A vida de Calouste Gulbenkian em exposição

Exposição “Calouste: uma vida, não uma exposição”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 23 mar. – 31 dez. 2019

Calouste Sarkis Gulbenkian nasceu a 23 de março de 1869, perto de Istambul, na Turquia Otomana, no seio de uma família de ricos comerciantes e filantropos arménios. Os 150 anos do seu nascimento coincidem com os 50 anos do Museu Calouste Gulbenkian, inaugurado em outubro de 1969, de acordo com as disposições testamentárias de Gulbenkian relativas à sua vastíssima coleção de arte. No âmbito desta dupla comemoração, o museu organizou uma exposição sobre Calouste Gulbenkian, comissariada por Paulo Pires do Vale, traçando uma cronologia da sua vida numa sequência retrospetiva que inicia na construção do museu, no cruzamento entre o homem e a obra póstuma do seu legado.

Calouste Sarkis Gulbenkian em jovem
Fotógrafo: [s.n]
[s.L.], [s.d.]
Lisboa, Arquivos Gulbenkian PT FCG FCG:CSCA-S001/01-FOTO00001

O título da exposição remete para a postura reservada que Gulbenkian assumiu ao longo de toda a vida. Não se expõe o homem que não queria exposição, mas alguns dados cronológicos que, de forma fragmentada e aberta, compõem a sua biografia. São facetas da vida do homem, da família onde nasceu e da que constituiu, das suas raízes, do homem de estudos e de cultura, do amante da natureza, do hipocondríaco, do empresário, do filantropo, do colecionador de arte. Junto ao rodapé, a meio ou no topo das paredes, em longas linhas horizontais, são registadas breves notas cronológicas (data, acontecimento) que estruturam o discurso expositivos.

O livro de atas aberto no registo da primeira reunião do Conselho de Administração da Fundação, enquadrado pelas imagens ampliadas da construção da sede, constitui o introito desta ligação entre Gulbenkian e a sua Fundação homónima.

Livro de atas da Fundação enquadrado por imagens da construção do edifício
Cronologia
1955 – ano da morte de Calouste Gulbenkian: ao centro, telegrama com a notícia da morte Exposição “Calouste” Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian Fotos: MIR, 2019

Ao lado, o telegrama da filha, Rita, ao irmão, Nubar, comunicando a notícia da morte do pai, a 20 de julho de 1955, abre a exposição que, em seguida, apresenta os espaços da sua vida doméstica: o Hotel Aviz, onde se instalou após a sua chegada a Lisboa, em 1942, fugindo dos cenários europeus da Segunda Guerra Mundial; o jardim Les Enclos que criou na Normandia, em 1937; as residências em Paris e em Londres.

1942 - a chegada a Lisboa
1942 – a chegada a Lisboa
1937 – criação do jardim Les Enclos, na Normandia
Residência na Avenue d’Iéna, em Paris, e projeção de obras da coleção
Logótipos e símbolos das empresas de petróleo, gás e mineração
Exposição “Calouste”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Fotos: MIR, 2019

Ao longo do percurso, muito marcado pela presença de registos fotográficos, há objetos que criam uma conexão analógica com o tempo biográfico e os seus episódios, como as malas Louis Vuitton a evocar a chegada a Lisboa ou a radiografia da coluna em referência às suas constantes preocupações com a saúde, ou documentos anotados do universo quotidiano mais pessoal e íntimo, como os diários de viagens, desenhos, postais e fotografias. As opções de enquadramento são igualmente variadas, adaptando a linguagem ao conteúdo, como acontece nos logótipos e símbolos das empresas de petróleo, gás e mineração em que Calouste Gulbenkian detinha participações e cuja identidade visual é marcadamente pop.

Há momentos em que a museografia se torna a protagonista do discurso, ultrapassando a condição de suporte ou de enquadramento. É o caso da moldura, com o foco de luz a incidir sobre o espaço vazio como se este fosse a obra emoldurada.

Moldura vazia
Exposição “Calouste”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2019

A moldura, com as dimensões exatas da pintura La Condesa de Chinchón, de Goya1, que Calouste Gulbenkian quis adquirir para a sua coleção sem o ter conseguido e que marca, aqui, o lado insatisfeito do colecionador, a ambição que nunca é inteiramente cumprida. A par de A rua Saint Vincent em Montmartre, de Stanislas Lépine, a última obra de pintura adquirida por Calouste Gulbenkian, em 1953, e que documenta a coleção em representação de todas as outras existências coletadas, este vazio é a marca das ausências que também definem e caraterizam a identidade da coleção e do seu colecionador.

