Aquisição de obras de arte contemporânea: uma boa notícia (e algumas questões)

Acaba de ser anunciada a aquisição, pelo Estado, de 65 obras de arte contemporânea de 57 artistas nacionais, no valor de 500 mil euros. Esta aquisição junta-se à que foi feita o ano passado, de 21 obras por 300 mil euros e prevê-se que no próximo ano se conclua o investimento de um milhão de euros prometido até ao final da legislatura.

Toquem os tambores que esta é uma boa notícia!

Indiscutivelmente uma boa notícia, porque implica uma compensação financeira aos artistas numa altura em que o mercado está menos ativo e porque traduz o reconhecimento e a promoção das suas obras. Boa notícia, portanto.

As 65 obras de arte abrangem pintura, desenho, escultura, fotografia e vídeo, criadas entre 2005 e 2019. Os artistas são: António Olaio, Armanda Duarte, Artur Barrio, Augusto Brázio, Bruno Pacheco, Carlos Correia, Catarina Botelho, Cecília Costa, Cristina Lamas, Cristina Mateus, Daniel Blaufuks, Diogo Bolota, Eduardo Matos, Fernanda Fragateiro, Fernão Cruz, Gabriel Abrantes, Gonçalo Barreiros, Gustavo Sumpta, Hugo Canoilas, João Fonte Santa, João Gabriel, João Onofre, João Queiroz, João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira, Jorge Queiroz, José Maçãs de Carvalho, Júlia Ventura, José Luís Neto,Luis Lázaro Matos, Mafalda Santos, Manuel Santos Maia, Mariana Caló e Francisco Queimadela, Mariana Gomes, Mattia Denisse, Miguel Leal, Nuno Sousa Vieira, Pauliana Valente Pimentel, Pedro A. H. Paixão, Pedro Barateiro, Pedro Cabral Santo, Pedro Sousa Vieira, Ramiro Guerreiro, Renato Ferrão, Rui Calçada Bastos, Tiago Alexandre, Tiago Baptista, Mimi Tavares, Patrícia Garrido, Rita Castro Neves e Daniel Moreira, Susana Gaudêncio.

As obras irão a integrar a Coleção de Arte Contemporânea do Estado, cujo acervo passa a integrar 1.290 obras de arte, onde se incluem artistas como Helena Almeida, Julião Sarmento, José de Guimarães, Abel Manta, Júlio Pomar, Ilda David, Andy Warhol, Noronha da Costa, Robert Mapplethorpe e Sebastião Salgado. A coleção, iniciada em 1976 (então denominada Coleção SEC), está dispersa por vários organismos, como embaixadas, gabinetes oficiais, direções regionais de Cultura, mas a maioria está na Fundação de Serralves (553 obras) e Centro Cultural de Belém (37), em Lisboa, e na Câmara Municipal de Aveiro (?) (159).

A Comissão para a Aquisição de Arte Contemporânea (2019-2020), responsável pela seleção das obras, é constituída por Sandra Vieira Jürgens, Eduarda Neves, o Manuel João Vieira, a Sara & André, David Santos, David Teles Pereira, Graça Rodrigues. Compete, ainda, a esta Comissão, a curadoria da exposição de todas as novas obras da Coleção do Estado. Para o biénio 2021-2022, a Comissão será coordenada por David Santos, entretanto nomeado curador da Coleção e integrará, ainda, Ana Anacleto, Carla Cruz, Horácio Frutuoso, Mariana Pinto dos Santos e Pedro Portugal.

O facto de ser uma boa notícia não impede que suscite muitas questões. Porque, para lá do que é dito e conhecido, há algumas sombras.

I selfish, de Daniel Balufukus (2010), uma das obras adquirida para a Coleção de Arte Contemporânea do Estado
I selfish, de Daniel Blaufukus (2018), uma das obras adquirida para a Coleção de Arte Contemporânea do Estado

São conhecidos os membros da Comissão que escolheu as obras que foram compradas. São conhecidos os artistas. Mas conhece-se os critérios que presidiram à escolha? Até mesmo, a todas as escolhas: a dos membros da Comissão, onde estão curadoras, artistas, um antigo subdiretor-geral do Património Cultural, e um assessor do gabinete da Ministra da Cultura, mas não historiadores da arte contemporânea, nem diretores ou conservadores dos museus públicos ou, em particular, do Museu Nacional de Arte Contemporânea, a quem deveria competir uma decisão sobre este tipo de aquisições; a dos artistas, onde obviamente faltam nomes; a das obras, onde não também faltam correntes e expressões. E a quem foram compradas as obras? Ou quais as (eventuais) ligação entre os comissários, as galerias e os artistas?

Meras questões de quem, efetivamente, sabe muito pouco sobre este assunto. Como, provavelmente, a maioria dos cidadãos.

Nota final: A coleção foi apresentada no Museu Nacional de Arte Antiga, no dia 27 de julho. Durante a cerimónia, uma jornalista da SIC interpelou a Ministra, pedindo-lhe um comentário sobre a iniciativa do grupo União Audiovisual que está a apoiar cerca de 150 trabalhadores carenciados do sector cultural, fornecendo-lhes bens alimentares. A ministra recusou-se a comentar, sob o pretexto “Só falo de arte contemporânea” e convidou: “vamos beber o drink de fim de tarde”. Com isto, ficou completa a apresentação da Coleção: também estas aquisições são um “drink de fim de tarde” a camuflar a realidade da arte contemporânea em Portugal.

Imagem de destaque: Ritmo, de Diogo Bolota (2016), uma das obras adquirida para a Coleção de Arte Contemporânea do Estado

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Aquisição de obras de arte contemporânea: uma boa notícia (e algumas questões)," in a.muse.arte , 2020/07/28, https://amusearte.hypotheses.org/6686.

Um comentário em “Aquisição de obras de arte contemporânea: uma boa notícia (e algumas questões)”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.