O urinol, a sanita, uma banana e fita-cola: a arte que se destrói a ela própria

Em 1917, Marcel Duchamp (ou Elsa von Freytag-Loringhoven1 expôs um urinol, em posição invertida e, portanto, destituído de função, assinado “R. MUTT” e datado “1917”.

Fonte
Marcel Duchamp, 1917
Foto: Alfred Stieglitz, 1917

Duchamp foi o pioneiro do Dadaísmo, cujo principal mérito terá sido o de forçar a questão acerca da definição de arte e o debate entre arte e conceito. Porém, o efeito contraditório é que o conceito tem vindo a sobrepor-se à arte, sem que se definam os campos próprios das artes plásticas, performativas e conceptuais, para lá das inevitáveis (e vantajosas) interconexões.

Maurizio Cattelan, artista italiano cuja fama tem sido alcançada através das suas esculturas satíricas, intencionalmente controversas e provocatórias e que ultimamente se assume como “curador”, estende a sua ação enquanto criador à forma de expor. No passado mês de setembro, foi notícia quando uma sanita de sua autoria, feita em ouro 18 quilates e intitulada “America”, foi arrancada do sítio onde estava exposta (e em funções) no Palácio de Blenheim, Inglaterra, naquele que foi considerado um dos roubos mais espetaculares (no sentido literal, de ato performativo) dos últimos tempos.

“América”
Sanita em ouro, instalada para uso público, no Blenheim Palace
Foto: Evening Standard, 2019

Agora foi novamente notícia por ter exposto, na feira de arte contemporânea Art Basel (5-8 dez.), em Miami Beach, na parede exterior da galeria Emmanuel Perrotin, a obra “Comediante” que, segundo ele, representava o comércio global: uma banana madura presa à parede por uma tira de fita-cola cinzenta, em tela de alta resistência, utilizada para fechar encomendas. A obra foi vendida, durante a feira, por 120.000 dólares. Porém, no dia 7, foi simplesmente comida por outro artista, o nova-iorquino David Datuna, que documentou a ação, a que apelidou de performance, intitulada “Artista com fome”, registando-a numa trilogia de vídeos que publicou na sua conta de Instagram.

David Datuna com o que restou da obra “Comedian”, depois de ter comido a banana
Foto: Eva Uzcategui/Reuters

No The Guardian, Jonathan Jones (2019, 9 dez.) confirma que ainda ninguém acusou Cattelan de contratar Datuna para comer sua arte – o que, já de si, levanta uma suspeita –, lembrando que se desconfiou que tenha sido ele a encomendar o roubo da sanita de ouro.

A descrição da “obra” de Cattelan, a referência à banana como analogia de produto de importação-exportação e à fita-cola como referência às encomendas do comércio global, torna-se uma estratégia patética de a justificar, ou enfatizar, como “obra de arte” e como “conceito”. A avaliar pelas filas de visitantes que aguardavam a vez para tirar uma selfie junto à obra, num fenómeno idêntico ao que ocorre no museu do Louvre, junto à Mona Lisa, o público perceciona-a como obra de arte. A procura arbitrária do significado, atribuindo um sentido (signo), a que, por sua vez, se associa um conceito, transformando a obra em signo (significação) foi a forma como Roland Barthes (1957) descreveu a criação do mito.

Público junto à obra “Comedian” de Maurizio Cattelan, na Arte Basel Miami, depois de a banana comida por Datuna ter sido substituída
Foto: Eva Uzcategui/Reuters, 2019

David Datuna estava numa dessas filas, mas, ao invés de tirar a selfie, arrancou a fita-cola, agarrou a banana, descascou-a e comeu-a. Conferiu-lhe um valor adicional, material e simbólico. Não danificou a”obra” que era acompanhada por um certificado de autenticidade, autorizando a substituir a banana quando necessário. Ou seja, o comprador adquire o certificado, o documento que descreve a ideia, não o objeto que, sendo perecível, é necessariamente, substituível. Conforme disse Lucien Terras, relações-públicas da galeria Perrotin: “He did not destroy the art work. The banana is the idea” (Terras, cit. in Cohen, & Morrissey, 2019, 7 dec.). Efetivamente, a “obra” foi refeita, mas retirada em seguida por questões de segurança. No espaço deixado em branco, um grafiteiro escreveu a frase “EPSTEIN [sic] DIDN’T KILL HIMSELF”. Em contrapartida, talvez a arte se esteja a matar a ela própria.

Imagem: https://twitter.com/GiancarloSopo

Referências bibliográficas:
Barthes, R. (1957). Mythologies. París: Seuil.
Cohen, H., & Morrissey, S. (2019, 7 dec.). Someone ate the $120,000 banana at Art Basel: Some quick thinking saved the day. Miami Herald. Acedido em https://www.miamiherald.com/entertainment/visual-arts/art-basel/article238148809.html
Freytag-Loringhoven, E., Gammel, I., & Zelazo, S. (2016). Body sweats: The uncensored writings of Elsa von Freytag-Loringhoven. Cambridge, MA: The MIT Press.
Jones, J. (2019, 9 dez.) The art world is bananas: That’s what Maurizio Cattelan’s been saying all along. The Guardian. Acedido em https://skystatement.com/the-art-world-is-bananas-thats-what-maurizio-cattelans-been-saying-all-along/

  1. Numa carta endereçada à irmã, Duchamp sugere ter sido uma amiga quem, sob o pseudónimo de Richard Mutt, a autora da obra Fonte, datada de 1917 e apresentada na Society of Independent Artists em Nova Iorque. Esta amiga seria Elsa von Freytag-Loringhoven (1874-1927), tal como é sugerido por Irene Gammel e Suzanne Zelazo (Freytag-Loringhoven, Gammel, & Zelazo, 2016). []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.