Falcão, de herói a vilão

Em carta aberta ao diretor do Diário do Alentejo, assinada por Francisco Costa, faz-se o elogio de José António Falcão. Dele se diz, em síntese biográfica, que “recém-licenciado, foi especializar-se no estrangeiro, com uma das prestigiadas bolsas da Fundação Gulbenkian (difíceis de obter e, por isso, alvo de intenso escrutínio” que, regressado ao país, “a sua paixão pelo Alentejo […] viria a materializar-se numa série de iniciativas muito interessantes e que bastante contribuíram para modificar a perceção sobre a arte, a história e a identidade da região” (Costa, 2020, p. 3). Dele diz-se, ainda, que foi escolhido “para dirigir benevolamente, um organismo [Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja, DPHA] que, partindo do nada, recuperou mais de uma centena de edifícios e inúmeras obras de arte, documentos, livros, etc., sem que a diocese gastasse nisso mundos e fundos” (id., ibid.). Numa altura em que a diocese celebra os 250 anos da sua refundação, José António Falcão e os outros membros do departamento são referidos como “os grandes ausentes”. A carta faz eco dos encómios, prémios e distinções que o DPHA e o próprio José António Falcão recolheram até 2017, altura em que o DPHA foi extinto, causando alguma agitação entre aqueles que se diziam surpresos e os que insinuavam justificações sombrias – e, a este respeito vale a pena consultar ambas as entradas na Wikipédia, relativas ao Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja e a José António Falcão, o “depositário de notável cursos studiorum” que se tornou “o ‘Homem do Património’ no Sul de Portugal”, fazendo uma leitura atenta e crítica, das linhas às entrelinhas, naquilo que diz e naquilo que ignora.

Afinal, talvez não tenha sido exatamente assim.

Curiosamente – por coincidência, ou talvez não – no mesmo dia em que esta carta era publicada no Diário do Alentejo, o Público publicou um extenso artigo de investigação assinado por José António Cerejo. Se a carta é um texto emotivo (e subjetivo) na evocação saudosa do tempo em que Falcão dirigia o DPHA, o artigo de Cerejo expõe uma exaustiva sequência de factos, revelando um aturado trabalho de pesquisa e um amplo acesso a fontes, sem descurar o contraditório.

Expõe aquilo que de há muito, em certos meios, é dito entre portas e à boca fechada. Da formação académica (tem ou não tem o Doutoramento em Teoria e História da Arquitetura? – tal como antes se perguntava se já tinha a licenciatura), às dúvidas acerca da sua ligação institucional (era inventariante na dependência do IPPAR a trabalhar no Museu de Évora, conservador na Casa dos Patudos, colaborador do Museu  Calouste Gulbenkian enquanto exercia funções no DPHA), às insinuações relativas a atividades marginais à direção do DPHA e às adjudicações feitas às empresas que geria com a mulher e de que eram os únicos sócios, às dúvidas em relação aos restauros entregues à Sociedade Portuguesa para a Conservação e Restauro de Bens Culturais, uma dessas empresas, às alusões a património de que se perdia o rasto…

Aquilo que o artigo de Cerejo acrescenta são os montantes, aliás, tão substantivos como se suspeitava. Acrescenta, também, uma exaustiva descrição do percurso atribulado do projeto “Atlas do Património Religioso do Baixo Alentejo” para o inventário e divulgação dos edifícios religiosos e respetivos acervos existentes na diocese, anunciado como uma iniciativa pioneira de que resultaria a criação de um museu digital, financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) e por verbas da diocese e dos municípios envolvidos. E, sobretudo, acrescenta as razões que levaram à extinção do DPHA e ao afastamento de Falcão, materializadas na devolução, em 2017, e que nunca tinham sido divulgadas: o fracasso do projeto Atlas, obrigando à devolução do montante entretanto recebido (437.677 euros), em prestações pagas entre 2015 e 2016. Se a relação de confiança entre o bispo da Diocese, na altura D. António Vitalino Dantas, e António Falcão se deterioraram irremediavelmente ao longo deste processo, foi já o prelado que o sucedeu, D. João Marcos, quem assinou a extinção do DPHA, evitando justificar a decisão enquanto que se escudava atrás de uma declaração genérica de que se haviam alterado as condições que tinham presidido à sua criação e aludia a falhas no diálogo entre os responsáveis pelo Departamento e o clero e os seus diocesanos (cfr. “Bispo de Beja…”, 2017).

A extinção do DPHA e, consequentemente, o afastamento de José António Falcão provocou grande indignação pública (e, certamente, a calada satisfação de alguns). Em nota de imprensa divulgada pela deputada do PSD eleita por Beja, Nilza de Sena, lia-se que “Ninguém terá dúvidas do contributo significativo que este departamento deu para a afirmação da cultura, história e património locais” (cit. in “Nilza de Sena…”, 2017), ecoando um sentimento generalizado nos vários quadrantes da política local.

Na altura, José António Falcão continuava a ser um herói local, cuja glória aumentava por aquilo que se dizia ser uma ingratidão da diocese que parecia ignorar ou esquecer o extenso trabalho do DPHA no estudo e na divulgação do seu património.

Hoje, entre a Carta publicada no Diário do Alentejo e o artigo de Cerejo no Público, a opinião pública tende para este último e José António Falcão torna-se o vilão, mesma na boca daqueles que o elogiaram e defenderam em 2017.

Entre o herói e o vilão, ficaram as piadas acerca do seu currículo académico, as historietas que circulavam gerando dúvidas acerca de alguns procedimentos. Ouvi, apenas uma vez, há talvez mais de 20 anos, alguém a interpelá-lo diretamente e em público, numa reunião onde estava a hierarquia eclesiástica; ouvi depois a voz de um bispo, simultaneamente autoritária e apaziguadora, a dar razão inequívoca a quem o interpelara e a impor o silêncio ao interpelado.

No entanto, entre o herói e o vilão, ficou também obra feita: ótimas exposições, magníficos catálogos, estudos de referência para a investigação em iconografia religiosa, contributos para a análise da relação entre arte e liturgia.

No espaço que medeia entre o herói que era ainda em 2017 e o vilão em 2020, paira uma questão: porquê agora, três anos após o silêncio da diocese? Porquê, apenas agora? E não consigo deixar de pensar nalgumas circunstâncias que agitam o mundo dos museus e dos monumentos nacionais e outros. Sem que isso retire algum mérito ao inestimável trabalho jornalístico de José António Cerejo.

Referências:
Cerejo, J. A. (2020, 3 jul.). Projecto pioneiro não serviu para nada e custou meio milhão de euros à Diocese de Beja. Público. Disponível em https://www.publico.pt/2020/07/03/culturaipsilon/investigacao/projecto-pioneiro-nao-serviu-nada-custou-meio-milhao-euros-diocese-beja-1922831
Costa, F. (2020, 3 jul.). Carta aberta ao diretor. Diário do Alentejo, p. 3.
“Bispo de Beja extinguiu Departamento do Património”. (2017, 26 abr.). Correio Alentejo. Acedido em https://www.vozdaplanicie.pt/noticias/nilza-de-sena-lamenta-extincao-do-dpha-da-diocese-de-beja
“Nilza de Sena lamenta a extinção do DPHA”. (2017, 1 maio). Correio Alentejo. Acedido em https://www.vozdaplanicie.pt/noticias/nilza-de-sena-lamenta-extincao-do-dpha-da-diocese-de-beja


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.