Covid 19: ponto de viragem para o museu do futuro?

A crise fechou os museus e cancelou a agenda das exposições programadas para este ano, enquanto que outras, entretanto encerradas, mantêm as peças cedidas à espera de poder voltar aos locais de origem, num imbróglio de seguros1. Face a tudo isto, os museus encontraram na internet uma forma de se manter ativos e a comunicar com os seus públicos.

Se, até agora, apenas alguns museus investiam na comunicação virtual e a maioria se limitava à criação de um sítio eletrónico, com informação básica, e a uma presença mais ou menos regular nas redes sociais para divulgar eventos, e poucos arriscavam participações em projetos académicos experimentais e sem continuidade, a crise forçou a maior parte dos museus a repensar as tecnologias da informação e da comunicação como instrumento e estratégia fulcrais para a ação museológica.

Enquanto que o espaço físico está encerrado e o acesso direto é inviável, a atividade quotidiana processa-se no espaço virtual e o visitante acede-lhe remotamente. Noutros moldes, necessariamente, mesmo que as visitas registadas em vídeo sejam plasmadas do modelo das visitas guiadas convencionais, mas, eventualmente, permitindo o acesso aos bastidores da exposição, às áreas de acesso restrito, como as reservas, e às atividades menos visíveis, como a preservação e o restauro. Como afirmou Ernesto Ottone Ramírez, diretor-geral adjunto de Cultura da UNESCO:

Os museus são mais do que apenas lugares onde o patrimônio da humanidade é preservado e promovido […]. Eles também são espaços essenciais para educação, inspiração e diálogo. Numa época em que bilhões de pessoas em todo o mundo se separam umas das outras, os museus podem nos unir. (Ottone, cit. in UNESCO, 2020)

Mesmo os museus mais modestos ensaiam a produção de conteúdos digitais e a sua promoção nas redes sociais. Os recursos técnicos exigidos são rudimentares e ao alcance de todos: um dispositivo móvel com câmara e acesso à internet. A facilidade pode ser enganadora, porque a produção de conteúdos de qualidade implica um trabalho de investigação e, portanto, de recolha, seleção, processamento e organização dos dados. Mas é, igualmente, compensadora, quando permite a visibilidade de um trabalho que é feito na obscuridade. É possível conjeturar que esta adesão à tecnologia digital quebre as barreiras da desconfiança e crie o hábito de novas formas de comunicação e transmissão do conhecimento como parte integrante da ação museológica.

Por ser turno, o público, confinado em casa, adere a estas iniciativas numa estratégia de fuga à ansiedade do isolamento e à angústia provocada pelas notícias de doença e morte. Vai a museus aonde nunca tinha ido, ou visita-os de uma forma diferente, reinventa percursos, observa as obras e procura leituras que lhes conferem sentido. Tal como tem tempo para assistir a óperas, concertos e bailados, tem tempo para visitar museus e parar na observação das peças expostas, como uma alternativa ao isolamento e uma ocupação do tempo que parece sobrar.

Preconiza-se que esta forma de ver eduque o olhar e que, quando for possível, voltar ao museu o reencontro com as peças expostas seja uma experiência emotiva de reencontro com aquilo que já se conhece. E, porque o conhecimento é apropriação, o sentimento de pertença trará efetivamente, o indivíduo para dentro do museu.

O museu é uma instituição, no sentido literal de conceito instituído ao longo de mais de dois séculos de existência. As funções patrimoniais (gerir, conservar, estudar, expor e comunicar o património, nas suas vertentes tangíveis e intangíveis) sedimentaram-se e, em rigor, não estão a ser substantivamente alteradas pela crise, embora se reconheça a necessidade de ajustes pontuais em função das circunstâncias. Há uma continuidade percetível na forma como os museus se reajustam às contingências o que faz supor que, quando tudo isto acabar, possam retomar a atividade nos mesmos moldes que antes, mas numa versão atualizada e melhorada, adequando-se às necessidades, exigências e competências da sociedade contemporânea.

