Manifestação de repúdio

O blogue ArtsHumsdigit define, como objetivo “Agregar e disponibilizar informação relativa às Artes, Humanidades e Ciências Sociais”. Não é assinado, nem é percetível quem alimenta os conteúdos, quem seleciona a informação, ou quem a publica.

Se o objetivo é louvável, o método é deplorável. O blogue, em vez de fazer uma resenha ou uma citação de conteúdos publicados noutros espaços, para os quais incluiria a respetiva ligação, copia integralmente o conteúdo (texto e imagem) e atribui-lhe outro endereço eletrónico. Não será plágio, no sentido restrito do termo, porque indica, como “fonte”, o título do sítio onde foi originalmente publicado. Porém, equivale a plágio dado que se apropria integralmente de conteúdos produzidos por outrem, a que acresce o facto de não indicar a respetiva autoria, nem fazer pingback1.

Quando criei este blogue e de cada vez que aí publico algo, é com a intenção algo narcisista de dar a conhecer o que escrevo. É um trabalho, talvez sem préstimo, e sem remuneração. É um trabalho voluntário e pro bono, mas que permite exprimir-me com total liberdade e independência e, sobretudo, que me dá a satisfação de comunicar e de receber o retorno de quem lê, de quem concorda ou discorda, umas vezes, reforçando as minhas convicções, outras vezes, levando-me a mudar de opinião.

Quando publico algo, o conteúdo fica em domínio público; o blogue que criei está instalado numa plataforma em acesso aberto. Isso não significa que a publicação perca a autoria, como, aliás, está definido na referência feita na página de entrada do blogue à licença Creative Commons (CC BY-NCSA). Louvo a intenção de “agregar e disponibilizar informação”, mas condeno a apropriação abusiva da autoridade. Por isso – e porque aqui me exprimo livremente – manifesto o meu total repúdio pela forma abusiva com que o ArtsHumsdigit tem vindo a apropriar-se de grande parte dos conteúdos do a-muse-arte. Repito: se o objetivo é louvável, o método é deplorável, porque pouco ético.

Imagem: Domesticando a Tarasque, por Jean Poyer, c. 1500. In Livro de Horas de Henrique VIII. The Morgan Library & Museum, Gift of the Heineman Foundation, 1977, MS H.8 (fol. 191v

  1. Posso referir, a este propósito e como exemplo de boa prática, o blogue da Universidade de Évora “Narrativas de uma pandemia”, criado no contexto do Covid 19, com o objetivo de recolher conteúdos produzidos pelos respetivos investigadores a propósito desta situação. Apesar de ser aí investigadora, foi-me pedida a autorização para a republicação e o texto é reproduzido com menção correta e legível, quer da autoria, quer do sítio original da publicação []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.