Padre António Vieira: a destruição do indestrutível

“O homem é o indestrutível e que no entanto pode ser destruído.”
Maurice Blanchot 1

Padre António Vieira
Marco Fidalgo, 2017
Lisboa, Largo Trindade Coelho

Pode, ou não, gostar-se da estátua em bronze do padre António Vieira (1608-1697), da autoria de Marco Fidalgo, inaugurada em 2017, no Largo Trindade Coelho, em Lisboa, fronteiro à igreja jesuítica de S. Roque e complexo residencial da antiga Casa Professa da Companhia de Jesus. A escultura, representa o padre António Vieira, rodeado por três crianças índias, erguendo a mão esquerda com o crucifixo, enquanto a direita pousa no ombro de um dos meninos.

Celeberr[im]us P. Antonius Vieyra Soc. Iesu […]
Carlo Grandi, 1742
In: Barros, 1746
O conjunto reflete a composição da gravura de Carlo Grandi (1729-1767), datada de 1742 e publicada na Vida do Apostolico Padre Antonio Vieyra de André de Barros, publicada em 17462 e que se tornou num dos seus principais modelos iconográficos. O padre António Vieira, de sotaina e solidéu, com um crucifixo ao peito, está de pé em atitude de pregação, com a mão direita erguida e o indicador a apontar para o alto. Está ladeado por dois índios ajoelhados: à sua direita, um índio com toucado de penas, de braços cruzados sobre o peito, ergue o olhar que se fixa no pregador, com a aljava deposta no chão, ao lado; à sua esquerda, um índio sem toucado deixa que Vieira se apoie nele, com a mão esquerda a agarrar-lhe o ombro. Pode, também, dizer-se que esta é a visão de um italiano, pouco posterior a Vieira, e que está é uma representação convencional e que servia a propaganda da submissão pacífica do índio face à civilização europeia e à evangelização cristã. Pode até dizer-se que “a centralidade do pregador é um recurso tão evidente quanto eficaz, em boa parte tributário das narrativas de missionação (cartas, crónicas, martiriológios) diligentemente promovidas e cultivadas pela Companhia de Jesus” (Ventura, 2013, p. 12).

Porém, não se pode negar a excelência da sua escrita ou da capacidade discursiva da sua parenética que ainda hoje lemos, com o espanto da lucidez e perspicácia que a mantém numa surpreendente atualidade e que levou Fernando Pessoa a aclamá-lo como “imperador da língua portuguesa”.

Nem se pode negar o pioneirismo de algumas das suas posições políticas e sociais na defesa do índio brasileiro. Durante a sua segunda viagem ao Brasil, entre 1652 e 1654, Vieira contactou com a realidade do Maranhão e, no seu regresso a Lisboa diligenciou por uma nova lei respeitante à condição dos índios e lutou pela sua aplicação efetiva junto da corte e do Conselho Ultramarino durante os três anos da sua estadia. Também aqui, pode subentender-se os interesses da Companhia de Jesus em manter a posição alcançada na região. De regresso ao Maranhão, em 1658, escreveu O Regulamento das Aldeias (1658-1660), também conhecido como Visita, onde descrevia “uma espécie de utopia de sua ética cristã” (Maia, 2008, p. 199), e conseguiu manter a sua visão e os seus propósitos nas reduções, designação dada às missões jesuíticas no Brasil e no resto da América colonial. Estas reduções atestam a forma diferenciada como os jesuítas tratavam os índios do Brasil, enfrentando a aposição, não só dos colonos e da Coroa, como da própria hierarquia eclesiástica, o que justifica a revolta dos povos do Maranhão e do Pará logo no início da década de 1661 e que culminou com a expulsão de Vieira para a Metrópole em 1654.

António Vieira manteve a defesa dos índios até ao final da vida.

Em 1694, num texto conclusivo em que estende as suas reflexões aos índios de estende a sua reflexão sobre os direitos dos índios à Capitania de São Paulo, recuperando os argumentos formulados havia quatro décadas acerca da realidade no Maranhão, como uma súmula que, de resto, aplicava a todo o território colonial:

São pois os ditos índios aqueles que, vivendo livres e senhores naturais das suas terras, foram arrancados delas por uma violência e tirania e trazidos em ferros com a crueldade que o mundo sabe, morrendo natural e violentamente muitos nos caminhos de muitas léguas até chegarem às terras de S. Paulo, onde os moradores delas (que daqui por diante chamaremos paulistas) ou os vendiam, ou se serviam e se servem deles como escravos. Esta é a justiça, esta a miséria, este o estado presente e isto o que são os índios de São Paulo. (transcrição de Vieira, 1694, pp. 143-144)

Escultura vandalizada
Junho 2020 Foto: CM

Também aqui, pode argumentar-se que defendeu os índios do Brasil, mas não o fez com os escravos que eram levados de África. Mas nem isso é totalmente verdade.

