Ponto de vista do colecionador

Exposição “Maria do Céu e Luís Pereira de Sampaio: Uma colecção em foco
Lisboa, Fundação Medeiros e Almeida, 5-28 fev. 2019

Uma coleção é a imagem do colecionador, através da qual desvenda o universo íntimo de quem a constrói, os seus gostos e as suas obsessões. Reflete, também, a vontade de viver rodeado pelos objetos em que fixa o gosto pessoal, num desígnio de acumulo, mas também o desejo de deixar uma marca e perpetuar-se numa ação que o transcende. A coleção é, por conseguinte, um microcosmos privado do colecionador e uma janela aberta sobre a sua alma. Mas é também e por isso mesmo um risco. E um risco que se amplia quando se expõe ao escrutínio externo, sujeitando-a ao juízo e ao parecer dos outros.

Exposição: entrada
Lisboa, Casa-Museu Medeiros e Almeida
Foto: MIR, 2019

Esse risco é plenamente assumido nesta exposição, mostrando a coleção Pereira de Sampaio numa representação analógica do ambiente familiar dos seus promotores. A coleção foi iniciada a partir do casamento de Maria do Céu e Luís Pereira de Sampaio, em 1953, e tem vindo a ser estudada e promovida pelo filho Jorge Pereira de Sampaio, como fica patente na mostra documental que encerra a exposição. É, assim, um universo da família que se deixa espreitar ao longo das salas da Fundação Medeiros e Almeida. Embora a maioria das peças expostas seja cerâmica, com particular destaque para os exemplares do século XVIII, da Real Fábrica do Juncal, da Fábrica de Domingos Vandelli ou da Real Fábrica do Cavaquinho, o gosto eclético e singular dos colecionadores é testemunhado pelas colchas de chita, pela tapeçaria flamenga, pela pintura e escultura religiosas, pelas figuras de porcelana e peças de joalharia, ou pela pintura contemporânea portuguesa e brasileira, ou ainda as referências a Inês de Castro, entre as quais a relíquia dos seus cabelos.

Vistas da exposição
Lisboa, Casa-Museu Medeiros e Almeida
Fotos: MIR, 2019

Referências a Inês de Castro
Lisboa, Casa-Museu Medeiros e Almeida
Fotos: MIR, 2019

Apesar das semelhanças que se adivinham com o espaço doméstico, através das chitas e tapeçarias que se suspendem das paredes, dos pratos numa disposição de escaparate, das fotografias e memoralia, este é um trabalho museológico levado a cabo pela curadoria sensível de Joana d’Oliva Monteiro. Ao lado das encenações das salas de família, há objetos em vitrinas, quadros suspensos da parede numa sequência linear, esculturas em plintos, tabelas e textos na parede, sem ofuscar esse ambiente intimista – onde os defeitos da iluminação ganham um propósito. Não é uma narrativa exaustiva desse espaço, mas a sua representação, funcionando como a síntese de um gabinete de colecionador, garantindo a presença da individualidade para lá da evidência das suas escolhas. Mais do que expor a coleção, sente-se a vontade de partilhar o universo dos seus colecionadores. Também nesta particularidade reside mérito, por mostrar uma forma embrionária da museologia, chamando a atenção para o gesto de colecionar que lhe está na origem.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.