Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo: sinais de risco

O Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, em Évora, é o único museu nacional a sul do Tejo. Em 2019, o Decreto-Lei n.º 78/2019, de 5 de junho, determinava a mudança de nome do, até então, Museu de Évora, evocando a figura de D. Frei Manuel do Cenáculo, arcebispo de Évora (1802-1814), cuja coleção lhe está na génese. Pelo mesmo decreto, o museu, depois de ter estado sob a dependência da Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRC Alentejo), voltou à tutela da Direção Geral do Património Cultural (DGPC), passando os funcionários a integrar o respetivo mapa de pessoal.

Busto de D. Frei Manuel do Cenáculo
António Augusto da Costa Mota, 1904
Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo
Fotos: MIR, 2020

Quando D. Frei Manuel do Cenáculo assumiu a Mitra de Évora, trouxe consigo parte substantiva da coleção que, em Beja, constituíra o acervo do Museu Sesinando Cenáculo Pacense1, nomeadamente, “as suas collecções de livros e outras que por constarem de objectos de pouco peso facilmente se podiam conduzir” (Simões, 1869, p. 3), ou seja, a biblioteca, a coleção de moedas e medalhas e alguma lapidária, acompanhando a evolução dos gabinetes de iluministas de história natural em que se incluíam objetos arqueológicos e artísticos (Brigola, 2003). Em 1805, criou a biblioteca pública, a que anexou uma pinacoteca constituída por aquisições particulares e obras provenientes da catedral, universidade e colégios da cidade (Roque, 2011), cujo espólio foi parcialmente integrado no museu de Évora que agora ostenta o seu nome.

O Museu de Évora foi criado pelo Decreto-Lei n.º 1355, de 1 de março de 1915, com a designação de Museu Regional de Évora. Tinha o objetivo de coordenar a conservação e valorização dos bens arqueológicos e artísticos expostos na Biblioteca Pública e na Sé da cidade. Na sequência da Lei de 1834 que determinou a extinção das Ordens Religiosas, a população local tentou evitar, sem êxito, o envio das suas coleções de arte para Lisboa, o que determinou a intenção de constituir um museu local, onde fosse incorporado o património que restara, nomeadamente o espólio arqueológico e os fragmentos arquitetónicos salvos da destruição dos edifícios desamortizados, além da pintura, escultura, ourivesaria e artes decorativas que haviam sobrado. O conservador da Biblioteca Pública, Joaquim da Cunha Rivara, nomeado em 1836, e o seu colaborador João Rafael de Lemos, deram voz a este projeto, captando ofertas e depósitos para ampliar o acervo e justificar a criação de uma instituição museológica de raiz. O espólio lapidar foi reunido no templo dito de Diana (muito adulterado e, até então, a servir como açougue), que passou a funcionar como reserva e casa-forte do futuro museu, enquanto outras tipologias mais frágeis (núcleos de pintura, de produtos naturais e um gabinete de raridades) foram acomodadas na Biblioteca. Entretanto, era feito, pelos dois investigadores, o levantamento prévio da pintura existente nos conventos femininos. Entre 1863 e 1873, Augusto Filipe Simões dirigiu a instituição, ordenando modificações na sala do museu e a continuação dos trabalhos de catalogação, ao mesmo tempo que denunciava a falta de espaço e de equipamento para arrumação e exposição das peças. Em 1881, o acervo arqueológico foi colocado no edifício da Biblioteca Pública, junto ao espólio da Pinacoteca de Cenáculo e outras coleções de curiosidades e História Natural. A parte destinada àquela secção compreendia o primitivo celeiro da Mitra, doado pelo arcebispo D. José António da Mata e Silva a Filipe Simões, em 1877, permitindo-lhe iniciar a adaptação do espaço às novas funções expositivas, continuada por Queirós Veloso e Pereira Pinho. Foi inaugurado em 1903. Assim, a criação do museu, em 1915, já após a implantação da República, veio oficializar uma situação que já estava assumida na prática, além de lhe conferir nova dinâmica. As principais secções – Arquitetura, Escultura, Epigrafia e Heráldica –, encontram-se expostas no corpo térreo; Pintura, Mobiliário e restantes Artes Decorativas, no primeiro andar. O acervo religioso do museu é constituído fundamentalmente pela coleção de pintura organizada por D. Frei Manuel do Cenáculo e pelos espólios das igrejas e extintos conventos eborenses, com realce para as treze pinturas do antigo retábulo flamengo da Sé de Évora e a coleção de pintura sacra quinhentista e de retratos dos séculos XVII e XVIII.2

