Dois museus entre a paz e a guerra

Em Teerão, dois museus abordam os temas difíceis e controversos da paz e da guerra: o Museu da Paz de Teerão (موزه صلح تهران) e o Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa (موزه انقلاب اسلامی و دفاع مقدس). A ocorrência destes museus está contextualizada pela omnipresente memória da guerra Irão Iraque (1980-1988), iniciada por Saddam Hussein e onde foram utilizadas armas químicas sobre iranianos e curdos, provocando cerca de um milhão de vítimas:

In Iran, countless acres are dedicated to cemeteries for soldiers killed in the 1980s Iran-Iraq war. Endless tears of mourning and pride have fallen for loved ones lost in that “sacred defense”.  And numberless sermons and solemnities have turned martyrdom into the highest form of worship. (Peterson, 2007, 24 dez.)

O Museu da Paz, após um período inicial instável, reabriu ao público definitivamente a 29 de junho de 20111, num novo edifício construído no parque da cidade em pleno centro histórico. Membro da Rede Internacional dos Museus da Paz, o museu é recorrentemente distinguido como pelo comité nacional do ICOM como o melhor museu privado iraniano (em 2018, 2016, 2015, 2014). Junto à entrada, uma escultura com uma pomba pousada sobre um capacete de guerra caído anuncia o discurso.

Museu da Paz de Teerão
Teerão
Fotos: MIR, 2018

A narrativa do museu segue uma ordem cronológica que inicia com a citação bíblica da luta entre Caim e Abel e a referência a Dahak, figura maléfica da mitologia persa zoroástrica e prossegue através da história dos conflitos bélicos.  A representação da guerra (como as impressionantes imagens das vítimas das armas químicas) tem implícita a ideia de que a violência está subjacente ao humano, mas é usada como pedagogia para a paz.

Caim
Teerão, Museu da Paz de Teerão

A museografia, mais do que datada, é antiquada e pesada, definindo um átrio central, onde se sucedem os vários episódios desta história universalizada da guerra. Os maciços armários de madeira escura e trabalhada enquadram a exposição eclética e confusa, onde se misturam manequins representando com a representação das personagens evocadas nos diversos episódios de conflito, com memorabilia da guerra, elementos gráficos e textuais, dispositivos audiovisuais e digitais. O museu tem, como missão, promover una cultura de paz sensibilizando o público para os efeitos devastadores da guerra e, em particular, no impacto das armas químicas no ambiente e na saúde. Ou seja, apesar da designação, o discurso do museu centra-se mais na guerra e no sofrimento que provoca, do que numa visão positiva da paz.

A comunicação do museu assenta no trabalho voluntário de veteranos e vítimas das armas químicas – o diretor do museu com as pernas amputadas, o guia cego, cujas queimaduras internas o obrigavam a comer por sonda antes da prótese do esófago – cuja presença e testemunhos, enunciados na primeira pessoa, terão o efeito dissuasor pretendido pelo museu, conferindo uma nova dimensão ao terror da guerra e, por conseguinte, à importância da paz.

Tudo, aqui, da exposição ao discurso, deixa um peso que nos oprime e, efetivamente, enche de horror, a par da rejeição provocada pelo mau gosto latente dos arranjos museográficos, excessivos e desatualizados.

O Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa, inaugurado em 2010, no bairro Abbas Abad, na zona norte de Teerão, com uma magnífica vista sobre as montanhas, é o oposto do Museu da Paz, ainda que impressão que provoca não seja muito diferente.

Entrada do museu: exterior
Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018

O museu, concebido como um centro de interpretação da guerra Irão-Iraque, conhecida como “sagrada defesa” e percebida como uma guerra imposta, é também um memorial com acentuado cunho religioso, sublinhado pela presença do Túmulo do Soldado Desconhecido e pela proximidade da mesquita integrada no complexo que inclui, ainda, um amplo jardim com cursos de água, segundo a tradição persa e um conjunto impressionante de tanques e peças de artilharia.

O edifício, projetado pela arquiteta iraniana Jila Norouzi, adota uma arquitetura de linguagem marcadamente contemporânea, desenvolvendo-se numa estrutura metálica horizontalizada, em acentuado contraste com o verde das montanhas que se erguem no horizonte. O edifício, apesar da monumentalidade, funde-se na paisagem, através da cobertura inclinada que segue a topografia das colinas. Do ponto de vista formal, o edifício evoca uma tenda militar, criando, no interior um vasto espaço aberto.

Entrada do museu: interior
Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018

A exposição desenvolve-se ao longo de sete níveis diferenciados, conectados entre si por ligeiros declives que, simultaneamente marcam a transição entre os vários núcleos. Cada núcleo explora um conceito particular da guerra, tendo sempre subjacente a exaltação do herói, magnificado pelo confronto com o horror da morte e da destruição.

Tal como a arquitetura, também a museografia é contemporânea: “It’s like a war memorial for the digital age. […] this museum turned out to be so much more than a spotlight on Iran’s military history — more creative, more artistic and more immersive” (Daftari, 2017, 2 abr.).