Recorrendo à comparação como figura de retórica, a escravidão do negro africano é o dos sermões XIV, XX e XXVII do corpus do Sermão Vigésimo do Rosário, fazendo-a corresponder à Paixão de Cristo:

Em um engenho sois imitadores de Cristo crucificado: porque padeceis em um modo muito semelhante o que o mesmo Senhor padeceu na cruz, e em toda a sua paixão. A sua cruz foi composta de dois madeiros, e a vossa em um engenho é de três. Também ali não faltaram as canas, porque duas vezes entraram na Paixão: uma vez servindo para o cetro do escárnio, e outra vez para a esponja em que lhe deram o fel. A paixão de Cristo parte foi de noite sem dormir, parte foi de dia sem descansar, e tais são as vossas noites e os vossos dias. Cristo despido, e vós despidos: Cristo sem comer, e vós famintos. Cristo em tudo maltratado, e vós maltratados em tudo. (Vieira, 1959, pp.305-306)

Além disso, estabelece a antinomia com os senhores do engenho, numa evidente crítica social:

Eles mandam e vós servis; eles dormem e vós velais; eles descansam e vós trabalhais; eles gozam o fruto de vossos trabalhos, e o que vós colheis deles é um trabalho sobre outro. Não há trabalhos mais doces que o das vossas oficinas; mas toda essa doçura para quem é? Sois como abelhas de quem disse o poeta: Sic vos non vobis mellificatis apes. O mesmo passa nas vossas colmeias. As abelhas fabricam o mel, sim; mas não para si. (Id., p. 315)

Vandalizar a estátua, tingindo-a de vermelho e escrever “Descoloniza” no pedestal só revela a mais insensata e leviana ignorância, porque o padre António Vieira foi. precisamente, um pioneiro na condenação da escravatura.

Mercado de Escravos: entrada vandalizada
Lagos, junho 2020
Foto: FB / Elena Morán

Da mesma forma que, em Lagos, vandalizaram a entrada do Mercado de Escravos, um núcleo museológico que trata o tema numa narrativa descolonizada (vd, Roque, 2016). É, também, uma ignorância perigosa, porque estes atos se transformam em bandeiras com aproveitamos políticos extremistas. Porque esta iconoclastia já não é uma luta contra o racismo, contra a xenofobia, contra a injustiça e a desigualdade, mas a violência de uns energúmenos cuja causa é apenas isso, a raiva que alastra como um rastilho de pólvora.

Referências:
Barros, A. (1746). Vida do Apostolico Padre Antonio Vieyra. Lisboa: na nova Officina Sylviana.
Maia, L. O. (2008). Regulamentos das aldeias: Da Missio ideal às experiências coloniais. Outros Tempos, 5(6), 186-201. DOI: http://dx.doi.org/10.18817/ot.v5i6.213
Roque, M. I. (2016, 16 jun.). Museologia e tecnologia digital na Rota da Escravatura. In a.muse.arte. Disponível em https://amusearte.hypotheses.org/1369
Ventura, R. (2013). Introdução. In J. E. Franco & P. Calafate (dir.), Padre António. Vieira: Escritos sobre os índios (pp. 9-47). [S.l.]: Círculo de Leitores.
Vieira, A. (1694).  Voto sobre as dúvidas dos moradores de São Paulo acerca da administração dos índios. Disponível em http://docvirt.com/Hotpage/Hotpage.aspx?bib=LIVROSSP&pagfis=11046&url=http://docvirt.com/docreader.net#
Vieira, A. (1959). Sermões. Porto: Lello

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Padre António Vieira: a destruição do indestrutível," in a.muse.arte , 2020/06/12, https://amusearte.hypotheses.org/6613.
  1. In:  Blanchot, M. (2007). A conversa infinita (v. 1, p. 80). A experiência limite. Paulo: Escuta. []
  2. Exemplar existente na Biblioteca Nacional de Portugal, H.G. 1357 V. []

2 comentários em “Padre António Vieira: a destruição do indestrutível”

  1. O vândalo, afinal, foi um menino muito bem comportado da Nova Ordem Social, grupo neo-nazi liderado por Mário Machado, apoiante do Chega.
    Mas continuem a culpar uma agenda inexistente.

  2. Artigo muito bom e oportuno! Ao colonialismo, ao racismo e à escravatura oficial segue-se agora o vandalismo intolerante que quer apagar os ensinamentos positivos e negativos do passado usando da violência. É a luta programada e mantida na agenda actual contra a cultura ocidental! OS VÂNDALOS MODERNOS DERRUBAM ESTÁTUAS PARA SE COLOCAREM NOS SEUS PEDESTAIS!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.