Repensar o museu em tempo de pandemia

A vida, tal como a conhecíamos, ficou suspensa. O quotidiano, as rotinas, a normalidade, âncora da nossa segurança, sofreram uma mudança tão inesperada, quanto profunda, substituindo-se por um confinamento que nos obriga ao isolamento e nos convida à frugalidade e à reflexão. A omnipresença da ideia da doença, do sofrimento e da morte traz o questionamento acerca do sentido da vida, ou seja, acerca do sentido das nossa vida, individual e coletiva, agora e depois. É nesse sentido, também, que nos questionamos acerca do sentido do museu, agora e depois.

Sala do Metropolitan Museum of Art, temporariamente fechado devido ao coronavirus
Foto: Alamy Stock Photo, 2020

Embora fechados, os museus continuam presentes, reinventando-se na comunicação dos seus espólios e das suas memórias.

Ao contrário do que aconteceu com as bibliotecas e, até, com os arquivos, o museu cristalizou-se enquanto heterotipia (Foucault, 1994), onde o tempo se acumula e a memória é preservada, utilizando a tecnologia digital e a comunicação em linha como meios complementares e marginais à sua ação nuclear, centrada no objeto e no espaço físico da sua exposição. O desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação teve um impacto relevante no museu e na sua relação com os públicos virtuais (Boys & Boddington, 2014), forçando a redefinição do conceito de museu e do objeto museal, ao limite do seu questionamento: Do museums still need objects? (Conn 2010), mas não implicou alterações substantivas na sua praxis (Roque, 2018). A pandemia, pelo contrário, ao fechar o museu, obrigou uma mudança que se fez, precisamente, através da comunicação virtual, fixando os públicos convencionais e atraindo novos tipos de utilizadores.

Luís Raposo (2020, 4 abr.)  refere o inquérito  através da Rede de Museus Europeus (NEMO) “Survey on the impact of the COVID-19 situation on museums in Europe“, com o objetivo de avaliar as atividades que, neste âmbito, foram iniciadas ou reforçadas, nomeadamente, os programas de ensino em linha, visitas virtuais, vídeos (incluindo visitas e comentários aos objetos), disponibilização das coleções, comunicação nas redes sociais através de hashtags, jogos, passatempos e concursos, concluindo que “a oferta disponibilizada por organizações internacionais, públicas ou privadas, de conteúdos relacionados com museus quase que explodiu por estes dias” (Raposo, 2020, p. 44). No entanto, grande parte destes conteúdos já se encontravam disponíveis, embora sem a visibilidade agora adquirida. É o caso das bibliotecas digitais1, como a Europeana, a World Library ou o Internet Archive, que, agora, ganharam uma visibilidade sem precedentes, mas cujos conteúdos, inclusive os relacionados com coleções museológicas têm vindo a ser paulatinamente criado, sobretudo, desde há quase duas últimas décadas.

Aquilo que agora se torna saliente é a sua repercussão junto de novos públicos, mas sobretudo, a sua apropriação pelo museu, ou antes, a forma como a produção ou reformulação de conteúdos digitais e a sua difusão virtual se tornaram axiais da ação museológica (vd. Museus na web: Outra forma de ver nestes dias tão estranhos). No entanto, a maior parte destas ações resulta do contexto de emergência e, como tal, é ocasional e imediata. Não houve tempo para (re)pensar a política e a missão do museu, para definir o discurso do museu em função desta realidade, para estruturar um plano de comunicação.

Anísio Franco (de máscara, transportando a câmara com tripé) e Joaquim Caetano, respetivamente, subdiretor e diretor do Museu Nacional de Arte Antiga e historiadores da arte, durante a gravação de vídeos com as leituras de obras da coleção #MNAAemcasa
Foto: Daniel Rocha, 2020
Joaquim Caetano, diretor do Museu Nacional de Arte Antiga e historiador da arte, a apresentar a obra “Aparição de Cristo à Virgem”, de Frei Carlos

As visitas virtuais, a informação, mesmo quando interpretativa e analítica, acerca dos objetos, as propostas de fruição, incluindo as lúdicas, são plasmadas da ação museológica convencional. A maioria desses conteúdos refere-se a visitas guiadas (pelo conservador, geralmente, no papel de historiador da arte ou de especialista na área do conhecimento a que o objeto se refere), à exposição, destacando uma peça ou um conjunto2, ou às reservas (Vd., por exemplo, a visita às reservas do Museu da Cidade, transmitida pelas redes sociais). As visitas virtuais interativas, permitindo que o visitante-utilizador determine o sentido do percurso, selecione as peças sobre as quais pretende mais informação3 são escassas e raramente incorporam um conjunto organizado de dados com camadas de informação diferenciadas, associado a roteiro de hiperligações a diferentes tipologias de documentos textuais e de material visual gráfico.

