Ser ou não ser museólogo

RA abertura dos concursos para diretores de museu, os avanços e recuos que resultam em instruções contraditórias, a escolha de Rita Rato para diretora do Museu do Aljube, desencadeou um novo debate sobre o perfil de diretor de museu, à semelhança do que, há uns meses ocorreu em relação ao perfil de diretor do património cultural, na sequência da nomeação de Bernardo Alabaça. Curiosamente, houve quem se manifestasse contra esta nomeação, pela inadequação do perfil académico e profissional de Alabaça para o cargo, e desvalorizasse a formação e experiência de Rita Rato.

A questão de fundo diz respeito ao modelo de museu, ou, melhor, acerca daquilo que cada um concebe acerca do que é e do que deve ser o museu, variando as perspetivas consoante se priorize a coleção (o estudo e o conhecimento, a conservação e preservação) ou a sua interpretação e divulgação junto dos públicos (elaboração do discurso museológico, estratégias de comunicação e mediação).

As posições de consenso, propondo uma articulação entre a formação em museologia e no domínio científico da coleção, parecem prevalecer sobre as posturas extremadas. No entanto, nestas, parecem ser mais os que defendem os conhecimentos em áreas relacionadas com as coleções do museu do que aqueles que consideram essencial do que a formação em museologia.

Segundo o Expresso, a Direção-Geral do Património Cultural publicou uma Retificação ao Aviso n.º 9312-A/2020 (Retificação n.º 526-A/2020, de 29 de julho de 2020) do concurso para diretores de museu1, substituindo no ponto relativo ao “Perfil valorizado” a “Formação pós-graduada nas áreas disciplinares relevantes ao cargo a prover” por «Formação pós-graduada nas áreas disciplinares da Museologia, do Património e da Conservação e Restauro”. Esta retificação, de resto, repõe o texto do procedimento em igualdade com o que tinha sido formulado na primeira fase do concurso2 (vd. Concursos para diretores de museus e monumentos nacionais por imbricados caminhos).

Curiosamente, são muitos os profissionais de museu, no ativo, que se manifestam contra esta condição. Se são os próprios que não se manifestam em prol da profissão qualificada e se não são as universidades a defender a formação em museologia, não admira que esta não seja considerada. Fazendo um contraponto com outras áreas patrimoniais, passaria pela cabeça de alguém nomear para diretor de biblioteca alguém que não tivesse formação em biblioteconomia, ou para diretor de arquivo, alguém sem formação em arquivística? O que se passa, então, no mundo dos museus?

Fará falta ao diretor de museu ter conhecimentos em museologia? Ou ter formação pós-graduada em Museologia, do Património e da Conservação e Restauro? E apenas se refere a formação pós-graduada porque, efetivamente, em Portugal e à exceção da Conservação e Restauro, ao contrário de países como o Brasil, não há – creio – licenciaturas nestas áreas. Ou será mais importante a formação especializada nas áreas relativas às coleções? Ou o facto de, em Portugal, não haver licenciatura em Museologia ou em Património, permite uma solução híbrida, da formação de base na área das coleções (história, história da arte, arqueologia, antropologia, física, botânica…) e a pós-graduação em museologia? E não será esta, também, a solução mais adequada à função, sobretudo, se atendermos que a maioria das instituições não tem capacidade financeira para sustentar uma equipa pluridisciplinar?

Faz falta, aos museus, quem conheça este campo particular do conhecimento. Fazem falta museólogos, ou conservadores de museu que, naturalmente e por inerência de funções, também serão conhecedores da coleção. Para isso é necessário a promoção e o reconhecimento desta disciplina, seja ela dita museologia ou, se o sufixo -logia parecer demasiado pretensioso, dos estudos de museu. Para isso, também, é necessário que os profissionais e a academia promovam esta disciplina, se insurjam de cada vez que alguém abre as portas a uma coleção e lhe chame museu, de cada vez que alguém disponha uma série de objetos num escaparate e lhe chame exposição, ou de cada vez que alguém sem formação ocupe os lugares a que os formados não conseguem aceder.

Entre ser ou não ser museólogo, definitivamente ser.

  1. Para os seguintes museus: Mosteiro de Alcobaça, Palácio Nacional de Mafra, Museu Nacional da Música, Museu Nacional do Azulejo, Museu Nacional dos Coches, Museu Nacional de Arte Contemporânea e Casa Museu Dr. Anastácio Gonçalves, Museu Nacional de Etnologia e Museu de Arte Popular, Museu Nacional do Teatro e da Dança e Museu Nacional do Traje. []
  2. Para o cargo de direção dos seguintes museus: Mosteiro dos Jerónimos e Torre de Belém, Panteão Nacional, Palácio Nacional da Ajuda, Museu Nacional de Arqueologia, Museu Monográfico de Coimbra, Museu Nacional Grão Vasco, Museu Nacional Machado de Castro, Museu Nacional Soares dos Reis e Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.