Os olhos escutam

Exposição “Os olhos escutam”
Lisboa, Universidade Católica Portuguesa, Galeria Fundação Amélia de Melo, 1 fev. – 30 abr. 2019

Esta é a primeira exposição de uma galeria de arte instalada numa universidade, numa iniciativa que se afigura inédita.

Exposição: entrada
Lisboa, UCP – Galeria Fundação Amélia de Melo
Foto: MIR, 2019

A palavra, não como complemento, mas como objeto da obra visual (e conceptual), é o elemento fulcral, nuclear, desta exposição, sugerindo que esta se deixe escutar pelo olhar. Num espaço académico, em plena sintonia com o lugar onde Platão conferenciava com os seus discípulos, o conhecimento adquire-se através da palavra, da comunicação e do debate das ideias. É nesse sentido que a opção se torna óbvia, não apenas pela palavra que é convocada, mas pelo confronto que suscita entre as obras expostas. De resto, isso está explícito nas palavras do curador, Paulo Pires do Vale, no texto do folheto que acompanha a exposição:

“Na primeira exposição da Galeria da Universidade Católica Portuguesa, lugar onde se usa a palavra para ensinar, onde se reflecte sobre textos e se criam novos discursos críticos capazes de compreender e alterar o mundo, expomos obras de artistas de diferentes gerações, que propõem, com meios muito distintos, uma relação com a escrita, com a palavra, com o livro.” (Vale, 2018, s.p.)

Por outro lado, a identidade desta universidade passa pela sua matriz católica, sendo inevitável a apreensão da referência bíblica à palavra (ou logos, em grego), enquanto força criadora, tal como é descrita no Evangelho de São João: “No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra é Deus” (Jo 1:1). Ao longo do texto de São João, o Logos primacial toma um sentido cristológico, dado que o “Verbo de Deus” encarna em forma humana, tornando-se o eixo da doutrina cristã e católica. O curador amplia este sentido, tornando-o circular: “Se no princípio era o Logos, e essa Palavra se fez carne, então também a carne tem que se fazer palavra. Dizer-se. Escrever-se” (Vale, 2018, s.p.).

Vista geral da exposição
Lisboa, UCP – Galeria Fundação Amélia de Melo
Foto: MIR, 2019

O espaço da galeria é neutro, adequado à função expositiva, mas reduzido e convencional, de planta retangular e pé direito alto. Pequena caixa opaca, sem vãos para lá da abertura da entrada. Uma cortina funciona como divisória do espaço do (mini-)auditório. As caraterísticas do espaço são condicionantes da exposição e acarretam riscos, entre o vazio e o excesso. No entanto, aqui, o difícil equilíbrio entre ambos foi conseguindo. Se permite a imediata apreensão de todas as obras expostas, logo, a partir da entrada, propiciando a criação de conexões visuais, também consente a perceção individual de cada uma e a introdução de pausas num percurso que é, necessariamente, exíguo.

O título da exposição cita a obra de Paul Claudel, L’œil écoute (19461), onde o poeta usa a obra de arte como um pretexto para uma elaborar uma exegese espiritual através do texto.

Para Claudel, a perceção visual cumpre-se através de uma tomada de consciência mística, qual “buraco no real”, a fenda que se abre através da arte, para dar lugar ao horizonte dourado do sonho, íntimo e subjetivo. Tal como nos indica a “Golden Sentence” de Dora García, em letras firmadas a folha de ouro, na frase que ocupa, isolada, a parede de fundo da exposição.

Golden sentence II: Il y a un trou dans le réel. = Há um buraço no real.
Dora García, 2005-2014
Lisboa, UCP – Galeria Fundação Amélia de Melo
Foto: MIR, 2019

Da autoria desta artista espanhola é também o vídeo “Joyecean society” (2013), um documentário sobre um grupo de leitura formado em torno da obra Finnegans Wake de James Joyce, que recebeu o premiado com o 45ème Prix International d’Art Contemporain e aqui é apresentado em visão integral (53’).