Museu de Évora: interior sala de pintura
C. 1940
Casa Comum, Fundo DTC – Documentos Mário e Alice Chicó – Sílvia Chicó

Em 1940, o museu foi remodelado sob a orientação do Professor Mário Chicó, valorizando as secções de arqueologia, arquitetura, escultura, epigrafia, heráldica, ourivesaria, artes decorativas. Mais recentemente, o espaço e a museografia foram novamente transformados, segundo o projeto premiado do arquiteto Raul Hestnes Ferreira que manteve a organização por tipologias: no piso térreo, a coleção de arqueologia; no piso térreo, as salas de escultura medieval e renascentista, constituída maioritariamente por monumentos sepulcrais, pedras tumulares e elementos de raiz arquitetónica, deixando a descoberto uma parte das escavações entretanto realizadas; no piso superior, ficou exposta a coleção de pintura.

Sala do Renascimento
Galeria de pintura
Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo
Fotos: MIR, 2020

Embora sem negar a cronologia e suas sedimentações, o arquiteto optou por se fixar na estrutura palaciana de finais do século XVI, concebendo um espaço limpo e neutro e eliminando a compartimentação supérflua para criar uma sucessão de galerias na elaboração de um percurso museográfico linear e sequencial. Durante as obras de valorização e remodelação, procedeu-se ao restauro e conservação das mais importantes peças do acervo numa parceria com o departamento de Química da Universidade de Évora. O museu reabriu em 2009.

A museografia provocou algum debate em torno dos suportes em ferro para itens de epigrafia e elementos arquitetónicos, que alguns achavam demasiado impositivos, enquanto outros elogiavam pela inovação e adequação às peças. Esse debate foi, talvez, mais intenso em relação ao arranjo museográfico dos painéis do ciclo da vida da Virgem, reconstruindo o antigo retábulo da Sé3, criticado por ter sido criado um desnível que enterrava a composição e louvado pela aproximação ao arranjo original.

Suportes de ferro para lápides  funerárias em pedra
Reconstituição do retábulo da Sé de Évora
Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo
Fotos: MIR, 2020

Independentemente destas controvérsias, houve alguma unanimidade no reconhecimento da forma respeitosa como Hestnes Ferreira tratou as obras, sujeitando a arquitetura à museografia:

Todo o desenho “novo”, desde os materiais de acabamento aos perfis metálicos que assinalam as molduras dos vãos interiores, passando pelos sistemas de iluminação natural e artificial, comunica a “solenidade” de um espaço expositivo. Existe uma neutralidade na construção do espaço que dirige a atenção para as peças de arte (onde deve estar), desviando-a da arquitectura. Num tempo em que as práticas de requalificação de edifícios preexistentes passam muitas vezes pela museologização da própria arquitectura, expondo os diferentes tempos que compõem essas construções, Hestnes Ferreira preferiu introduzir uma marca de unidade assumindo sempre que se tratava de fazer um museu. (Milheiro, 2009)

Passou pouco mais de uma década, ao longo da qual o museu passou da tutela do Instituto dos Museus e Conservação para a DRC Alentejo (Decreto-Lei n.º 112/2012, de 25 maio) e, desta, para a DGPC. Ao longo deste tempo, alguns materiais acusam desgaste e algumas soluções parecem desgastadas. Na cave, os revestimentos das vitrinas e os painéis mostram os efeitos da humidade excessiva, os quais se verificam, também e obviamente, nos metais. Ao longo de toda a exposição, encontra-se espaços vazios. A maioria das tabelas tem a superfície descolada e os cantos dobrados. Os QRcodes não permitem ligação. As vitrinas estão sujas e sem iluminação, além de que algumas, como as de cerâmica no final do percurso, parecem ter um arranjo aleatório.