Aquilo a que assistimos no espaço virtual é a réplica do que acontece no espaço físico do museu. Em regra, houve apenas uma transposição de suportes, do analógico para o digital. Isto não significa que seja despiciendo o que vemos acontecer. A perceção de continuidade pode ter um efeito apaziguador face aos cenários de incerteza, angústia e medo provocados pela pandemia.

Para lá das enormes perdas que nos inflige, a pandemia pode ser mestra, se tivermos a coragem e o discernimento de escutar-lhe a lição. E pode ser uma oportunidade, se estivermos recetíveis à mudança, aproveitando-a para repensar os paradigmas que tínhamos por adquiridos.

Pensar acerca do que será o museu depois de uma pandemia que estende a garras a toda a humanidade, é também refletir acerca daquilo que é nos dias que correm. E é, também, analisar os sinais que, no passado, anunciavam um futuro preocupante. Recorrendo, novamente, a Luís Raposo, “importa questionar se verdadeiramente quereríamos manter a longo prazo essa dita ‘normalidade’, baseada, especialmente no caso dos grandes museus portugueses, na atracção de turistas estrangeiros aos magotes, com decréscimo relativo e até absoluto de nacionais, tanto adultos isolados e famílias, como até das escolas […]” (Raposo, 2020, p. 44). A visita ao museu, no decurso da prática globalizada e massificada da viagem, tornou-se um comportamento social indispensável para a promoção da imagem pessoal e coletiva, registado através de fotografias (e selfies) que o documentam e comprovam. Porém, neste contexto, o museu tende a tornar-se um espaço de visualização para o visitante estrangeiro (comunidade que lhe é extrínseca), em vez de se fundamentar na relação dinâmica com o grupo em que se insere (comunidade que lhe é intrínseca) e ao qual se refere.

Importa, igualmente, refletir acerca do que é a ‘normalidade’ no museu e, por conseguinte, questionar o modelo do museu enquanto aglutinador da memória social, mas cujo discurso é centrado no objeto, nos seus atributos formais e estéticos. A transposição do suporte discursivo pode ser uma oportunidade de reformulação desse discurso, ensaiando narrativas alternativas e concedendo protagonismo a novos emissores. Há muito que a literatura (Karp, Kraemer, & Lavine, 1992; Kirshenblatt-Gimblett, 1998) tem vindo a sugerir a necessidade de encontrar novas estratégias representacionais e de integrar diferentes pontos de vista: “museums might profitably stress the dynamic nature of cultural change and the permeable borderlands between and within cultures” (Golding, 2013, p. 19).  A função social do museu não se esgota na preservação da memória, como, aliás, ficou definido, em 1972, na Declaração de Santiago.

O objeto museológico tem uma semântica polifacetada, com significações diferentes consoante o discurso em que se insere e a perceção do recetor-observador, enquanto o museu, no espaço físico da exposição e em regra, lhe confere um sentido unitário em consonância com o propósito discursivo. Por isso tem vindo a ser defendida uma hibridização do museu, criando conteúdos inclusivos e colaborativos:

They [os museus] are tasked with the balancing act of providing a secure environment in which people can encounter difficult histories, of passing on marginalized memories without alienating their visitors and of reflecting a flux of identities but nevertheless distilling the heterogeneity of their visitors’ experiences and attitudes into a consensual discourse around discernible core values and sensibilities. (Arnold-de Simine, 2013, p. 9)

A transposição para um suporte digital permite a criação de narrativas paralelas, ainda que correlacionais, que complementem ou, até, que contradigam o discurso institucionalizado.

A pandemia e o consequente estado de emergência obrigaram a uma quebra das tradicionais rotinas de trabalho no museu e à adoção de estratégias comunicacionais no espaço virtual. Esta seria uma oportunidade para experimentar novas modalidades discursivas, chamando novos contribuidores e integrando as suas heterogéneas leituras, sensibilidades, perceções, memórias e experiências. Seria tempo para testar as novas vias de normalidade museológica preconizadas na literatura, mas ainda com escasso impacto na prática quotidiana.

