As selfies, o corpo e a vergonha

No passado dia 21 de setembro, as esculturas de Stéphane Simon expostas na sede da Unesco, em Paris, durante as Jornadas do Património, surgiram com a nudez tapada por uma tanga ou por umas cuecas.

“In Memory of me”
Paris, Unesco, 21-22 set. 2019
Foto: Eric Taverne Pro, 2019 / Facebook: https://www.facebook.com/inmemoryofmeparis/

Stéphane Simon tinha sido convidado pela Unesco a expor várias das suas esculturas feitas a partir de tecnologia de impressão 3D, mas respeitando as técnicas tradicionais da escultura. e inspiradas na arte clássica grega: corpus nus, à escala natural, na posição de quem está a tirar uma selfie.

“In Memory of me”
Foto do projeto, s.d. / Facebook: https://www.facebook.com/inmemoryofmeparis/

As esculturas fazem parte do projeto artístico “In memory of me”, desenvolvido pelo artista entre 2012 e 2018, como uma reflexão acerca do impacto da revolução tecnológica nos comportamentos humanos e ao aparecimento de um novo reportório de gestos, onde o telemóvel, enquanto fenómeno de massas, ocupa o lugar de atributo universal da humanidade, globalmente aceite e reconhecido (Simon, 2018).  Na exposição da Unesco, a presença de roupa íntima tornou inviável a aplicação da tecnologia de realidade virtual, mediante a qual, os espetadores, apontando os telemóveis para as obras, viam nos respetivos écrans as esculturas cobertas por motivos vegetalistas.

“In Memory of me”
Paris, Unesco, 2019
Foto do projeto, 2019 / Facebook: https://www.facebook.com/inmemoryofmeparis/

O excesso de pudor foi denunciado pela jornalista Sophie Coignard (2019, 14 out.) no jornal Le Point, referindo que a organização das Jornadas havia recorrido a estas coberturas para não ferir certas sensibilidades. Tanto a ação, como a sua justificação, ambas foram amplamente difundidas nas redes sociais, com reações entre júbilo, surpresa, compreensão ou indignação.

Reação no Twitter
Christophe Legrand, 26 out. 2019
https://twitter.com/Limportant_fr/status/1187916784726347777

Uns (poucos) louvam a boa intenção desta censura, considerando-a uma forma de respeito face àqueles cuja cultura os leva a esconder o corpo; outros condenam a censura, considerando-a um desrespeito para com a liberdade criativa da artista; outros, ainda, enquadram este assunto na controvérsia sobre o véu islâmico. Numa primeira reação, à CheckNews, do jornal Libération, Stéphane Simon confirma a questão da nudez: “La question de la nudité des statues a été abordée. Je comprends qu’elle puisse déranger. Alors j’ai proposé de rester, pendant les journées du patrimoine, à proximité avec un linge et, si besoin, en fonction des visiteurs, de cacher le sexe des statues” (Simon, cit. in Leboucq, 2019, 27 out.). No entanto, a Unesco alega não ter compreendido esta opção como circunstancial, supondo que a genitália das esculturas estaria coberta de forma permanente. Terá havido um conflito entre o encomendador e o artista que acabou por culminar na cedência deste que se resignou a vestir as esculturas. O artista teria proposto estar, ele próprio, no espaço da exposição e cobrir pontualmente as esculturas quando algum visitante se manifestasse ofendido, mas a proposta não foi aceite. Mais tarde, depois de toda a polémica se ter tornado pública, o gabinete da diretora geral da Unesco, Audrey Azoulay, veio escusar-se através de um alegado mal-entendido, recusando qualquer pressão e responsabilidade no assunto e afirmando que “Si le sujet nous avait été remonté, on aurait dit à l’artiste qu’il pouvait, s’il le souhaitait, ne pas mettre de cache-sexe” (cit. in Leboucq, 2019, 27 out.). Entretanto, ao Le Figaro, um representante da Unesco acrescenta que “Quelques heures avant l’événement, la personne de l’Unesco [responsável pela exposição] s’est figée dans sa position de couvrir les statues, sans doute dans le stress de l’événement avec de multiples aspects à gérer” (cit. in Cannone, 2019, 31 out.). Um não-assunto, portanto.