Esta é uma visão otimista e idílica em situação de crise. A realidade tem um lado negativo e obscuro, ainda escassamente compreendido na sua dimensão, e cujo impacto é difícil de prever. Depois de uma realidade fraturante como esta que estamos a viver, nada poderá voltar a ser exatamente como antes e, a par de alguns indícios positivos, há sinais preocupantes. Um estudo levado a cabo pela NEMO – The Network of European Museum Organisations (Rede Europeia de Organizações de Museus), até ao passado dia 3 de abril, com uma amostra de 650 museus de 41 países2, revela que os impactos da crise estão a atingir severamente os museus europeus. O encerramento acarretou uma avultada perda de receitas provenientes de ingressos, lojas, restauração e outros serviços. Os principais museus, situados em áreas turísticas, registam perdas entre 75 e 80%, totalizando centenas de milhares de euros, enquanto que 5% registam perdas de 50.000€/semana, 13% perdem 30.000€/semana e 25% perdem acima de 5000€/semana (NEMO, 2020, p. 2). Dos museus respondentes, a maioria (70%) não despediu funcionários, mas admite ter alterado as tarefas desempenhadas para as adequar às necessidades (Id., ibid., p. 3), tendo suspendido os contratos com freelancers e interrompido os programas de voluntariado. Em oito países, não identificados, está em vigor um fundo de emergência, enquanto que em quinze outros, os museus estão em negociações para aceder a um fundo de emergência.

No resto do mundo, o panorama não será muito diferente. Estima-se que 90% dos aproximadamente 60.000 museus do mundo estejam numa situação de encerramento total, parcial ou eventual (UNESCO, 2020). Cerca de 1/3 dos museus dos EUA podem não voltar a abrir, como adverte a AAM – American Alliance of Museums (Aliança Americana de Museus), citada na declaração do ICOM acerca do impacto da crise e da necessidade de libertar fundos para museus (ICOM, 2020).

Qualquer que seja a dimensão, tutela, receitas, apoios, tipologia, ou localização, todos os museus enfrentam problemas relacionados com a segurança das coleções3, a proteção dos funcionários face à pandemia e a garantia da sua situação laboral e, também, com a continuidade do seu papel na comunidade.

Mesmo depois do período de confinamento, a recuperação não será fácil, nem rápida.

Não é possível prever quando será possível reabrir os museus, mesmo que alguns países tenham começado a abrandar as medidas do estado de emergência. Em contrapartida, pode admitir-se como certas algumas medidas que irão influenciar o acesso ao museu. Considerando a forma como, no século passado, as epidemias e as infeções virais e transmissíveis, alteraram os padrões de comportamento e os requisitos sanitários dos espaços públicos e privados, é provável que as medidas de prevenção do Covid 19 se mantenham ativas a longo prazo. A desinfeção dos espaços (e das obras expostas?), a etiqueta respiratória e o distanciamento social de segurança irão contribuir para um ambiente mais saudável no interior do museu e para um maior conforto na visita. O distanciamento social, ao limitar o número de indivíduos nos espaços internos e limítrofes do museu, irá restringir as entradas. Um artigo no El Pais afirma: “El museo del futuro se despide de las exposiciones de masas” (Riaño, 2020).

Se, por um lado, isso poderá resolver o problema dos museus superpovoados e, por conseguinte, o incómodo provocado pelas multidões acumuladas junto a determinadas obras, por outro lado, também implica uma significativa diminuição das receitas. Os indicadores na avaliação da frequência ao museu passarão a ser de ordem qualitativa (a satisfação do visitante), substituindo a habitual ordem quantitativa (o número de visitantes). Enquanto que alguns se alegram com a perspetiva de reencontrar, no museu, um espaço de contemplação, ao ritmo da vontade de ver, sem a pressão e o ruído dos grupos que se apressam e aglomeram, outros e, nestes, a maioria dos profissionais de museu, inquietam-se com a gestão dos ingressos e das visitas: como e quando limitar as entradas; como gerir as visitas de grupos; como evitar a tendência para a aglomeração em determinadas salas.

A inquietação é maior se se confirmar a previsão pessimista de que levará muito tempo a desanuviar-se o medo dos ajuntamentos e da permanência em espaços públicos, afastando o público do museu. Segundo María López-Fanjul, conservadora nos Staatliche Museen zu Berlin (Museus Nacionais de Berlim), “Llevará un tiempo convencerlo de que acepte encerrarse durante dos horas en un espacio junto a gran número de gente” (López-Fanjul cit. In Riaño, 2020). A isto, acresce a previsível (e recomendada) diminuição das viagens internacionais, reduzindo a presença de turistas estrangeiros nos museus.

Mesmo que as perspetivas mais pessimistas não venham a confirmar-se, a diminuição do número de visitantes nos museus configura-se inevitável. A diminuição de receitas daí decorrente terá um impacto sério na gestão dos museus e, portanto, na sua programação. É provável que as exposições temporárias, envolvendo empréstimos internacionais, diminuam consideravelmente. É previsível que os trabalhadores temporários, os bolseiros, os serviços eventuais venham a ser dispensados. A principal incógnita, neste momento, é a forma como cada museu irá equacionar as suas funções numa conjuntura de recessão económica: irá valorizar a conservação e segurança das coleções, centrando-se no objeto, ou a exposição e comunicação, centrando-se no sujeito-visitante?