A evocação da obra de Joyce passa também pela animação Ulysses, da dupla brasileira (Angela) Delanico & (Rafael) Basin, respetivamente semióloga e designer gráfico, que têm vindo a desenvolver uma linguagem conceptual repleta de citações literárias. Aqui, as 732 páginas da obra Ulysses são rápida e sucessivamente projetadas sobre um perfil em marcha.

Ulysses
Delanico & Basin, 2017
Lisboa, UCP – Galeria Fundação Amélia de Melo

Na parede em frente, um conjunto de obras de Corita Kent (ou Sister Mary Corita) inicia com “Welcome O’life”, novamente uma citação de Joyce (A portrait of the artist as a young man) e, também novamente: “Welcome, O life! I go to encounter for the millionth time the reality of experience and to forge in the smithy of my soul the uncreated conscience of my race”. A frase com que, no fim do livro de Joyce, Stephen marca o início da rutura voluntária e autoimposta com a família, a Irlanda, a Igreja e com o próprio passado surge quase um eco, ou uma variante, da “Golden Sentence” de Dora García.

Serigrafias (13)
Corita Kent, 1962-1976
Lisboa, UCP – Galeria Fundação Amélia de Melo
Foto: MIR, 2019

Estão expostas treze serigrafias de Corita Kent, datadas das décadas de 1960 e 1970, numa altura em que o seu trabalho assume um cariz marcadamente político, onde a linguagem da estética pop-art, os cromatismos vibrantes e intensos, o uso abrangente de tipografias, as marcas da cultura de massas e do consumismo norte-americano, se combinam com multifacetadas citações literárias e religiosas. O texto é, aqui, uma marca da contracultura que, em Corita Kent, assume os contornos de uma religião alternativa2, onde, a par da sua inabalável fé no espírito divino, denuncia as injustiças e fragilidades do mundo contemporâneo. A seleção remete para um vasto leque de referências: citações do Livro dos Salmos (The heavens are yours, 1962), de Carl Sandburg (There is only one man in the world, 1967), ou de Anais Nin e Esther Harding (Seed persons, 1972); o discurso extemporâneo de Nehru acerca da morte de Gandhi ou o de Martin Luther King (King’s dream, 1969); a encíclica Populorum Progressio, de Paulo VI, através de um artigo serigrafado e outros excertos de Daniel Berrigan (Love at the end, 1969); ou a referência à canção Somebody to love, dos Jefferson Airplane (Come alive, 1967). Entrecruza-se, por conseguinte, nesta seleção, o universo do conhecimento que a universidade convoca, do direito aos estudos de género, dos estudos de cultura à filosofia e teologia.

Building blocks (past)
Fernanda Fragateiro, 2017
Lisboa, UCP – Galeria Fundação Amélia de Melo
Foto: MIR, 2019

Nas obras de Fernanda Fragateiro, a palavra está inacessível ou oculta. Em Building blocks (past) (2017), o conhecimento contido na The Caxton Encyclopedia está metaforicamente truncado e encerrado em encadernações cúbicas de aço inoxidável polido, refletindo o mundo exterior, sem permitir aceder ao seu conteúdo-interior. Em contrapartida, em Colors organized by thoughts, 1 (2014), oito cadernos encadernados em cores sólidas que, em conjunto, sintetizam o espetro visível, sobrepondo-se sem se tocar, numa disposição que, em certa medida alude ao formalismo e organização das pilhas minimalistas de Donald Judd, o texto é uma possibilidade que se oculta.