Noutras alturas, o aparato expositivo assume referências a outras museografias. A apresentação do álbum fotográfico da família, em impressões fac-similadas, reproduz a exposição “Working drawings and other visible things on paper not necessarily meant to be viewed as art” (Nova Iorque, Visual Arts Gallery, School of Visual Arts, 1966), na qual Mel Bochner compilava páginas de cadernos e desenhos inseridos em capas plásticas reunidas em dossiers de argolas.

Álbum de família
Cópias impressas, 2019
Exposição “Calouste”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2019
Working drawings and other visible things on paper not necessarily meant to be viewed as art
Mel Bochner, 1966
Nova Iorque, Visual Arts Gallery, School of Visual Arts

A peça seminal, a mais pequena e aquela com maior cariz simbólico por se tratar do estáter (moeda grega, em prata, datada de c. 400-330 a.C.), com a cabeça de Zeus, comprada por Calouste Gulbenkian num mercado de Istambul com o primeiro dinheiro recebido do pai e que marca o início da coleção, é apresentada numa recriação da instalação The sound of silence2 de Alfredo Jaar, apresentada em 2006 na Brighton Photo Biennial 2006 Fabrica3 apresentada em 2011, na Galerie Kamel Mennour, em Paris, na qual uma pequena foto era iluminada por vários iluminadores de fotografia, sublinhando o contraste entre a pequenez formal da peça e a grandeza da simbologia que lhe está associada.

Estáter
C. 400-330 a.C.
Exposição “Calouste”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2019
The Sound of Silence
Alfredo Jaar, 2006
Exposição na Galería Patricia Ready, Santiago, Chile, 2015

O discurso museológico é pontuado por silêncios, por espaços em branco, pelo isolamento de pequenos objetos ou documentos. Estas interrupções acentuam o caráter fragmentário da biografia de um homem que não queria ser exposto, mas que, ao mesmo tempo, convoca o visitante a entrar no espaço íntimo das suas casas, dos seus objetos, das suas ambições e – até – dos seus receios e frustrações.

Cartões de visita de Calouste Gulbenkian
Exposição “Calouste”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2019

Este convite ao visitante fica expresso no cartão de visita que é possível recolher junto às plantas e à grande ampliação fotográfica do salão da sua casa em Paris. Um convite a conhecer as várias facetas do homem, cujo retrato em quatro variações cromáticas numa recriação de Warhol é também oferecido no final da exposição, num cartaz que, no verso, reproduz a cronologia da exposição.

Cartazes com retrato de Calouste Gulbenkian (verso) e a cronologia da sua vida (reverso), colocados à disposição dos visitantes
Exposição “Calouste”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2019

É, precisamente através destes excertos cronológicos, da obra póstuma à alusão da cultura arménia de origem que se constrói a vida do homem, deixando perceber que, intencionalmente, é mais o que se esconde do que aquilo que é exposto. A obra fica aberta, cabendo a cada um desvendar a vida para lá da exposição, a partir das pistas que aqui são sugeridas.

No átrio, no espaço que antecede a exposição, três postos multimédia apresentam vídeos com testemunhos de públicos das exposições ou dos espetáculos, de bolseiros, ou daqueles que usufruíram dos espaços da Fundação, incluindo os casais de namorados4.

Fontes das imagens:
Retrato de C. Gukbenkian jovem: https://www.flickr.com/photos/biblarte/27866111100/in/photostream/
Obra de Mel Bochner: http://www.melbochner.net/exhibitions/working-drawings/
Obra de Alfredo Jaar:  http://artishockrevista.com/2014/12/21/alfredo-jaar-exhibe-chile-emblematica-obra-the-sound-of-silence/

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "A vida de Calouste Gulbenkian em exposição," in a.muse.arte , 2019/11/25, https://amusearte.hypotheses.org/4407.
  1. Esta obra encontra-se atualmente no Museu do Prado, em Madrid. []
  2. A instalação de Alfredo Jaar toma como objeto a história de Kevin Carter, fotógrafo sul-africano que, em 1994, ganhou o Prémio Pulitzer, com um impressionante conjunto de fotografias sobre a fome na África, e que se suicidou logo depois de ter recebido o prémio.cometeram suicídio logo após serem premiadas. []
  3. O artista retomou este modelo no projeto A hundred women, de que faz parte a instalação Three Women ( Graça Machel, Ela Bhatt, e Aung San Suu Kyi. []
  4. Afinal, como eu que digo ter um banco neste jardim, onde começou a mais importante e duradoura história da minha vida. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.