 

Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo
Fotos: MIR, 2020

Acrescentando a este contexto a situação de contenção imposta pela pandemia do Covid-19, deambular por este museu é quase desolador.

Revisitei-o num sábado de julho: éramos três visitantes (dois amigos e eu), duas funcionárias, uma na bilheteira, outra nas salas – e um agente de segurança. A cafetaria e a loja há muito que estão vazias e encerradas. Havia uma máquina automática que distribuía águas (e café?) que, entretanto, também desapareceu. Antes de ir, telefonei a perguntar se estaria aberto. Chegámos ao fim da manhã, a tempo de entrar no museu e ver o piso térreo; tivemos de sair às 13 horas, porque o museu encerra à hora de almoço; voltámos às 14, para visitar o resto das salas.

Galeria de arte sacra
Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo
Foto: MIR, 2020

Para lá das obras expostas, o ponto mais positivo é a simpatia e a disponibilidade das funcionárias, o gosto que têm em trabalhar ali apesar de tudo, de serem poucos e da pluralidade das funções que lhe são exigidas. Apesar de o quadro de pessoal do museu prever uma equipa mais alargada, o museu tem, no ativo, o diretor e três assistentes técnicos, sendo que um deles se encontra de baixa médica. A exiguidade (e óbvia insuficiência) da equipa obriga ao encerramento do museu nos segundos fins-de-semana dos meses de julho, agosto e setembro. O diretor do museu, António Alegria, em declarações ao Público, justifica que esta foi a solução encontrada para garantir aos assistentes técnicos o seu período de descanso enquanto os restantes membros da equipa se encontram de férias. E conclui: “Se acontecer alguma coisa ao outro assistente, o problema colocar-se-á de outra forma e teremos de encerrar até resolver o problema” (cit. in Bôto, 2020).

O retorno para a DGPC, em 2017, depois de ter sido publicamente denunciada a situação gravosa em que o museu se encontrava, fazia prever que a passagem para a administração central e a mudança de estatuto para museu nacional trouxessem a reforma desejada. Porém, isso não aconteceu e apenas assistimos ao agravamento da situação anterior. Depois de um procedimento concursal para provimento do cargo de direção realizado em 2015 e cujo resultado não chegou a ser publicitado, apesar de ter cumprido todas as etapas legais, está em curso novo procedimento (vd. Roque, 2000). Na abertura do concurso, a estimativa do orçamento do museu é de pouco mais de 340 mil euros anuais, o que significa uma verba para programação de cerca de 30 mil euros, em função do disposto no Regime da Autonomia dos Museus4. Por isso, Maria de Jesus Monge, Presidente da Direção do ICOM Portugal, em carta dirigida à Ministra da Cultura, no passado dia 12 de agosto, apontava a falta de pessoal e a suborçamentação suportadas nas últimas décadas como as principais razões para a situação precária em que o museu se encontra:

Devolvido administrativamente à categoria de instituição de referência, é devido a este museu, às coleções que conserva, à comunidade em que está ancorado, aos visitantes que o procuram, no centro de uma cidade Património Mundial, o investimento que merece, a nível financeiro e de quadro de pessoal, e sem o qual o diretor que ganhar o concurso ver-se-á sem as condições mínimas necessárias para garantir a boa gestão das coleções, do pessoal e dos visitantes. (Monge & ICOM, 2020)

Nesta carta, Maria de Jesus Monge refere ainda que esta é “sintomática das fragilidades e deficiências existentes na gestão dos museus e monumentos nacionais”. Sendo mais gravosa neste museu, uma situação idêntica ocorre noutros museus nacionais que se veem obrigados a fechar total ou parcialmente à hora do almoço ou a antecipar o encerramento. É o caso de, pelo menos, o Museu Nacional dos Coches, o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) e o Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC).

