De cavalo para ctt

A sigla CTT remonta a 1911, quando, após a instauração da República, a instituição responsável pelo correio passou a designar-se Administração-Geral dos Correios, Telégrafos e Telefones, ao mesmo tempo que adquiria autonomia financeira; posteriormente, em 1969, transformaram-se em empresa pública, com a designação de Correios e Telecomunicações de Portugal, E.P., mantendo a mesma sigla. Os serviços de telecomunicações das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto foram entregues à empresa TLP – Telefones de Lisboa e Porto, criada em 1968.

CTT: Imagem visual
Design: José Brandão, 1993

Ao longo da década de 1990, a organização dos CTT sofreu várias alterações. Em 1992, os CTT transformaram-se em sociedade anónima de capitais exclusivamente públicos, alterando a designação para CTT – Correios de Portugal, S. A., ficando com os serviços dos correios e comunicações, enquanto a área das telecomunicações era entregue à Telecom, uma empresa autónoma criada para o efeito.

Neste contexto, tornou-se imperiosa a criação de uma imagem de marca suficientemente forte para permitir a sua visibilidade, consolidação e reconhecimento, bem com a distinção formal face a outras instituições análogas. No entanto, não se pretendia criar uma rutura com o símbolo que vinha a ser usado, já como era uma reinterpretação feita em 1964 a partir do emblema criado em 1953.

O imaginário coletivo associou aos correios a imagem do mensageiro a cavalo, a partir da sobreposição de referências históricas que remontam à Antiguidade, nomeadamente no Império Persa Aqueménida, onde há relatos de cavaleiros que asseguravam a transmissão de mensagens escritas entre monarcas (Meyer, 2006: p. 5), e que, no século XVII, se fixou na figura do postilhão (do italiano postiglione, de posta, o estabelecimento onde se trocavam as mudas de cavalos e que, por extensão, passou a significar correio). O postilhão  era o condutor de uma carruagem que distribuía a correspondências e, normalmente, montava num dos cavalos que ia na frente da parelha. No século XIX, esta figura vulgarizou-se como iconografia dos correios: o cavalo, como a força motriz que conduz o mensageiro e a corneta que o anuncia.

No briefing, as orientações para a criação da nova imagem dos Correios de Portugal refletiam todas estas contingências, ao propor o símbolo do cavalo, mantendo o conceito de arauto portador da mensagem, como símbolo dos correios transversal a diversas culturas e épocas, mas remodelando-o, numa linguagem mais moderna e depurada. O logotipo passava a ser “CORREIOS DE PORTUGAL”.

Foram feitos vários estudos nesse sentido, mantendo, não só o símbolo, como o logotipo. O lettering (alfabeto Gil sans médium e light) existente era pertença dos próprios Correios, pelo que as letras, maiúsculas e apenas as necessárias para o logo, foram redesenhadas, com a colaboração de Paulo Ramalho, tendo em vista uma maior clareza. O símbolo foi igualmente recriado: em perfil total estilizado, o cavalo e o mensageiro, apresentam-se em silhueta recortada e preenchida a vermelho sólido, Pantone 186. O cavalo simulava um salto sobre as primeiras letras do logotipo e era estabilizado por uma linha horizontal colocada ao nível inferior das letras.

A conceção da nova imagem de marca implicou a criação de um manual de normas, com as instruções para a utilização da marca e a definição das regras de utilização e de aplicação do logotipo e do símbolo. No manual, a marca era declinada em positivo e negativo, contorno, escalas, geometria, e com inversão do símbolo.

A marca foi aplicada em todos os impressos dos correios, na papelaria, em cartões de identificação, na sinalética direcional e indicativa, na bandeira e nos locais de atendimento ao público, viaturas, publicações.

Verificou-se, entretanto, que a opinião pública não assimilara as alterações organizacionais da empresa e, em particular, a mudança do nome, continuando a referir-se aos Correios de Portugal como CTT. Por isso, foi decidido incluir esta sigla na marca, aproveitando para melhorar alguns outros detalhes, conferindo-lhes maior operacionalidade.

Em 1997, reescreveu-se o logotipo, criando-se três versões: logotipo 1, “CTT CORREIOS”; logotipo 2, “CTT CORREIOS DE PORTUGAL SA”; logotipo 3, “CTT”. Manteve-se na mesma família de tipos, mas foi escolhida a variante Alternative one regular e light, cujos tipos, mais endurecidos, permitiam uma melhor leitura e uma maior redução do tamanho do logotipo. Além disso, o número “1”é serifado nesta variante, não se confundindo com a letra “I”.

O símbolo não sofreu alterações, à exceção da linha inferior, que foi retirado. A cor foi aferida pelo padrão Pantone 1795, passando, no modelo CMYK, a obter-se o vermelho através da adição de magenta e amarelo a 100%.

O manual de normas foi, desta vez, executado em formato digital e, além das aplicações anteriores, foi criado um padrão de identificação a empresa, em positivo e negativo. Previa, ainda, a conjugação da marca CTT Correios com as submarcas, ou serviços de identidade visual própria, como os Serviços de Financiamento Postais e o EMS Correio Urgente.

No início da semana, os CTT anunciaram uma nova imagem da marca, sob pretexto de que a anterior estava demasiado associada ao correio postal. O objetivo é simplificar a expressão da marca. Simplificou e a imagem ficou mais pobre.

Bibliografia:
Pires, D., Inteiro, F., Teixeira, M., João, R., & Pires, T. (2010, jan. 9). Estudo de caso nacional: CTT. Aveiro: Universidade de Aveiro. Consultado em fev. 20, 2013, em http://issuu.com/designestrategico/docs/ctt_estudo_de_caso
Meyer, J. (2006). Propagande et philatélie. Lyon: Université Lyon; Institut d’Études Politiques. Consultado em fev. 20, 2013, em http://doc.sciencespo-lyon.fr/Ressources/Documents/Etudiants/Memoires/Cyberdocs/MFE2006/meyer_j/pdf/meyer_j.pdf

Nota: Texto elaborado a partir de informações prestadas por José Brandão, na preparação da obra bipgráfica para Ceia, A. J., & Bartolo, J. (2014). José Brandão, Designer: Cultura e Prática do Design Gráfico. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, B2.


4 comentários em “De cavalo para ctt”

  1. O cavalo será sempre a imagem ligada aos ctt, venha quem vier.
    Só sabem destruir tudo, cada passo que dão é uma tristeza que se apodera de quem tanto já amou os correios.😞

Responder a José Costa Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.