Colors organized by thoughts, 1
Fernanda Fragateiro, 2014
Lisboa, UCP – Galeria Fundação Amélia de Melo
Foto: MIR, 2019

Neste diálogo de referências e citações, o texto também se anuncia como labirinto nos “textos visuais” do século XVIII, como os inseridos na obra Oraçam academica, panegyrica, historica, encomiastica, profana-sacra (Cunha, 1743), ou os “labyrinthos cúbicos” II e III, compostos por Manoel Ferreira Leonardo no texto “Labyrinthos, que pelos títulos do Excelentissimo, e Reverendissimo Senhor D. Fr. Joseph Maria da Fonseca e Evora, Dignissimo Bispo do Porto,…”, inserido na obra Colecção dos aplausos, em prosa, e em verso (1745). Estes textos barrocos, do século XVIII, dialogam com as poesias concretas, ou gráficas de finais da década de 1960, através dos trabalhos de António Aragão e Silvestre Pestana compilados por E. de Melo e Castro, no n.º 2 da revista Hydra (1969).

A exposição completa-se com uma obra performativa Caminhando ando, de Tomás Cunha Ferreira, anunciada nos painéis de poliéster costurado pendidos à entrada. Neste eco, ressoam as restantes e fecha-se o discurso desta exposição.

Vista da exposição
Lisboa, UCP – Galeria Fundação Amélia de Melo
Foto: MIR, 2019

E é precisamente aqui que reside o principal desta exposição (quase apenas) de arte contemporânea: o discurso museológico que tem subjacente, sem prejuízo de se propor como uma meta-obra aberta, deixando a cada um a possibilidade de realizar uma leitura pessoal e subjetiva a partir das múltiplas conexões sugeridas, quer explícita, quer implicitamente. Nada parece estar aqui por acaso, mas para cumprir um propósito, por uma razão que justifica a presença. Saúda-se, por isso, a inteligente curadoria de Paulo Pires do Vale.

Mas também se felicita a coordenação de Paulo Campos Pinto que permite antever a linha de atuação e intervenção desta galeria, no cumprimento da univers(al)idade que antevíamos, convocando um conjunto variado de suportes, linguagens, expressões estéticas: artes plásticas e conceptuais; texto e imagem; instalação, animação, mídia; cronologias alargadas; artistas nacionais e estrangeiros. Compreende-se, assim, este espaço e esta exposição como uma extensão da missão da universidade, criando novas formas de expressão, de mediação e de interpelação. A intenção, presumida a partir desta exposição, afigura-se segura e premonitória.

As “palavras”, textuais ou visuais, tecem uma enorme e complexa rede onde se desenrola o pensamento e se adquire conhecimento. Abrindo um buraco no real, uma fresta na parede que nos encerra. Ou, como diz Mário Cesariny, no poema You are welcome to Elsinore, que fecha o texto no folheto da exposição:

“Entre nós e as palavras, os emparedados
e entre nós e as palavras, o nosso dever
falar”.

Referências bibliográficas:
Colecção dos aplausos, em prosa, e em verso, consagrados ao excelentissimo, e reverendissimo senhor D. Fr. Joseph Maria da Fonseca e Évora, dignissimo bispo do Porto, na chegada à sua Diocese… (1745). Lisboa: Na Regia Oficina Sylvania, e da Academia Real.
Cunha, F. (1743). Oraçam academica, panegyrica, historica, encomiastica, profana-sacra …. Lisboa: Na Oficina Alvarense.
Galerie Allen. (2018). Harness the sun: Celebrating 100 Years of Corita Kent. Acedido em http://www.galerieallen.com/en/galerie/presentation/0/la-galerie
Vale, P. P. (2019). Os olhos escutam (folheto da exposição). Lisboa: Universidade Católica Portuguesa.

  1. A edição original, de 1946, foi reformulada na versão de 1965, com as adições e reordenações introduzidas posteriormente. []
  2. Cfr. o texto da exposição comemorativa do centenário do seu nascimento de Corita Kent “Harness the sun: Celebrating 100 Years of Corita Kent”, na Galerie Allen (que cede as obras aqui expostas), em Paris (9 nov. – 22 dec. 2018). []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.