Museu de Marinha: Museografia renovada na Sala dos Descobrimentos

O Museu de Marinha foi criado por Portaria do Rei D. Luís, de 22 de julho de 1863, que decretou a constituição de uma coleção relacionada com a atividade marítima portuguesa, na sequência de uma outra Portaria de D. Maria II, de 2 de abril de 1836, que ordenava, aos cirurgiões da Armada, a recolha de produtos naturais nos locais onde ancorassem, tendo em vista a criação de um futuro “museu particular da Repartição da Marinha”, para o qual contribuiu com a oferta de modelos de navios existentes no Palácio da Ajuda à Real Academia dos Guardas-Marinha1. Desde então, o museu passou por vários locais  e teve diversas designações (Museu Naval, Museu Nacional da Marinha, Museu Naval Português) até que o Decreto-Lei nº 42412, de 24 de julho de 1959, lhe fixou a designação atual como Museu de Marinha, “considerando que a Portugal, como nação essencialmente marítima e marinheira, é indispensável possuir um Museu de Marinha condigno das suas tradições e actividades” e determinando que “a localização ideal para a instalação definitiva do Museu da Marinha é o Mosteiro de Santa Maria de Belém, por todas as razões históricas, estéticas, sentimentais e até turísticas”. A designação “de Marinha” sublinha o caráter genérico da temática do museu, alargando o escopo às suas várias vertentes (militar, comércio, pesca e lazer) e às atividades relacionadas com o mar e, por conseguinte, no contexto português, à história dos descobrimentos e da expansão marítima. A 15 de agosto de 1962, o Museu de Marinha abriu oficialmente as suas portas, nas alas norte e poente do Mosteiro dos Jerónimos.

Átrio do museu: Infante D. Henrique e navegadores portugueses
Lisboa, Museu de Marinha

As áreas expositivas organizavam-se em torno de seis núcleos temáticos: marinha militar; mercante; de pesca; de recreio; cartografia; navegação; e, num pavilhão anexo expressamente construído para o efeito, galeotas e hidroaviões, entre os quais, o Santa Cruz, em que Sacadura Cabral e Gago Coutinho concluíram a primeira travessia aérea do Atlântico Sul, em 1922.

Em 1990, face à possibilidade de financiamento de uma completa remodelação museográfica por parte da Fundação Calouste Gulbenkian, o arquiteto Octávio Lixa Filgueiras elaborou o Memorando sobre a programação global do Museu de Marinha de Lisboa, onde apontava as limitações de uma museografia que considerava ultrapassada, mas também da sua missão definida no contexto propagandístico do Estado Novo em torno das glórias do passado histórico e colonialista do país. Porém, o apoio técnico e financeiro da Gulbenkian não se concretizou e a remodelação do museu não ultrapassou o registo de algumas alterações pontuais.

Em 2016, foi anunciado um projeto faseado de renovação da Sala dos Descobrimentos Portugueses, o qual abrangia a atualização da iluminação e dos suportes museológicos, adaptando-os ao discurso igualmente reformulado, com uma narrativa mais acessível e interpretativa. O Primeiro-tenente Bruno Gonçalves Neves, chefe do Serviço de Investigação do Departamento de Museologia do Museu de Marinha, com profundo conhecimento da coleção, e o gabinete da arquiteta Célia Anica foram responsáveis, respetivamente, pela elaboração do discurso e pela museografia, num projeto em que se adivinha contínuas interferências e colaborações entre ambos2.

Sala dos Descobrimentos
Projeto de Renovação/museografia
@ Atelier Célia Anica, 2016
Lisboa, Museu de Marinha

Um museu de marinha define-se, em regra, como um segmento da tipologia de museus de história, nos quais uma ampla variedade de objetos e recursos procuram documentar, contextualizar e interpretar o facto ou o fenómeno histórico.

A reformulação do museu incluiu a introdução de novas peças, entre as quais modelos de embarcações criadas nas oficinas da Marinha, que tutela o museu refletindo a investigação recente sobre navegação realizada em colaboração com a academia, e que se juntam a outros modelos já existentes, instrumentos náuticos, mapas, armas, pinturas e outros objetos relacionados com as viagens marítimas, incluindo a imagem do Arcanjo São Rafael,  única peça sobrevivente da viagem de Vasco da Gama à Índia e transportada na nau comandada por Paulo da Gama.

Frota de Vasco da Gama e viagem à Índia; à direita, arcanjo S. Gabriel
Lisboa, Museu de Marinha
Foto: GoLisbon, s.d.

Sendo que a renovação deste espaço é feita a pretexto do 6.º centenário da tomada de Ceuta, é este o tema que abre o percurso expositivo, embora, num painel ao lado, seja feita a referência às “Rotas do comércio marítimo português na Idade Média”.

Sala dos Descobrimentos: tomada de Ceuta e comércio marítimo na Idade Média
Lisboa, Museu de Marinha
Fotos: MIR, 2020

A contextualização histórica faz-se através das componentes textuais e gráficas que se sucedem ao longo de todo o espaço expositivo, num equilíbrio sensato entre a síntese e a explicação.