“In Memory of me”: visita guiada para colecionadores da bienal Révélations
Paris, Grand Palais, 4-8 maio 2019
Foto do projeto, 2019 / Facebook: https://www.facebook.com/inmemoryofmeparis/

Não parece, porém, que este seja um não assunto, nem sequer um assunto menor. É, pelo menos, mais um sinal indicativo da censura velada que vem sendo referida no seio dos museus e na elaboração dos seus discursos (vd. Roque, 2018, 12 fev.). Neste caso e apesar de todas as justificações e escusas, a intervenção institucional da Unesco, é bem mais do que isso, dado que a censura tem a intervenção da Unesco. Além disso, não deixa de ser perturbador a constatação de que esta censura tem a ver com o corpo. Quando parecia que a sociedade ocidental se encaminhava para uma relação mais natural e assumida com o corpo, no sentido de uma progressiva desinibição, quando se assiste a uma efetiva perda do sentido da privacidade e da reserva do espaço íntimo, quando as revoluções sociais da década de 1960 prometiam um novo imaginário acerca da fisicalidade e da sexualidade, eis que surgem novas formas de pudor, retomando a consciência do pecado original.

Mary Douglas (2015, vd. cap. 5, “The two bodies”) distingue o corpo social do corpo físico, estabelecendo que o primeiro determina a forma como o segundo é percecionado. A experiência física do corpo é modificada pelas categorias sociais, ao mesmo tempo que fundamenta o quadro cultural de uma sociedade e define padrões comportamentais. Nesse sentido, as pressões sociais sobre o corpo físico, a sua manipulação e, em particular, sobre a sua aparência e visibilidade – o que é mostrado e como é mostrado – refletem os padrões culturais de uma sociedade e os mecanismos de controle. Por isso, estas ocorrências de censura, cuja persistência permite a configuração de um fenómeno, sejam indícios de uma evolução social a exigir uma reflexão exaustiva. Parecem atos dispersos e incipientes, a raiar o anedótico, mas diz-nos a história recente que esta é a forma mais eficiente de se implantar uma ditadura e a mais perigosa das censuras.

Referências: 
Cannone, R. (2019, 31 out.). Statues en string: l’Unesco reconnaît une «lourde erreur» liée à un «excès de zèle». Le Figaro. Acedido em https://www.lefigaro.fr/arts-expositions/statues-en-string-l-unesco-reconnait-une-lourde-erreur-liee-a-un-exces-de-zele-20191031
Coignard, S. (2019, 14 out.). L’Unesco et les cache-sexes. Le Point. Acedido em https://www.lepoint.fr/editos-du-point/sophie-coignard/coignard-l-unesco-et-les-cache-sexes-14-10-2019-2341079_2134.php
Douglas, M. (2015). Natural symbols: Explorations in cosmology (3.ª ed.). London: Routledge.
Leboucq, F. (2019, 27 out.). L’Unesco a-t-elle caché le sexe de statues exposées dans ses locaux à Paris en leur mettant des slips ?. Libération. Acedido em https://www.liberation.fr/checknews/2019/10/27/l-unesco-a-t-elle-cache-le-sexe-de-statues-exposees-dans-ses-locaux-a-paris-en-leur-mettant-des-slip_1759776
Roque, M. I. (2018, 12 fev.). Imoral censura: o que se pode, ou não pode ver no museu. A.muse.arte. Acedido em https://amusearte.hypotheses.org/2174.
Simon, S. (2018). “In Memory of me”: Vers un nouveau catalogue de gestes. Acedido em https://cdn.shopify.com/s/files/1/0062/3411/2053/files/Presentation_resumee_Oeuvre_In_Memory_of_me_-_vers_un_nouveau_catalogue_de_gestes_-_Stephane_Simon_2018.pdf?12372800017394658601

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "As selfies, o corpo e a vergonha," in a.muse.arte , 2019/11/11, https://amusearte.hypotheses.org/4045.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.