Estima-se que, neste ambiente de dúvidas e incertezas, os profissionais e investigadores em museologia estejam a refletir acerca do futuro do museu, considerando e avaliando todas as formas de se reinventar no pós-Covid-19. Os públicos serão diferentes; os espaços e as exposições também não serão os mesmos. “The cultural sector, fiercely affected by the lockdown of museums, libraries, cinemas, theatres and others, will face losses that can permanently ruin the cultural landscape of entire communities and countries” (ICOM, 2020). Além disso, ninguém parece querer voltar à “normalidade” do antes.

O que permanece é o património e isso, nesta altura, permite uma apaziguadora sensação de segurança e continuidade. O objeto do museu e o conhecimento que lhe está associado são marcas identitárias que o museu tem a obrigação de esclarecer e transmitir, reforçando a sua função na comunidade. Este deveria constituir o eixo da transformação que se anuncia, repensando a relação entre o museu e os públicos e a comunicação entre ambos (vd.: Raposo, 2020; Roque, 2020). Ou irá perder-se a oportunidade de ajustar o museu às novas circunstâncias, cristalizando-o em formalismos arcaicos cada vez mais desadequados?

Referências bibliográficas:
ICOM. (2020, 2 abr.). Statement on the necessity for relief funds for museums during the COVID-19 crisis. ICOM (sítio eletrónico institucional). Acedido em https://icom.museum/en/news/statement-on-the-necessity-for-relief-funds-for-museums-during-the-covid-19-crisis/
NEMO. (2020, 7 abr.). Survey on the impact of the COVID-19 situation on museums in Europe. NEMO (sítio eletrónico institucional). Acedido em https://www.ne-mo.org/fileadmin/Dateien/public/NEMO_documents/NEMO_Corona_Survey_Results_6_4_20.pdf
Raposo, L. (2020, 13 abr.). Os museus e o património cultural antes, durante e depois da pandemia de Covid-19. In Patrimonio.pt (blogue). Acedido em https://www.patrimonio.pt/post/os-museus-e-o-patrim%C3%B3nio-cultural-antes-durante-e-depois-da-pandemia-de-covid-19
Riaño, P. H. (2020, 13 abr.). El museo del futuro se despide de las exposiciones de masas. El País. Acedido em https://elpais.com/cultura/2020-04-13/el-museo-del-futuro-se-despide-de-las-exposiciones-de-masas.html?fbclid=IwAR3nNN65s1VJL-isz-02JaSHiz5ECpGfh_D9JZrIBE_McadZr5dwr9oV3ok
Roque, M. I. R. (2020, 7 abr.). Repensar o museu em tempo de pandemia, In A-muse-arte (blogue). Acedido em https://amusearte.hypotheses.org/6368
UNESCO. (2020, 4 abr.). Os museus enfrentam os desafios da COVID-19 e permanecem engajados com suas comunidades. UNESCO (sítio eletrónico institucional). Acedido em https://pt.unesco.org/news/os-museus-enfrentam-os-desafios-da-covid-19-e-permanecem-engajados-com-suas-comunidades

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Covid 19: ponto de viragem para o museu do futuro?," in a.muse.arte , 2020/04/16, https://amusearte.hypotheses.org/6462.
  1. O Grande Museu Egípcio anunciou o adiamento da reabertura para o próximo ano. Também a grande exposição comemorativa dos 500 anos da morte de Rafael Sanzio, na Scuderie del Quirinale, em Roma, cuja compra antecipada de ingressos bateu todos os recordes, cancelou a abertura e está a reembolsar o valor dos bilhetes adquiridos, disponibilizando vídeos sobre o artista e a exposição, em italiano e inglês. Em contrapartida, a República Checa anuncia a abertura dos museus no próximo dia 25 de maio, sendo um dos primeiros espaços públicos a voltar à normalidade. []
  2. Esta amostra corresponde aos respondentes a um inquérito lançado pela NEMO e cujos resultados foram publicados no dia 7 de abril. Contudo, a NEMO prolonga o estudo, solicitando respostas ao inquérito até 17 de abril, com o objetivo de continuar a monitorizar a situação e analisar os resultados ao longo de um período mais alargado. []
  3. A diminuição das equipas de segurança torna os mais vulneráveis durante o encerramento. Pode referir-se, neste âmbito, o roubo da pintura “Jardim da primavera”, de Vincent van Gogh, no Museu Singer Laren, nos Países Baixos, fechado ao público devido à COVID-19. []

Um comentário em “Covid 19: ponto de viragem para o museu do futuro?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.