De boas intenções estão muitos “restauros” cheios

Segundo as notícias, um colecionador de arte particular em Valência terá encomendado a limpeza de uma pintura da Imaculada Conceição a um restaurador de móveis pela quantia de 1.200€.

Imagem da cópia da Inmaculadas de Murillo pertencente ao colecionista valenciano antes (esquerda) e depois do restauro (direita)  Imagem processada a partir de EUROPA PRESS / ACRE

As imagens desta intervenção tornaram-se virais nas redes sociais, sublinhando as semelhanças com o famigerado Cristo de Borja que, há oito anos se tornou um fenómeno icónico e mediático. Tal como este que ficou conhecido como o Cristo-macaco, pelas feições de símio da figura restaurada, o rosto da Virgem ficou irreconhecível, apesar das novas e fracassadas tentativas de trazer a imagem ao seu estado original. Em Espanha, como por cá, são muitos os casos de intervenções de “restauro” por indivíduos sem formação que provocam danos irreversíveis. Apenas conhecemos os que são divulgados ou denunciados pela imprensa ou pelas redes sociais, causando indignação, mas também algum riso, diversão e curiosidade. Há o risco de que a divulgação massiva destas aberrações as transforme em arquétipo, no sentido em que a imagem, por repetida, se torna, comum, vulgar, redundando numa crescente empatia, geradora de sequentes reapropriações e reinterpretações, e, por isso ganhando uma individualização com valor icónico. A imagem da obra intervencionada tem sido posta a circular, lado a lado com aquela que parece ser o a cópia-“original”.

Imaculada Conceição, dita Imaculada do Escorial
Bartolomé Esteban Murillo, 1660-1665
Madrid, Museo del Prado

O verdadeiro original, conhecido como a Imaculada do Escorial, é uma pintura de grandes dimensões (206x144cm) a óleo sobre tela, pintada por Bartolomé Esteban Murillo. No entanto e apesar de não se encontrar exposta, encontra-se no Museu do Prado, em Madrid. O trabalho de restauro terá, assim, sido efetuado sobre uma suposta cópia desta obra feita em princípios do século passado. Isto motivou a desvalorização do ato – afinal, não foi sobre uma obra de Murillo! Menos grave, portanto.

Será menos grave, mas não deixa de o ser. A Asociación Profesional de Conservadores Restauradores de España (ACRE), ao mesmo tempo que divulga as imagens da cópia, antes e depois do restauro, refere-se-lhe como “la intervención en la supuesta copia de ‘La Inmaculada del Escorial’ de Murillo en València” (ACRE, 2020), uma vez que afirma desconhecer se a obra é uma cópia da obra de Murillo, bem como as identidades do colecionista e da pessoa que realizou a intervenção. No entanto, sublinha que, a confirmar-se, o dito “restauro” provocou a perda de um bem cultural, na sequência de uma série de atos desastrosos que têm vindo a desfigurar e a danificar uma série de obras de arte. E, nesse sentido, poderiam ter uma benéfica função de sensibilização pedagógica, mostrando a importância dos conservadores-restauradores e a obrigatoriedade de apenas confiar o restauro das obras de arte a estes profissionais credenciados.

No entanto, estas ocorrências revelam o amadorismo (ou, pelo menos, o facilitismo) de alguns proprietários ou de algumas tutelas, que entregam o restauro a indivíduos sem formação especializada neste domínio, pela contrapartida de orçamentos mais acessíveis ou de prazos mais curtos. Quem não conhece exemplos deste tipo? Quem não assistiu à renovação purpurinada de retábulos de talha dourada? Ao revestimento de pedras com cimento? À maquilhagem e manicura de santos e santos? Às carnações de cores sólidas e uniformes? À descaraterização e à destruição de estruturas, de imaginária, de mobiliário? Porque são processos mais rápidos, mais baratos e mais imediatos, do que se for necessário encontrar especialistas, aguardar a sua disponibilidade e justificar orçamentos eventualmente superiores. Porque genericamente agradam às populações e adaptam-se aos ritmos da fruição local. E, por isso, mas também, porque os programas escolares descuram a educação artística e estética. E porque a sensibilização, afinal, não tem sido eficaz.

Referência:
ACRE. (2020, 23 jun.). Comunicado de ACRE por la intervención en la supuesta copia de ‘La Inmaculada del Escorial’ de Murillo en València. Disponível em: https://asociacion-acre.org/wp-content/uploads/ComunicadoOficialIntervencio%CC%81nCopiaMurillo1.pdf


Um comentário em “De boas intenções estão muitos “restauros” cheios”

  1. Tudo isto soa-me um tanto quanto estranho. Todo este ruído por uma história ainda muito mal contada. Primeiro era uma obra de Murillo, depois uma cópia, após um primeiro “restauro” (porque nunca assim pode ser designada a borrada) um pedido de melhoramento ou rectificação do primeira porcaria, daí duas imagens, o anonimato do encomendante e do “artista”, etc..
    Cheira-me a manobra para chamar a atenção do problema que, de facto é real e, desse ponto de vista, é louvável, na medida em que pode iluminar mentalidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.