Museus na web: Outra forma de ver nestes dias tão estranhos

“Ficar em casa” (#ficaremcasa; #stayathome) tornou-se o lema destes estranhos dias. De repente, tomamos consciência de que o mundo é efetivamente global, enquanto que os nossos universos pessoais se tornam infinitamente mais pequenos e confinados.

Visitante de máscara na Galeria Tretyakov, em Moscovo, Rússia.
Foto: Artyom Geodakyan/Tass, 2020.

Esta é uma nova e imprevisível realidade, em que somos obrigados a distinguir o essencial do acessório, a definir prioridades, a recuperar gestos e vontades que tínhamos esquecido para ocupar o tempo que, antes, nunca era suficiente e, agora, parece que nos sobra. Esta é uma oportunidade de abrandarmos o ritmo que corria frenético, de voltarmos às coisas simples e fundamentais, de nos centrarmos literalmente entre as quatro paredes da nossa intimidade. Nestes estranhos dias em que somos obrigados ao isolamento, reinventam-se as formas de comunicar. Há uma geração que comunicamos virtualmente, que criamos amigos nas redes sociais, que viajamos por sítios onde nunca estivemos realmente, que visitamos sítios aonde nunca fomos. Mas essa era uma alternativa que completava a realidade dos amigos reais e oferecia uma alternativa de sonho aos lugares e tempos onde vivíamos. Agora, essa é a única alternativa possível ao medo que se instala.

Nas últimas décadas, os museus e os sítios patrimoniais, como as bibliotecas, os teatros, as salas de concerto, têm vindo a experimentar e a realizar projetos digitais, ensaiando a comunicação virtual, não como alternativa, mas como complemento das suas ofertas convencionais. As Humanidades Digitais fornecem o enquadramento teórico da transferência de suportes, do analógico ao digital, da organização e do cruzamento da informação, ou da criação de modelos de visualização. Pode aplicar-se aos estudos da cultura e da arte a criação de “a dynamic space for intellectual life as different from what precedes it as oral culture differs from a world of writing. At one level, little will change” (Crane, Bamman, & Jones, 2008, s.p.), preconizada para os estudos literários. No entanto, a criação de produtos digitais nunca foi o cerne da sua atividade de museus e sítios patrimoniais, centrados na preservação da autenticidade dos objetos e lugares, receando que a sua reprodutibilidade digital lhes diminua a aura conferida pela unicidade (vd. Benjamin, 2007).

Subitamente, estes estranhos dias trazem a mudança. Na impossibilidade de sairmos, são os museus que nos entram em casa. A comunicação virtual deixa de ser um complemento da visita convencional ao museu, mas a única alternativa de que dispomos. Não temos o objeto original, mas temos acesso a um conjunto de dados textuais e gráficos e a hiperligações inviáveis no espaço físico do museu.

Enquanto, no museu, o objeto apenas pode ser visto a uma distância adequada, a sua reprodução digital, apesar da falta de corporalidade e da perda de clareza, vibração, cor e textura da representação face ao original, tem os benefícios da manipulação, da ampliação e da modelação.  (Roque, 2018, p. 26)

O discurso do museu torna-se outro(s), inevitavelmente, mais abrangente e plural e, por conseguinte, menos exclusivo e discriminatório.

Novecento (cavalo embalsamado suspenso)
Maurizio Cattelan, 1997
Rivoli-Turim, Castello di Rivoli Museo d’Arte Contemporanea
Instagram: castellodirivoli #digitalcosmos (2020, 5 mar.)

Em Itália, Carolyn Christov-Bakargiev, diretora do Castello di Rivoli Museo d’Arte Contemporanea, em Turim, mas cuja atividade de curadoria se tem estendido entre a Europa, Estados Unidos e Austrália, face à contingência de encerrar o museu, fez um esforço considerável, juntamente com a sua equipa, para tornar as coleções e as exposições acessíveis em linha (on-line), considerando-o um “dever público” para com os 60 milhões de italianos forçados a ficar em casa (cfr. Pes, & Rea, 2020, Mar. 10). Nos últimos dias, Christov-Bakargiev e a sua equipa, numa tarefa árdua de 18 horas diárias de trabalho, têm vindo a gravar e a editar visitas virtuais ao museu e às três exposições temporárias inauguradas antes do bloqueio, disponibilizando-as na plataforma virtual Digital cosmos, advertindo, porém, que isto “does not replace a visit to the Museum, nor the uniqueness of the intense physical and emotional encounter that can be experienced only in real spaces and with the body of works or performances, but adds more private and screen-based dimensions and experiences” (Christov-Bakargiev, cit. in “Castello di Rivoli apre Cosmo Digitale”, 2020).

