminadas, sons, “Da madeira ao barco” apresenta as diversas fases do abate, serração e transporte da madeira, desde a serra de Monchique até à construção naval que se fazia nos antigos estaleiros de Portimão, mas também o corte da cortiça para as boias das redes de pesca, o fabrico dos cabos, a calafetagem com estopa e grude, a carpintaria de moldes, a fundição do ferro para as hélices dos barcos.

Serração da madeira
Fabrico dos cabos
Fundição das hélices
Exposição “Portimão – Território e Identidade”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2020

Os “Frutos secos e fumeiros” constituíam os principais recursos da economia rural: a secagem da alfarroba, da amêndoa e do figo (“almeixar”), as esteiras de cana, o rodo, as ceiras de palma-anã.

Fumeiro
Exposição “Portimão – Território e Identidade”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2020

A referência aos fumeiros, armazéns onde se procedia ao tratamento e acondicionamento do figo seco, torna-se pretexto para uma referência a Manuel Teixeira Gomes3.

Manuel Teixeira Gomes
Exposição “Portimão – Território e Identidade”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2020

Através de uma grelha cronológica, a biografia de Manuel Teixeira Gomes é traçada em três períodos: antes da República (1860-1910); a vida política (1910-1925), em que se inclui a Presidência da República entre 1923 e 1925; o exílio (1925-1941). Os factos são contextualizados através de excertos da sua obra literária e de objetos de arte e peças de mobiliário da sua coleção privada.

Vida industrial e o desafio do mar

Este percurso “constitui um núcleo direcionado para a interpretação do momento marítimo, naval e industrial do centro conserveiro de Portimão e do Município” (Câmara…, 2008, p. 4), através da representação sequencial das tarefas da pesca, do tratamento do peixe e das conservas. A narrativa, evocativa contextos recentes da história da cidade, apela à memória de quem os viveu e se revê na sua representação: a entrada das traineiras no cais; a descarga tradicional das canastras da sardinha; a lota e o grito do arremate; o apito das fábricas a anunciar a chegada o peixe; o barulho das chinelas nas calçadas, enquanto as mulheres corriam na ânsia de não se atrasar a picar o ponto.

Descarga da sardinha
Corrida das mulheres para o trabalho na fábrica
Exposição “Vida industrial e o desafio do mar”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2020

O peixe, vindo da lota, chegava ao pontão em frente ao museu e era retirado para os cestos colocados no vaivém. A vaivém foi parcialmente reconstituído entre o pontão e a “Sala do Descabeço” onde se mantêm as mesas de pedra, os tanques de salmoura e as máquinas de lavagem.

Casa do Descabeço
Exposição “Vida industrial e o desafio do mar”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2020

Manequins trajados, mas integralmente pintados de branco e com as faces descaraterizadas, simulam as tarefas que aqui eram executadas: as mulheres a retirar as cabeças e as tripas do peixe; a colocação dos peixes na salmoura, onde ficavam a enrijecer e a ganhar tempero; a arrumação dos peixes em grelhas encaminhadas para as máquinas de lavagem; os homens a retirar as grelhas das máquinas e a colocá-las nos carrões de ferro que levavam os peixes para a cozedura.

Descabeço
Peixe nos tanques de salmoura

Encaminhamento dos peixes para as máquinas de lavagem
Exposição “Vida industrial e o desafio do mar”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2020

Nas “artes do ‘cheio’”, foram igualmente recuperados os cozedores onde o peixe era cozido a vapor, enquanto, ao lado, nas mesas de enlatamento, as mulheres retiram os peixes das grelhas e acondicionam-nos nas latas, cortando os rabos e as pontas que excedessem o tamanho sob o olhar vigilante da visitadeira, operária especializada que controlava a qualidade e o asseio até ao enchimento das latas. As latas eram fechadas nas cravadeiras e seguiam para a esterilização onde as operárias batedeiras as batiam para verificar se estavam em condições.

Cozedores

Enlatamento do peixe
Exposição “Vida industrial e o desafio do mar”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2020

Ilustra-se, em seguida, as “artes do ‘vazio”, com a reconstituição do conjunto de oficinas para o fabrico das latas em folha de flandres e da serralharia para os caixotes em madeira onde as latas eram acondicionadas para o transporte. Se nem todas as fábricas conserveiras tinham estas oficinas, a litografia, onde eram criadas e impressas as ilustrações das latas e dos envoltórios, era ainda mais rara, sendo a Feu & Hermanos e a Júdice Fialho as únicas com esta valia no parque conserveiro de Portimão. Ao contrário do ‘cheio’, as artes do ‘vazio’ empregavam, sobretudo, homens. As ilustrações das latas e dos envoltórios constituíam a imagem de marca da fábrica e sustentavam a publicidade nos mercados nacionais e no estrangeiro.

Serigrafia
Embalamento das latas em caixas de madeira
Exposição “Vida industrial e o desafio do mar”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2020

Este percurso termina com a referência a outras estratégias promocionais na rádio e no cinema desenvolvidas pela Feu & Hermanos4.

Espaços sociais
Exposição “Vida industrial e o desafio do mar”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2020

A forma como os diferentes contextos são encenados e reconstituídos, os modelos sem feições, as ânforas suspensas na vitrine, as recontextualizações sistemáticas, remete-nos inevitavelmente para as lições de Georges Henri Rivière (1989). Também o programa museográfico se aproxima do conceito de apresentação integral (ou ecológica) defendida por Rivière como método de comunicação preferencial entre o museu e a comunidade.

