Estátua de Zeca Afonso em Belmonte

No dia em que faria 91 anos, Zeca Afonso foi homenageado, com a inauguração de uma estátua em Belmonte, terra onde viveu durante algum tempo da juventude. O presidente da Câmara de Belmonte, António Dias Rocha, responsável pela iniciativa, justificou-a como “um tributo ao seu ideal humanista, à sua excelência musical, à sua grandeza social, à sua fraternidade, à sua generosidade, à sua simbologia política, à sua dimensão universal, à democracia” (cit. in “Belmonte…”, 2020). A Ministra da Cultura, Graça Fonseca, esteve presente na cerimónia, onde referiu a classificação da obra fonográfica como “conjunto de bens móveis de interesse nacional” com o principal objetivo de “recolher, investigar e apurar” todo a informação e património sonoro deixado pelo músico.

Tudo estaria bem, não fora… a própria escultura.

Uma representação canhestra e atarracada, sem alma, nem rasgo. O tamanho natural, os óculos, o cravo na mão erguida são os únicos atributos que se aproximarão da fisicalidade de Zeca Afonso, pretensamente retratado no concerto do Coliseu dos Recreios, em Lisboa, a 28 de janeiro de 1983.

Zeca Afonso
Lisboa, Coliseu dos Recreios, 1983
Foto: LUSA

Falta criatividade, falta sensibilidade estética, falta noção da proporcionalidade e da harmonia do corpo, falta técnica e execução. Há, aqui, algo que já parece familiar, traços comuns à escultura de Cristiano Ronaldo, da autoria de Emanuel Santos, que se encontrava no Aeroporto Internacional da Madeira, ou à do Padre António Vieira1, de Marco Fidalgo, no Largo Trindade Coelho, em Lisboa. A todas é comum a mesma carência de estética e de técnica.

A arte urbana é, muitas vezes, uma mera poluição visual que em nada enaltece aquilo que representa ou aqueles que pretensamente homenageia. Também não dignifica os autarcas que a promovem ou os governantes que a ela se associam, para lá do fogo fátuo que alimenta as suas vaidades (e a sua propaganda) nas festas de inauguração. Como também não promove o artista – e este tem, no currículo, a formação na Escola Universitária das Artes de Coimbra, um longo elenco de exposições individuais e de participações em exposições coletivas, representações em coleções publicas e prémios, incluindo o de revelação da XII Bienal de Arte Internacional de Vila Nova de Cerveira, em 2003 – que parece ter cedido ao óbvio da encomenda.

Mais valia, a Zeca Afonso, que a homenagem que lhe é devida se tivesse cingido à classificação da obra fonográfica.

Referência e fonte da imagem:
Belmonte já tem uma estátua de homenagem a Zeca Afonso. (2020, 2 ago.). Jornal do Fundão. Acedido em https://www.jornaldofundao.pt/belmonte/belmonte-ja-tem-uma-estatua-de-homenagem-a-zeca-afonso/

  1. Quando, aqui, foi criticado o vandalismo cometido na estátua do Padre António Vieira, a qualidade da obra foi relegada para segundo plano, por se considerar que o ato era simbólico contra o racismo e o colonialismo e, portanto, contra o indivíduo supostamente conotado com a sua defesa. A estátua era, nesse contexto, um objeto simbólico e, como tal, foi condenada a atitude iconoclasta. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.