Joaquim Veríssimo Serrão: in memoriam

Joaquim Veríssimo Serrão (Santarém, Tremês, 8 de julho de 1925 – Santarém, 31 de julho de 2020)

Nesta evocação do Prof. Veríssimo Serrão, não resisto a partilhar uma memória muito marginal ao que um memorial deveria ser. Há muitos anos, passava uns dias no campo quando, numa manhã em que acordei mais cedo e resolvi dar uma volta, passei pela casa dos quinteiros e encontrei a D. Gracinda sentada no poial a ler, o indicador a seguir as linhas, um livro. Era um livro grosso, com um texto denso, que se diria improvável nas mãos e, sobretudo, no gosto da D. Gracinda. Contou-me que tinha encontrado o livro, já não me lembro onde, e que aproveitava as madrugadas, antes do aperto dos trabalhos, para o ler, surpreendida com as coisas que aquele senhor sabia, mas também pelo gosto que ela, leitora muito rudimentar, retirava daquelas letras, seguidas a custo, as palavras soletradas, e das madrugadas ocupadas na descoberta daquelas “ai, que histórias tão bonitas” de que a História é feita. Não sei quanto tempo terá levado a ler aquele volume da História de Portugal, de Veríssimo Serrão, mas lembro que todos os dias a encontrava no mesmo sítio, umas páginas adiante, e que ficava ali um bocado, enquanto ela me contava o que tinha lido. A erudição do Professor Veríssimo Serrão chegava-me através das leituras de uma mulher do campo.

Professor Catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde foi reitor, entre 1973 e 1974, Veríssimo Serrão é um dos vultos maiores da nossa academia e da historiografia portuguesa contemporânea. Licenciado, em 1948, em Ciências Histórico-Filosóficas pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, e doutorado em 1957, na mesma universidade, com a tese O Reinado de D. António Prior do Crato: 1580-88, iniciou nesse ano funções docentes na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, depois de ter sido leitor de Cultura Portuguesa na Universidade de Toulouse. Entre 1967 e 1972, suspendeu a atividade docente, para cumprir a função de diretor do Centro Cultural Português da Fundação Calouste Gulbenkian em Paris. No regresso a Portugal e à Universidade Lisboa, ocupou a cátedra de História na Faculdade de Letras, onde firmou um papel de relevo como pedagogo, em cujo magistério de formaram gerações de historiadores.

Imagem em Santo André – Conservação e Restauro de Bens Culturais (Facebook)

Foi presidente da Academia Portuguesa da História, entre 1975 e 2006, foi também sócio de mérito, membro honorário e correspondente de inúmeras sociedades científicas, portuguesas e estrangeiras. Recebeu, entre outros, os prémios Alexandre Herculano (1954), D. João II (1965), além de várias condecorações, distinções e doutoramentos honoris causa por universidades portuguesas, francesas e espanholas.

Como uma das principais referências da historiografia portuguesa, a sua investigação centrou-se na história de Portugal, na participação dos humanistas portugueses na cultura europeia do século XVI, no estudo das figuras que pontuaram a vida política nacional entre os finais do Antigo Regime e a início do Liberalismo, mas também na história local, sobretudo de Santarém, concelho de onde era natural, lega-nos uma obra monumental, onde se destaca a História de Portugal, em 18 volumes, publicada pela Editorial Verbo entre 1979 e 2010.

Na notícia da morte do Professor Veríssimo Serrão, o filho, Vítor Serrão, apresenta-o como “historiador, ensaísta, académico e homem de cultura”. Sentimo-nos mais pobres com a sua morte, mas somos imensamente mais ricos pela herança que nos deixou, pelo conhecimento de que lhe somos devedores.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.