[…] la présentation écologique est la plus attrayante et spectaculaire, et, de ce fait, la plus facilement assimilable. Toutefois, la présentation systématique qui permet d’étudier isolément et de réduire à l’essentiel les éléments de la réalité naturelle ou culturelle, apporte à la présentation écologique un complément intellectuel indispensable. (Rivière, 1958, p. 26)

Ao longo do percurso, a experiência torna-se imersiva, respondendo aos apelos sensoriais e emocionais que transmitem o sentimento de pertença. Há, ainda, gerações que viveram o que ali é mostrado, há quem se lembre ou tenha ouvido contar. Há contributos de informantes que testemunharam e confirmam o que ali está exposto. São inevitáveis as lacunas – a ausência de referências às lutas e aos conflitos laborais, mesmo se a Feu & Hermanos tivesse uma creche que garantia os cuidados primários de alimentação e higiene aos filhos das operárias – mas este museu cumpre os desígnios de museu de território enunciados por José Gameiro.

O discurso do museu abrange a história e a cultura do sítio até meados do século passado, cessando na época em que a indústria conserveira estava no auge. O declínio coincide com o boom turístico que modificou a paisagem urbana, a sociedade e as tradições rurais e piscatórias. O museu surgiu numa altura em que era fulcral fixar a memória de uma realidade que findava, conservando e protegendo os patrimónios tangíveis e intangíveis que lhes eram inerentes. Numa altura em que Portimão se descarateriza, o museu define as matrizes da sua identidade cultural.

A atualização passa pela construção de uma visita virtual bastante detalhada e informativa, completada por um guia multimedia, integrando estratégias de realidade aumentada.

Passada uma década, continua a fazê-lo e a confirmar os motivos pelos quais foi então premiado: Menção Honrosa Prémio Melhor Museu Português pela APOM – Associação Portuguesa Museologia, em 2008; Prémio Turismo de Portugal, em 2009; Prémio do Conselho da Europa, em 2010; Prémio Mundo do Trabalho DASA, em 2011.  Por outro lado, os prémios provam que o museu não se restringe à comunidade residente, expondo as marcas identitárias da região, o espírito do lugar, à população flutuante que passa por Portimão, respondendo, dessa forma, à procura de autenticidade que tem vindo a ser referida como um dos atributos do turismo atual.

Referências bibliográficas:
Câmara Municipal de Portimão. (2008. maio). Museu Municipal de Portimão. Portimão em Directo: Jornal Municipal, (18, caderno especial), 1-8.
Gameiro, J. (2007, maio). Um programa museológico para Portimão: Da fábrica ao museu, do museu à comunidade. Museologia, 1(1), 150-153.
Rivière, G. H. (1958). Stage régional d’études de l’Unesco sur le rôle éducatif des musées: Rio de Janeiro, Brésil, 7-30 septembre 1958. Acedido em https://docplayer.fr/57841717-Stage-regional-d-etudes-de-l-unesco-sur-le-role-educatif-des-musees.html
Rivière, G. H. (1989). La muséologie selon Georges Henri Rivière. Paris: Dunod.

Nota final:
Um museu depende das pessoas que o fazem. Durante todo este tempo, o museu tem sido a expressão de José Gameiro que, depois de aposentado, continua como diretor científico pro bono. Esta situação, indefinindo a hierarquia executiva, poderia ser limitar a ação, quer da direção, quer de quem lá trabalha. Não parece ser o caso. José Gameiro poderá ter criado uma equipa que, embora se autonomize, mantém a conceção e o programa do museu imaginado há quase três décadas, mas esta equipa vale por si.
Ao revisitar o museu em época de férias e pandemia, sou obrigada a referir o acolhimento de Rossana Costa, a quem perguntei se havia alguma publicação sobre o museu e que foi inexcedível na procura de informações, e acabou por chamar a diretora, Isabel Soares, que durante quase uma hora, a meio do expediente, me contou a história do museu e dos planos para o futuro. Não conhecia nenhuma das duas, mas fiquei a pensar que, com pessoas assim, este continuará a ser um bom museu.

  1. Em 1911, existiam no sítio do Estrumal, junto à foz do Arade, três fábricas de peixe: a de S. Francisco, propriedade de Francisco Bivar Weinholtz; a de S. José, de Júdice Fialho que, posteriormente, adquiriu a de S. Francisco; a La Rose, da Feu Hermanos, sociedade Feu Hermanos constituída, em 1889, pelos irmãos António e Manuel Feu Casanova. []
  2. A Casa do Descabeço era o sítio aonde chegava o peixe vindo dos barcos e onde se procedia à sua preparação para a conserva: o amanho (descabeço) e a lavagem. []
  3. Manuel Teixeira Gomes era filho do Libânio Gomes, um dos principais comerciantes e exportadores de frutos secos na região para a Holanda, Bélgica e França. O próprio Manuel Teixeira Gomes fez viagens comerciais neste âmbito pela Europa e, em 1910, quando se encontrava em Londres na qualidade de ministro plenipotenciário, enviou ao irmão uma carta com instruções sobre a preparação do figo no fumeiro. Este era uma das principais bases da economia local antes da implantação da indústria conserveira. []
  4. A fim de promover o consumo das suas conservas no mercado nacional, a Feu & Hermanos mandou gravar um spot publicitário às conservas La Rose, cantado pela fadista Hermínia Silva e transmitido no Rádio Clube Português, e patrocinou o documentário “O Jogo da Sardinha‘, realizado por José de Oliveira Cosme e filmado na fábrica. []

4 comentários em “Museu de Portimão: um museu de território para a comunidade”

  1. Belíssima descrição do que foi a Fábrica Feu Hermanos! Como filha de um dos donos, fico imensamente orgulhosa com o conteúdo do seu artigo. Os meus parabéns Maria Isabel Roque
    Maria Feu

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.