Sala dos Descobrimentos
Lisboa, Museu de Marinha
Foto: MIR, 2020

Se o discurso mantém uma lógica linear (ou cronológica), informativa e didática, consegue fazê-lo numa linguagem abrangente e objetiva, introduzindo trechos narrativos abertos relativos à significação do objeto e às suas componentes conotativas. Poder-se-á dizer que, numa altura em que se tem vindo a discutir a pertinência de um museu das descobertas, que há questões relacionadas com a expansão que não são aqui aprofundados, tais como a escravatura, o tráfego, a colonização, ainda que possam ser brevemente referidos, dado que o museu se centra nas viagens marítimas, nos instrumentos e nas técnicas utilizadas, na demonstração dos processos e nos objetos que as documentam.

Nesse sentido, o museu é o detentor privilegiado da informação e, por conseguinte, o emissor especializado dos enunciados que descrevem e interpretam a coleção. Evita, desta forma, a introdução de questões sensíveis e controversas, bem como temáticas políticas, sociais e éticas que a museologia crítica procura introduzir nos discursos museológicos, mas, em contrapartida, apagou o anterior tom propagandístico na exaltação do passado heroico.

Sala dos Descobrimentos
Lisboa, Museu de Marinha
Fotos: MIR, 2020

O desenho museográfico acompanha a sobriedade do discurso. Há uma deliberada moderação na conceção do equipamento, na escolha das linhas simples e direitas, das tonalidades claras e neutras. A museografia, de expressão contemporânea, cria um fundo neutro que realça o objeto exposto sem competir com ele, ao mesmo tempo que se articula e quase se anula na relação com o espaço arquitetónico.

Vitrinas da museografia anterior
Lisboa, Museu de Marinha
Foto: Lifecooler, s.d.
Redesign das vitrinas
Design: @ Célia Anica; execução: J.C. Lda
Foto: CA, 2016
Estudo de vitrina
@ Célia Anica, 2016
Vitrina de acordo com o projeto de Célia Anica
Lisboa, Museu de Marinha
Foto: MIR, 2020

Parte das vitrinas é recuperada do mobiliário existente, aligeirado, depois de retirado algum excesso decorativo, substituindo-o por planos mais lisos. Mesmo sem se impor, o equipamento museográfico constrói o percurso, cria eixos de visualização, abre perspetivas ou sugere núcleos. A iluminação e o uso criterioso de alguns fundos de cor uniforme, predominantemente em azul forte e ocre, destacam os objetos, sublinhando o efeito pretendido.

Sala dos Descobrimentos: astrolábios
Lisboa, Museu de Marinha
Fotos: MIR, 2020
Sala dos Descobrimentos: especiarias
Lisboa, Museu de Marinha
Fotos: MIR, 2020

No entanto, apesar do exercício de contenção na definição das formas e na escolha dos materiais e da uniformização visual que daí resulta, é percetível a ponderação de que cada objeto, ou grupo de objetos similares, é alvo, criando soluções expositivas específicas, sem prejuízo do sentido compositivo e estético, por vezes, de grande efeito cénico. É o caso dos astrolábios inseridos num painel recortado que lhes salienta a forma, ou da vitrina com as especiarias. Mas é também o caso das grandes vitrinas para os modelos de fragatas, recuperadas do anterior aparato, visualmente mais leves sem o revestimento escuro da base, substituído por uma placa lisa, cujo perfil é realçado por uma linha luminosa que sugere a linha de água e eleva a embarcação, enquanto a iluminação superior cria um dinâmico jogo de sombras.

Museografia anterior
Lisboa, Museu de Marinha
Foto: Lifecooler, s.d.
Redesign das vitrinas com modelos de fragata
Lisboa, Museu de Marinha
Fotos: MIR, 2020

O confronto entre museografias é possível, enquanto a renovação não chega às salas seguintes, confirmando as competências discursiva e expositiva da Sala dos Descobrimentos, conseguidas através da atualização das linguagens, textual e visual que contextualizam os objetos e lhes conferem um sentido.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Museu de Marinha: Museografia renovada na Sala dos Descobrimentos," in a.muse.arte , 2020/03/05, https://amusearte.hypotheses.org/5982.
  1. Em 1845, por Decreto Real de D. Maria II, a Academia Real dos Guardas Marinhas passou a designar-se por Escola Naval, passando a formar também, os oficiais da Marinha Mercante. []
  2. Coordenação geral, Museu de Marinha; Coordenação científica, Bruno Gonçalves Neves Acervo; Conservação, Ana Vilas Boas Tavares; Arquitectura museográfica, Célia Anica, colaboração Bruno Simões Helder Magalhães; Design de comunicação, Sónia Pinto; Execução, J. C. Sampaio, Lda.; Execução gráfica; Logotexto []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.