Numa altura em que, devido à pandemia, quase não há turistas e o número de visitantes diminuiu drasticamente, esta situação até pode ser desvalorizada. Poder, pode, mas não deve porque este é apenas um sintoma mais visível de uma enfermidade latente, bem mais profunda e grave, que atinge os museus e monumentos portugueses, mesmo aqueles que dependem da DGPC. Esta situação é recorrente (vd. Roque, 2017). Porém, agora, associada à crise que abala o mundo da cultura, esta enfermidade poderá ser fatal se lhe faltar uma intervenção adequada, com medidas concretas e imediatas ao nível do orçamento e do pessoal contratado, e uma visão sustentável para o futuro. E ambas parecem faltar.

Referências:
Bôto, M. (2020, 12 ago.). Falta de pessoal leva Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo a encerrar no segundo fim-de-semana de cada mês até Setembro. Público. Acedido em https://www.publico.pt/2020/08/12/culturaipsilon/noticia/falta-pessoal-leva-museu-nacional-frei-manuel-cenaculo-encerrar-segundo-fimdesemana-mes-ate-setembro-1927904
Brigola, J. (2003). Colecções, gabinetes e museus em Portugal no século XVIII. Lisboa: Fundação Colaste Gulbenkian; Fundação para a Ciência e a Tecnologia.
Milheiro, A. V. (2009, 19 jun.). Um lugar onde as obras de arte vêm primeiro. Público. Acedido em https://www.publico.pt/2009/06/29/culturaipsilon/noticia/um-lugar-onde-as-obras-de-arte-vem-primeiro-235297
Monge, M. J., & ICOM-PT. (2020, 12 ago.). Carta do ICOM à Ministra da Cultura sobre o Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo. In ICOM-PT (sítio eletrónico oficial): Destaques, notícias. Acedido em https://icom-portugal.org/2020/08/13/carta-do-icom-a-ministra-da-cultura-sobre-o-museu-nacional-frei-manuel-do-cenaculo/
Roque, M. I. (2011). O sagrado no museu. Lisboa: Universidade Católica Editora.
Roque, M. I. (2017, 7 jul.). Museu parcialmente encerrado: Um aviso. A-muse.arte (blogue). Acedido em https://amusearte.hypotheses.org/1885
Roque, M. I. (2020, 31 maio). Concursos para diretores de museus e monumentos nacionais por imbricados caminhos. A-muse.arte (blogue). Acedido em https://amusearte.hypotheses.org/6568
Simões, A. F. (1869).  Relatorio ácerca da renovação do Museu Cenaculo … Évora: Typ. da Folha do Sul.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo: sinais de risco," in a.muse.arte , 2020/08/15, https://amusearte.hypotheses.org/6760.
  1. O Museu Sesinando Cenáculo Pacense foi inaugurado em Beja, em 1791, sendo considerado o primeiro museu público português. []
  2. Este parágrafo foi retirado, com algumas adaptações, de Roque (2011). []
  3. O retábulo, um políptico de treze pinturas a óleo sobre madeira de carvalho, feito entre 1495 e 1510, é uma obra provavelmente coletiva, cuja autoria não é conhecida, mas onde é visível forte influência flamenga. Esteve instalado na capela-mor da Sé de Évora, até ao século XVIII, tendo sido desmanchado quando a capela gótica foi demolida para dar lugar ao arranjo de Ludovice (Johann Friedrich Ludwig, o arquiteto do Convento de Mafra, ainda durante o reinado de D. João V. []
  4. Nos termos da alínea g) do n.º 2 do artigo 14.º do Regime da Autonomia dos Museus, a verba para programação deve corresponder a 10 % do orçamento total. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.