Face às condições excecionais que revolucionam todos os quotidianos e vivências, preconiza-se um tempo de mudança que, inevitavelmente, atingirá o museu. Assistimos a um fenómeno transformador que se abate sobre sentimentos, motivações e convicções individuais e coletivos, à reavaliação do essencial e a um sentido de solidariedade. Tudo isto poderá extinguir-se no final da crise, mas é mais provável que este tempo de questionamento deixe marcas mais profundas.

Quando o museu tornar a abrir as portas, talvez possa abandonar definitivamente a proposta unificadora de observação passiva e venha a admitir outro tipo de experiências, tornando-se um espaço de intervenção coletiva. Talvez possa abandonar a postura de autoridade exclusiva, especializada no domínio científico da coleção, para admitir outros contributos. No museu que vai surgir, talvez possamos encontrar o ‘museu imaginário’, onde todos estejam virtualmente conectados e onde seja facultado um acesso global, interativo e colaborativo, às coleções. Talvez o museu se torne efetivamente numa ferramenta para a construção coletiva do sentimento de pertença.

Se, neste momento, o museu funciona de forma reativa às circunstâncias, recorrendo às tecnologias da informação e da comunicação e ensaiando a interação virtual, sem estabelecer um programa consistente, talvez estas iniciativas, mesmo aleatórias e fragmentadas, possam estabelecer definitivamente uma cibercultura, que não ameaça a materialidade do museu, mas que lhe acrescenta outras valias intangíveis, abrindo espaço à colaboração, à conexão e à discussão e, por conseguinte, à criação de conhecimento e à intervenção social.

Referências bibliográficas:
Arnold-de Simine, S. (2013). Mediating memory in the museum: Trauma, empathy, nostalgia. Basingstoke: Palgrave Macmillan.
Boys, J., & Boddington, A. (2014). Museums and higher education working together: Challenges and opportunities. Farnham: Ashgate.
Conn, S. (2010). Do museums still need objects?. Pennsylvania, PA: University of Pennsylvania Press.
Foucault, M. (1994). Des espaces autres. In A. Defert & F. Ewald (Eds.), Dits et écrits (1954-1988), tome IV: 1980-1988 (pp. 752–762). Paris: Gallimard.
Golding, V. (2013). Collaborative museums: Curators, communities, collections. In V. Golding & W. Modest (Eds.). Museums and communities: Curators, collections and collaboration (pp. 13-31). London: Bloomsbury.
Guerreiro, D. (2018). Bibliotecas digitais para as humanidades: Novos desafios e oportunidades (Tese de Doutoramento em Ciências da Informação e da Documentação, Universidade de Évora, Évora, PT). Acedido em http://hdl.handle.net/10174/23282
Karp, I., Kraemer. C. M., & Lavine, S. D. (1992). Museums and communities: The politics of public culture. Washington, DC: Smithsonian Institution Press.
Kirshenblatt-Gimblett, B. (1998). Destination culture: Tourism, museums, and heritage. Berkeley: University of California Press.
Raposo, L. (2020, 4 abr.). O que podem fazer os museus, estando encerrados?. Público, 31(10937), 44.
Roque, M. I. (2018). O dilema do museu: Apenas real ou também virtual? In F. Ilharco, P. Hanenberg, & M. S. Lopes, Património cultural e transformação digital (pp. 21-31). Lisboa, Portugal: Universidade Católica Editora.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Repensar o museu em tempo de pandemia," in a.muse.arte , 2020/04/07, https://amusearte.hypotheses.org/6368.
  1. É comum pensar-se bibliotecas digitais apenas em relação a conteúdos bibliográficos. No entanto, como Dália Guerreiro (2018) defendeu na tese de Doutoramento, o conceito de biblioteca digital é mais abrangente, referindo-se à edição, organização e disponibilização em linha de conteúdos culturais e científicos, incluindo, por conseguinte, objetos museológicos. []
  2. Vd., por exemplo, os podcasts “A arte é uma ponte que nos une” do Museu Nacional de Arte Antiga com a hashtag #MNAAemcasa , ou a publicações sob o título “Diário das pequenas coisas” na página de Facebook do Museu Nacional de Arte Contemporânea, lamentando não ter sido associada uma hashtag, ferramenta que facilita a recuperação da informação. []
  3. Vd., por exemplo, as visitas guiadas às exposições temporárias do Museu do Santuário de Fátima e os projetos desenvolvidos pelo estúdio Wide. []

Um comentário em “Repensar o museu em tempo de pandemia”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.