Árvore de Natal, árvore da vida e do renascimento

Desde o antigo império persa, o cipreste é a árvore da vida, símbolo da eternidade e da imortalidade, devido à qualidade da madeira, durável e indestrutível, e da folhagem perene1, cujos óleos eram usados no combate à peste (Farahmand, 2020). A importância do cipreste na cultura persa está registada na representação dos desfiles processionais gravados nos palácios de Persépolis, ou jardins desenhados nas miniaturas persas (Dehkordi, 2017).

Jardim persa com cipreste
Miniatura em: Bayasanghori Shâhnâmeh (Livro dos reis), de Ferdowsi Tousi, 1430.
Fonte: Wikimedia Commons

Adding the rows of cypress trees adorning the walls of Persepolis, depicted under the guard of Persian soldiers, to the cypress trees remaining from the Islamic period, one better realizes the eternality of the cypress tree in Iranian culture, and becomes even more eager to discover the secret of this eternality. (Yazdkhasti, 2019, 20 Dec.)

Na antiga mitologia iraniana, o cipreste é uma das árvores que permite alcançar a eterna juventude: no texto primacial do zoroastrismo, Avesta, Zoroastro aponta para o cipreste, apelidando-o de árvore celestial e, numa descrição próxima do paraíso terrestre no Génesis bíblico, afirma que as suas folhas conferem o conhecimento, enquanto quem comer dos seus frutos se torna eterno. A palavra “paraíso” deriva do termo persa “pardis”, para designar um jardim fechado, normalmente cercado por ciprestes.

O cipreste está, também, associado ao culto solar: “Zoroastrian religion cypress is special tree of sun and birth and it is ever green and fresh tree stable against coldness and darkness. So there was a symbol of sunshine and life giving and sign of eternality and liberty and stability against dreadful forces” (Hadadi, Adelzadeh, & Jabari, 2012, p. 475). Por isso, numa tradição que remonta à era arsácida, em meados do século III a.C., a “Yalda”, a noite mais escura e mais longa do ano era celebrada junto a ciprestes decorados e iluminados, à volta dos quais eram deixados presentes (Hadadi et al., 2012). “Yalda” é uma palavra sírica importada para a língua persa, que significa nascimento, e na religião mitraísta Yalda designa o nascimento de Mitra. O culto solar propagou-se pela Ásia Menor, Médio Oriente e norte de África, atingindo as zonas mediterrânicas sob a influência das culturas grega e romana.

Celebração da noite Yalda
Miniatura in: Layla Majnun (cópia mogol), 1557-58
Londres, Bristish Library

O povo iraniano celebra a noite de Yalda a 21 de dezembro (Yazdkhasti, 2019, 20 Dec.). Reúnem-se em família ou em grupos de amigos, e festejam comendo nozes, melancia e romãs, frutas que restavam do último verão e cuja cor vermelha evoca as tonalidades do sol nascente e, por conseguinte, o renascimento. Ficam acordados para enfrentar as forças do mal, dominantes nessa noite, enquanto aguardam o dia seguinte em que Mitra domina.

Se a festa do nascimento de Cristo, no mundo ocidental, é uma persistência do culto solar a Mitra no solstício de inverno, o cipreste enfeitado de romãs é a imagem que inspira a árvore de Natal, uma árvore verde decorada com bolas vermelhas.

Referências bibliográficas:
Dehkordi, S. A. Studying the role and symbolic meanings of cypress tree in miniatures of “Shahnameh Tahmasbi”. Bagh-e Nazar, 13(45), 112-103.
Farahmand, H. (2020). The genus Cupressus L.: Mythology to biotechnology with emphasis on Mediterranean cypress (Cupressus sempervirens L.). Horticultural reviews, 47, 213-288. doi: 10.1002/9781119625407.ch5 
Hadidi, K., Adelzadeh, P., & Jabari, A. (2012). Survey on the status of cypress in Iran myths. Journal of Applied Environmental and Biological Sciences, 2(9), pp.475-479.
Roque, M. I. (2014, 24 dez.). A festa do Natal. A-muse-arte (blog). Acedido em https://amusearte.hypotheses.org/801
Roque, M. I. (2016, 27 dez.). Tradições de Natal. A-muse-arte. Acedido em https://amusearte.hypotheses.org/1659
Yazdkhasti, N. (2019, 20 Dec.).  The origin of the Christmas tree. Encountering with heritage (blog). Acedido em https://museumatter.blogspot.com/2019/12/for-iranians-cypress-persian-sarv-is.html

  1. Sendo uma árvore sempre-viva, tornou-se um símbolo de longevidade e de eternidade, o que a justifica nos cemitérios como sinal de crença na vida após a morte. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.