A exposição abre com uma contextualização histórica do Irão, focada no período entre a revolução de fevereiro de 1979 e o início da guerra, a par de uma linha cronológica dos acontecimentos mundiais mais relevantes. Regista-se, aqui, uma inesperada ligação a Portugal: cravos espetados nos canos das espingardas, símbolo da revolução de 1979, cinco anos depois de, em Portugal, o 25 de abril ter cunhado como a Revolução dos Cravos com a mesma representação simbólica.

Cravos no cano das espingardas na revolução de 1979
Teerão, Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018

A referência à guerra inicia com a encenação das ruínas de Khorramshahr, a cidade fronteiriça na província de Khuzestan, no sudoeste do Irão, tomada pelo exército iraquiano em 24 de outubro de 1980. O visitante passa pelos espaços bombardeados aéreos, as ruas, as fachadas destruídas, deixando ver os interiores das casas: um quarto com a cama coberta de escombros, o toucador com o espelho quebrado, as marcas das balas na parede; uma sala de aula, com as mesas e cadeiras amontoadas e partidas, o quadro negro, escrito a giz, atravessado imenso pelo buraco de uma explosão; uma boneca de trapos jogada no tronco de uma árvore caída… Sobre os destroços, ou aproveitando os vãos destruídos transformados em ecrãs, são projetados  filmes que documentam a realidade da guerra, conferindo veracidade à ficção museográfica.

Reconstituição de uma sala de aula em Khorramshahr
Teerão, Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018
Projeções vídeo sobre os escombros
Teerão, Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018

Segue-se um modelo da refinaria de Abadan, atacada por mísseis, o qual integra peças originais, enquanto outras são expostas como se fossem obras de arte.  Junto a uma delas, lê-se no texto parietal: “This piece of metal belongs to one of the oil tanks in this refinery ahead, there’s a small model of the refinery with original pieces, which shows the extent of invasion of the industry of the country”.

Estes espaços anunciam o tom do discurso museológico, marcado por textos que refletem a propaganda ideológica do regime, a par de instalações de grande efeito cénico.

Mas não só. A exposição torna-se ainda mais imersiva e multissensorial, ao inserir um simulador que recria um bombardeamento. A representação da força e coragem da resistência iraniana segue o mesmo modelo, com a reprodução de uma trincheira subterrânea para vivenciar as condições suportadas pelos soldados: frio, calor, humidade, terreno instável, o terror dos ataques. Estes simuladores, embora inseridos no percurso expositivo, eram de acesso facultativo. No entanto, todos os visitantes são obrigados a passar através de uma ponte flutuante, sujeita a bombardeamentos repentinos e inesperados… A intenção será ensinar aos mais jovens acerca da realidade da guerra. No entanto, o uso de tecnologias de gamificação tem, ainda, um efeito contraditório, convertendo o horror absoluto da guerra num mero simulacro lúdico. Tal como acontece nos jogos de computador que convidam o visitante a eliminar o inimigo. Excessivo, inadequado e errado.

A mobilização do povo iraniano contra os ataques iraquianos e, por extensão, contra as potencias ocidentais que apoiavam o Iraque e isolavam o país, é apresentada como o heroísmo e desprendimento que conduz ao martírio. Um dos aspetos mais relevantes desta guerra foi o elevado número de iranianos, cidadãos comuns, que se inscreveram voluntariamente para combater pelo país. Esta mobilização pública torna-se um elemento agregador da sociedade que o museu procura homenagear.

O “salão das borboletas”2 expõe, em vitrinas de caixa, como se fossem pequenos féretros, os objetos pessoais dos soldados mortos, encontrados nos diferentes campos de guerra. As fotografias suspensas do teto, entre borboletas, dão rosto a estes mártires.

Salão das Borboletas
Teerão, Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018
Vitrinas com objetos dos soldados mortos
Teerão, Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018
Fotografias dos soldados mortos
Teerão, Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018

Em confronto com a morte dos soldados, é exposto o equipamento de guerra iraniano: uma mesa com minas e granadas, uma instalação de lança-rockets virados para o visitante, vitrinas com armamento pessoal e bombas, um corredor com piso transparente sobre um campo minado. Numa das paredes, uma cortina de painéis verticais retro iluminados explica a função e o uso, enquanto, noutra se apresenta uma extensa instalação de minas terrestres, unificadas sob uma camada de tinta branca, com a aparente intenção de representar a natureza indiscriminada dos vários tipos de armas. A mesma técnica foi utilizada noutra instalação de máscaras antigás.

Sala do equipamento de guerra: à direita, o corredor a simular um campo minado
Teerão, Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018
Instalação com minas: pormenor
Teerão, Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018

Pouco depois, surge no percurso uma outra instalação: fios com as placas identificativas dos soldados e que, em caso de morte, fica, uma parte, no corpo enquanto, a outra, é entregue à família. É através destas placas que se faz a contagem dos mortos e a identificação dos cadáveres. A utilização destas placas numa instalação artística torna-se uma visão inquietante e parece, pelo menos aos olhos ocidentais, uma profanação da memória dos soldados mortos.

