In memoriam George Floyd: arte de rua

O funeral de George Floyd, asfixiado pela força de um joelho sobre o pescoço, num ato de violência policial no passado dia 25 de maio, é hoje, 9 de junho. Ao longo destas duas semanas, George Floyd tornou-se o símbolo da luta contra o racismo e a discriminação, gerando um movimento de repúdio e revolta por todo o mundo. A par das manifestações organizadas pelo movimento Black Lives Matter que, no passado fim de semana, vandalizaram monumentos relacionados com o passado esclavagista ou com políticas opressoras das populações não-brancas (vd. Roque, 2020).

The Tragic Killing of George Floyd | Jewish Federation of Greater ...
Mural George Floyd
Xena Goldman, Cadex Herrera, Greta McLain, Niko Alexander e Pablo Hernandez, 2020
Minneapolis
Foto: Lorie Shaull

Enquanto os (anti-)heróis são derrubados, outro surge. A efígie de George Floyd cria uma iconografia de arte de rua, como um tributo que perpetua o sentido da sua morte. No local onde foi detido, rodeado por uma profusão de cartas, cartazes e flores, os artistas Xena Goldman, Cadex Herrera, Greta McLain, Niko Alexander e Pablo Hernandez criaram um painel onde o busto de George Floyd se sobrepõe a um enorme girassol, cujo centro é preenchido com os nomes de outros homens e mulheres negros mortos pela polícia dos EUA. Ao centro, no registo inferior, sobre o peito de Floyd, lê-se: “I can breath now”, em oposição ao seu grito moribundo: “I can’t breathe”.

Se, enquanto morria, esse grito a pedir auxílio não foi ouvido, ecoa hoje por todo o mundo.

George Floyd race riots: Don't turn Floyd into a martyr, he was a ...
George Floyd
Akse-P19, 2020
Manchester
Foto: Paul Ellis / AFP

Em Manchester, no Reino Unido, o artista Akse-P19 retratou George Floyd no Stephenson Square. Sem qualquer texto para lá da sua assinatura, na publicação da obra no Instagram o artista relembra que, em 1860, Manchester era conhecida como Cottonopolis, dado que a cidade importava cerca de três quartos de toda a produção algodoeira das plantações do sul dos Estados Unidos, mas que os operários se recusaram, com grande sacrifício pessoal, a trabalhar o algodão cru colhido pelos escravos. A obra de Akse-P19 transformou-se num memorial, onde são colocados cartazes e flores.

File:Wandbild Portrait George Floyd von Eme Street Art im ...
George Floyd
Eme Freethinker, 2020
Berlim
Foto: Singlespeedfahrer

Em Berlim, no Mauerpark (Parque do Muro) que fazia parte da faixa entre duas Alemanhas conhecida como a “faixa da morte”, o grafiteiro Eme Freethinker pintou o rosto de Floyd, contornado por uma fina linha branca que o destaca sobre o fundo cinza. Ao lado, em letras amarelas e vermelhas, mais uma vez, a legenda “I can’t breathe”.

Imagem
George Floyd
Mr. Detail Seven, 2020
Nairobi
Foto: https://twitter.com/Detailseven7

Também o artista queniano Mr. Detail Seven pintou no bairro pobre de Kibera, em Nairobi, o rosto de Floyd, mais esquematizado e sobreposto a um padrão étnico em tons terrosos, tendo ao lado, em gramdes letras amarelas a palavra “Haki” que significa justiça.

FOTO L'artista TVBoy homenatja George Floyd i denuncia el racisme ...
Stop Racism
TV Boy, 2020
Barcelona
Foto: ACN

O artista italiano TV Boy criou no El Born Centre de Cultura i Memòria, em Barcelona um retrato de Floyd alado, numa caraterização entre o anjo da guarda e o super-herói, segurando um sinal de trânsito Stop aliado à palavra “racismo” e à legenda “In memory of George Floyd”.

George Floyd
Aziz Asmar e Anis Hamdoun, 2020
Bunche
Foto: Ghaith Alsayed

Pelo contexto em que se insere, uma das mais comoventes é a obra dos artistas sírios Aziz Asmar e Anis Hamdoun, que retrataram George Floyd, com as legendas “No racismo” e I can’t breath”, numa parede ainda erguida na cidade de Bunche, na província de Idlib, no noroeste da Síria, destruída pelos ataques aéreos.

A imagem pode conter: ar livre

Archives annuelles : 2020 - Framablog
Homenagem a George Floyd
Itvan K, 2020
Nantes
Foto: Facebook Nantes Révoltée

À entrada do Jardin Extradordinaire em Nantes, a referência a Floyd, num trabalho de Itvan K, do coletivo Black Lines, conhecido pelos murais contra a violência policial, deixa de ser literal, passando a ser evocado através da expressão “laissez-nous respirer” inserida numa tarja à frente de dois indivíduos, um com uma máscara sanitária que evoca a pandemia, o outro com uma máscara para ambientes tóxicos, numa referência aos ataques policiais e militares, enquadrando a terceira figura, numa composição triangular, ao centro e mais elevada, a falar por um megafone e com a inscrição “Black live matter” na camisola. Em torno, cenas de violência policial.

r/nextfuckinglevel - This piece of street art in Paris, France by Ardif.
‘I Can’t Breath’
Ardif, 2020
Paris

Numa síntese da contemporaneidade, o artista francês Ardif fez um mural com colagens, representando dois pulmões com as palavras ‘I Can’t Breath’, numa alusão direta a  George Floyd , mas também em sinal de solidariedade com os pacientes de Covid hospitalizados com problemas respiratórios e aos australianos atingidos pelos incêndios na Austrália.

العلوية زهراء الحسينيHD's tweet - "روتولي اكو تنافس بيني وبين وحده ...
Homenagem a George Floyd
Banksy, 2020
Nantes
Foto: instagram.com/banksy/

O artista de rua britânico Banksy postou uma nova obra de arte em seu perfil do Instagram no sábado, 6 de junho, acompanhado por algumas frases. Em sua foto, vemos o desenho de um retrato de uma silhueta negra cercada por uma vela, que começa a acender a bandeira dos Estados Unidos, primeiro em close-up, depois de mais longe. Completou com a imagem de um texto escrito em maiúsculas brancas sobre um fundo negro uniforme, onde confessa que, a princípio, achou que não devia manifestar-se e limitar-se a escutar o que os negros diziam acerca desta problema, para concluir que “It’s not their problema. It’s mine”.

Está justificada esta corrente de manifestações e homenagens a George Floyd: o racismo é um problema de todos nós.



Citar este post
Maria Isabel Roque (2020, 9 Junho). In memoriam George Floyd: arte de rua. a.muse.arte. Recuperado em 24 de Abril de 2024, de https://doi.org/10.58079/b52s

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search