Jogo de damas
Abel Manta, 1927
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea 
Facebook: @museuchiado (2020, mar. 16)

Por cá, o exemplo vem do Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) que iniciou um Diário das pequenas coisas. A primeira publicação na página de Facebook foi o “Jogo de damas” de Abel Manta, com um texto interpretativo assinado por Emília Ferreira, diretora do museu, e ligação à página da obra no sítio eletrónico do museu. Entretanto, também o Museu Nacional de Arte Antiga começou a divulgar pequenos vídeos com a apresentação de algumas das obras expostas por Joaquim Caetano e Anísio Franco, respetivamente, diretor e subdiretor, sob o mote “a arte é que nos une”.

Manolo Osuna, junto à obra Democritus
Jusepe de Ribera, 1630 Pintura a óleo sobre tela
Madrid, Museo Nacional del Prado
Instagram: museoprado (2019, nov. 21)

Entretanto, em Espanha, uma série de vídeos feitos por Javier Sainz de los Terreros, munido de telemóvel com bastão, desde 2019, tornou-se viral no Instagram. Sainz de los Terreros nunca aparece, mas ouve-se a sua voz a interpelar trabalhadores indiferenciados do Museu do Prado, conservadores, especializados em segmentos da coleção, restauradores, ou guardas de museu sem formação académica específica. Cada um fala sobre obras livremente escolhidas de acordo com as suas preferências. Se foram muitos seguidores a acompanhar o diretor do museu, Miguel Falomir Faus, apresentando “Las poesías” (Venus y Adonis), pintura renascentista mitológica de Ticiano, foram ainda mais os que ouviram Manolo Osuna, membro da Brigada Especial do museu encarregada da   movimentação e manipulação das obras de arte dentro do museu, a falar acerca do seu trabalho e das representações dos filósofos gregos “Democritus” e “Heraclitus”, de Jusepe de Ribera, Lo Spagnoletto, onde realça o aspeto esfarrapado, com um sorriso desdentado e as unhas sujas, explicando que as personagens de Ribera são pessoas de rua.

Projeto “Connections”
2011
Nova Iorque, Metropolitan Museum of Art

O conceito não é novo. Em 2011, o Metropolitan Museum of Art convidou diversos membros do pessoal a apresentar as suas perspetivas pessoais acerca das obras da coleção, de que resultaram os 100 episódios da série Connections. Cada autor escolheu um tema ilustrado com obras do museu, por vezes, de acordo com a sua área de especialização, mas em geral por razões meramente subjetivas: “Survival”, por Dorothea Arnold, curadora de arte egípcia; “Hands”, por Alice Schwarz, educadora; “Intention”, por Alex Hills, coordenador de marketing digital; “Grids”, por Robin Schwalb, arquivista, mas também artesã de colchas de retalhos que a inspiram a falar de grelhas; ou “Hemingway”, por Seán Hemingway que, sendo curador de arte grega e romana, apresenta as obras favoritas de Ernest Hemingway, seu avô.

Os discursos tornam-se multifacetados, encontrando diferentes pontos de vista e conexões inesperadas, dificilmente articuláveis na organização do espaço expositivo, questionando a versão oficial, estilística ou cronológica, da história da arte, propondo novos significados e sentidos.

O que têm em comum o Castello di Rivoli Museo d’Arte Contemporanea, em Turim, o MNAC, em Lisboa, o Museu do Prado, em Madrid, e o Metropolitan Museum, em Nova Iorque? Contrariando as distâncias, estão todos na web e ensaiam novos discursos.

Nestes estranhos dias, é-nos permitida a evasão por esses discursos alternativos que desafiam as convenções e incitam à reflexão sobre o que já vimos e aquilo que julgávamos conhecer. Porque, nestes dias em que tudo o que tínhamos por adquirido é posto em causa, vale a pena enveredar por outras formas de ver.  Outras formas de visitar os museus.

Refereências bibliográficas:
“Castello di Rivoli apre Cosmo Digitale” (2020, mar.). Castello di Rivoli (website). Acedido em https://www.castellodirivoli.org/en/castello-rivoli-apre-cosmo-digitale/
Benjamin, W. (2007). The work of art in the age of mechanical reproduction. In H. Arendt (Ed.), Illuminations: [Essays and reflections] (pp. 217–251). New York, NY: Schocken Books.
Crane, G., Bamman, D., & Jones, A. (2008). ePhilology: When the books talk to their readers. In R. Siemens & S. Schreibman (Eds.), A companion to digital literary studies (ebook). Oxford: Blackwell, 2008. Acedido em http://www.digitalhumanities.org/companionDLS/
Pes, J., & Rea, N. (2020, Mar. 10). A world-famous curator is working 18-hour days to put one of Italy’s top museums online so Italians can visit from quarantine. Artnet. Acedido em https://news.artnet.com/art-world/coronavirus-italy-directors-1798908
Roque, M. I. (2018). O dilema do museu: Apenas real ou também virtual? In F. Ilharco, P. Hanenberg, & M. S, Lopes, Património cultural e transformação digital (pp. 21-31). Lisboa, Portugal: Universidade Católica Editora.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Museus na web: Outra forma de ver nestes dias tão estranhos," in a.muse.arte , 2020/03/17, https://amusearte.hypotheses.org/6215.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.