Instalação com placas dos soldados
Teerão, Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018

A estetização da guerra é, talvez, o elemento mais perturbador deste museu. Os objetos ultrapassam a função documental e representativa, para criar um efeito que, em termos de comunicação, se torna um ruído absurdo sobre a mensagem. A atenção é desviada do essencial (o armamento usado na guerra com um impacto trágico) para o acessório artificial (a visualidade superficial de objetos inconsequentes). Também aqui, esta estratégia expositiva resulta excessiva, inadequada e errada.

A culminar o memorial, sucedem-se dois espaços cruciais no discurso do museu: o túmulo do soldado desconhecido e a galeria dos mártires mais ínsignes, introduzindo um sentido religioso que, de alguma forma, está subjacente ao longo de todo o percurso.

Túmulo do soldado desconhecido
Teerão, Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018

Uma fotografia de Saddam, antes do enforcamento, sobreposta por uma sequência de cordas esticadas verticalmente, evoca a prisão e a execução do responsável pela guerra. O fim da guerra o regresso vitorioso dos vivos, representado numa imensa pintura parietal, que tem sido um complemento gráfico constante ao longo do percurso.

Painel parietal: o regresso vitorioso dos soldados
Teerão, Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018

Uma das encenações de maior impacto representa a repercussão do final da guerra na imprensa internacional: ampliações das primeiras páginas dos jornais e capas de revistas que parecem esvoaçar em grande profusão, como se impulsionadas pelo vento.

Instalação: notícias do fim da guerra na imprensa estrangeira
Teerão, Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018

Há, ainda, um último olhar sobre o campo de batalha num diorama: o terreno devastado, tanques destruídos, focos de incêndio, soldados a erguer as armas em sinal de vitória, a orar, ou a socorrer os feridos, grupos de prisioneiros, numa representação descritiva que encerra o ciclo iniciado com a devastação de Khorramshahr.

Diorama: o final da guerra
Teerão, Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018

Tal como o início da guerra abria com uma contextualização da história recente, também o fim permite uma referência à era Khomeyni, onde não é evitada a exaltação do país e dos seus recursos.

Este é um museu espetacular, no sentido literal do termo. Segundo o Lonely planet, é um “epic-scale museum”:

At times the displays swerve into the surreal, such as the section that depicts the glittering vision of heavenly paradise the soldiers (many no more than teenagers) were sent to their deaths believing, and the one that places you at the heart of an aerial bombardment complete with sensory effects. (Iran Holy Defense Museum, s.d.)

Há, aqui e ao contrário do que acontece no Museu da Paz, um repositório atualizado de soluções museográficas e tecnológicas: textos, elementos gráficos, hologramas, dioramas, simuladores, ecrãs digitais, projeções de vídeo, efeitos sonoros. O objetivo de criar uma experiência imersiva envolve o todo o equipamento numa exaltação temática da guerra (bancos e os pilaretes das baias em forma de obuses) que se prolonga na loja do museu.

Bancos (em primeiro plano) e pilaretes das baias (ao fundo) em forma de obuses
Teerão, Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018
Loja do museu
Teerão, Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018

No entanto, apesar do esmero na conceção de um espaço de estética contemporânea, também aqui se repete a mesma perturbação, aquele peso que nos oprime, sentida no Museu da Paz. A pretexto da paz ou da guerra, é a mesma sensação de horror e a mesma incredibilidade face a um discurso que se desvia do fio condutor para encontrar outras retóricas.

Entre a paz e a guerra, regista-se aqui também o confronto de duas museologias, entre o analógico  (apesar de alguma tecnologia) e o digital (apesar de algumas instalações com objetivos estéticos). Embora, ambos os museus nos provoquem a mesma perplexidade e muita inquietação. Não são museus aprazíveis, mas muito perturbadores.

Dois museus entre a paz e a guerra

Referências:
Daftari, A. (2017, 2 abr.) Holy Defense Museum in Tehran: Iran’s war memorial for the digital age. CNN Travel. Acedido em https://edition.cnn.com/travel/article/iran-holy-defense-museum/index.html
Iran Holy Defense Museum. (s.d.) Lonely planet. Acedido em https://www.lonelyplanet.com/iran/tehran/attractions/iran-holy-defense-museum/a/poi-sig/1561274/361025
Peterson, S. (2007, 24 dez.). Iran’s Peace Museum: The reality vs. the glories of war. The Christian Science Monitor. Acedido em https://www.questia.com/newspaper/1P2-32632408/iran-s-peace-museum-the-reality-vs-the-glories-of

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Dois museus entre a paz e a guerra," in a.muse.arte , 2020/01/11, https://amusearte.hypotheses.org/5294.
  1. A data foi escolhida por o Dia da Campanha contra Armas Químicas e coincidir com o 24.º aniversário do ataque com gás em à cidade de Sardasht, no noroeste do Irão, e com. Para os iranianos, Sardasht é um símbolo do uso extensivo de armas químicas pelo Iraque na guerra contra o Irão. []
  2. A borboleta, atraída pela luz que a queima e mata, tornou-se uma metáfora dos mártires que, movidos pelo ideal patriótico, voluntariaram para a guerra, onde acabaram por morrer. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.