Retomar a vida nos museus: preparação para a reabertura

Estamos a poucos dias da anunciada abertura dos museus. Através das redes sociais, vamos sabendo que uns irão abrir, outros não, alguns talvez. Entre os que vão abrir, há aqueles que anunciam a forma como projetam adaptar-se à nova normalidade, garantindo a manutenção de medidas sanitárias adequadas a funcionários e visitantes.

A Geral do Património Cultural (DGPC) publicou o plano operacional Medidas, orientações e recomendações: Património cultural em seguro regresso, destinado a todos os serviços dependentes e, onde, de forma dispersa, se encontram indicações relativas ao funcionamento dos espaços museológicos.

Nos espaços de livre acesso, deve ser implementado um sistema que permita controlar a respetiva lotação, equacionando a possibilidade de alterar o percurso ou de encerrar partes do circuito para contabilizar e limitar o número de visitantes, bem como para garantir as condições de higiene e saúde definidas pela Direção-Geral de Saúde, devendo os visitantes ser avisados dessas contingências antes de adquirirem os bilhetes de ingresso. Antes de adquirir o bilhete de ingresso, cada visitante deverá ser avisado do tempo máximo da visita permitido, o qual é definido pelo diretor de cada instituição. Os equipamentos interativos devem ser reduzidos para minimizar pontos de concentração de visitantes

Para lá das recomendações gerais de afastamento social, do uso de máscara e higienização, as condições impostas aos visitantes são muito restritivas e impõem uma área mínima de 20m2 por visitante. Por isso, é aconselhável a aquisição de ingressos em linha, sendo expetável que esta seja uma forma de regular o afluxo de visitas.

O texto da DGPC, centrado em normas restritivas de conduta, coercivas do comportamento do visitante, suscita a questão, cada vez mais imperiosa, à medida que se prossegue a leitura: vale a pena? vale a pena o esforço de abrir as portas e destacar a guardaria para vigiar o percurso de uns quantos, muito poucos, visitantes? valerá a pena tudo isso apenas para dar a ideia de que estamos a voltar a uma normalidade, perdida e impossível de recuperar? Talvez estas questões ficassem esclarecidas se tivesse havido um texto mais centrado nos museus, um projeto que definisse a sua função e orientasse a sua ação nestas circunstâncias tão particulares. Talvez, também, se tivesse convocado as associações profissionais, predispondo-se a identificar os riscos e a definir estratégias com os agentes em ação no terreno.

Desde finais de abril, a Associação Portuguesa de Museologia (APOM) vinha a insistir na necessidade de promulgação de medidas que regulassem a (re)abertura dos museus, em cartas dirigidas à Ministra da Cultura e ao Primeiro Ministro, salientando, nesta última, que a data do Dia Internacional dos Museus “não deva corresponder apenas a uma ocasião celebrativa, mas outrossim ao assinalar de um esclarecimento público propiciador do regresso dos visitantes”. Na carta à Ministra, mais circunstanciada, defendia o reforço da limpeza e da higienização, a introdução de barreiras ou acrílicos protetores nos espaços de atendimento, o uso de máscaras e luvas no manuseamento de sistemas tecnológicos interativos, novas modalidades de marcação de visitas e controlo dos visitantes, sugerindo a encerramento de espaços, por decisão dos diretores das instituições, para garantir a segurança e a saúde dos visitantes. Em certa medida, as sugestões da APOM estão refletidas no texto da DGPC.

No entanto, a APOM ia mais longe e requeria a continuação dos projetos de investigação, exposição, conservação e divulgação, cumprindo os compromissos assumidos com outras entidades, pedia medidas solidárias nomeadamente no alargamento dos prazos de pagamento das despesas correntes e denunciava a frágil situação dos monitores e outros colaboradores a recibo verde.

O Comité Nacional Português do Conselho Internacional de Museus (ICOM) publicou 25 Recomendações para a reabertura dos museus, considerando que a prioridade é, neste momento, garantir o menor risco de contágio para funcionários e visitantes. Sobre o texto da DGPC, este tem a vantagem de ser mais sistemático, com a informação organizada de forma mais acessível, mas também mais abrangente.

Mantendo as regras gerais, o texto do ICOM é feito ‘para’ museus, com algumas orientações programáticas, propondo o planeamento de “novas programações expositivas, educativas e culturais, destinadas a públicos mais reduzidos”, articulando “a programação digital com a dimensão sensorial da programação, aprofundando metodologias e recursos de forma criativa e sustentável”, bem como o reforço do diálogo as tutelas, com outros museus e “com as comunidades locais, juntas de freguesia, agentes comerciais, associações de moradores e culturais, escolas e outras instituições de ensino, através da promoção de projetos e atividades criativos e sustentáveis”.

A APOM e o ICOM mostraram-se à altura desta situação. A DGPC, nem tanto.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Retomar a vida nos museus: preparação para a reabertura," in a.muse.arte , 2020/05/14, https://amusearte.hypotheses.org/6522.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.