A queda das estátuas

A estátua de Cristóvão Colombo, da autoria de Henrique Moreira e inaugurada em 1968 no Parque de Santa Catarina, no Funchal, foi vandalizada.

Cristóvão Colombo
Henrique Moreira, 1968
Funchal, Parque de Santa Catarina

O episódio é um sinal ou epítome destes últimos tempos. A pretexto da morte de George Floyd, no passado mês de maio, vários monumentos e memoriais foram mutilados, destruídos ou removidos do espaço público. Têm subjacente e como pretensa justificação, a luta contra instaladas hierarquias de dominação e de privilégio, envolvendo questões anticolonialistas, antirracistas e antixenófobos, a que se juntam motivações de justiça social. O propósito da luta tem, assim, uma abrangência ética, relativa à transformação dos hábitos e costumes e, por inerência, das condutas individuais.

A mutilação, destruição e remoção das estátuas, bem como a controvérsia em torno da toponímia de algumas ruas, alargaram o debate público sobre a questão do passado colonial que, de resto, não é novo, mesmo que seja muito circunscrito a alguns grupos. O que este movimento acrescenta é anexar ao debate a contestação ao conceito de que a história não deve ser apagada, propondo uma reescrita onde alguns nomes seriam apagados e alegando que a narrativa histórica resulta de uma escolha política: “en France, ce ne sont pas les historiens qui construisent la mémoire toponymique et statuaire de l’espace urbain, mais les élus” (Vassakos, 2020).

Num estudo recente sobre a estatuária pública em França do século XIX à atualidade, Jacqueline Lalouette (2018) evidencia algumas constantes: o primado dos políticos, escritores e soldados, seguidos por eclesiásticos (o que se estanha, num espaço público laico), artistas e intelectuais; o caráter residual das mulheres representadas, sendo que Joana d’Arc detém a maioria dos 7% das estátuas que lhes são dedicadas; a elevada concentração no século XIX, o que corresponderá ao espírito romântico do enaltecimento do herói, enquanto figura arquetípica do que supera a condição comum; a integração das estátuas no espaço cívico integra-se numa pedagogia republicana que elabora a sua ancoragem social dos representados, a qual tem vindo a despertar tensões e controvérsias que atingem práticas iconoclásticas. Nesse sentido, a carga simbólica das estátuas refere, ela própria, uma história truncada, onde o povo, as mulheres, os não-brancos e as minorias estão ausentes, o que, em parte, fundamenta e poderia legitimar o ataque às estátuas coloniais.

No entanto, a formalização desta luta, que se tornou uma outra pandemia social e cultural, tornou-se cega e indiscriminada e formaliza-se em atos de violência gratuita. O ataque deliberado ao património é infame. As estátuas e os memoriais têm um conteúdo iconológico que os relaciona com o representado, mas incorporam outras camadas de significação que as liga aos contextos culturais e de mentalidades da sociedade que as promoveu. São, por isso, um documento ou testemunho, que ultrapassa o individuo para se constituir como marca coletiva.

A reescrita da história através da obliteração dos factos e dos seus agentes pode ser tão perversa como aquela que se faz através da glorificação de alguns eleitos. Os atos de vandalismo – porque é de vandalismo que se trata – até podem, trazer para a praça pública, o debate acerca das questões coloniais. Este é que não se pode fazer desta forma.

Referências:
Lalouette, J. (2018). Un peuple de statues: La célébration sculptée des grands hommes (1804-2018). Paris: Mare et Martin.
Vassakos, R. (2020, 5 jul.). «Les dénominations et les statues n’ont jamais été aussi politiques qu’aujourd’hui». Le Monde. Acedido em: https://www.lemonde.fr/idees/article/2020/07/05/les-denominations-et-les-statues-n-ont-jamais-ete-aussi-politiques-qu-aujourd-hui_6045245_3232.html

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "A queda das estátuas," in a.muse.arte , 2020/07/27, https://amusearte.hypotheses.org/6682.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.