Ao alcance do nosso olhar: Projeto “Portugal: Arte e património”

Estão mais de três mil (3384 itens) obras do património cultural português no Google Arts & Culture. No âmbito do projeto “Portugal: Arte e património”, realizado em colaboração com o Ministério da Cultura e com a Direção-Geral do Património Cultural, 22 instituições museológicas1 sob a tutela do Estado permitiram que as suas obras fossem digitalizadas, pelo Google, usando o sistema Art Camera com tecnologia de alta resolução.

Foram selecionadas as obras mais relevantes em cada coleção. Não se conhecem, porém, os critérios que presidiram a esta seleção, mas é percetível a ligação à coleção exposta e às suas valências patrimoniais, artísticas e documentais.

A partir da página inicial do projeto, a pesquisa pode ser feita por coleção, explorando as obras a partir de uma grelha. São também sugeridas quatro grandes núcleos temáticos: “As pessoas”; “A arquitetura”; “As pinturas”; e “As artes”.

Aqui, os subtítulos parecem limitar-se a uma função mais apelativa e lúdica, do que informativa dos respetivos conteúdos: “Conheça as princesas, os poetas e os artistas”; ou, na arquitetura, “Desde ruínas romanas a mosteiros manuelinos”.

Em destaque editorial, são propostas 6 histórias: “10 pintores portugueses que tem de conhecer”; “Uma visita guiada pelos edifícios mais fantásticos de Portugal”; “10 curiosidades que desconhecia acerca de Portugal”; “Nove mulheres portuguesas pioneiras que tem de conhecer”; “Visita guiada pelo mundo com o poeta Luís Vaz de Camões”; e “Inês de Castro: A única rainha póstuma de Portugal”.

A intenção é assumidamente lúdica, como se confirma no destaque editorial “Dez factos divertidos sobre Portugal que não conhecia”, onde se apresenta uma síntese de cariz histórico-cultural. A estratégia dos títulos aproxima-se da retórica publicitária, procurando provocar e agarrar os potenciais recetores, recolhidos no universo dos usuários da internet. Por conseguinte, o discurso textual, a linguagem e as funções que utiliza, geralmente, de natureza expressiva e metafórica, adequam-se à cultura de massas, não ao grupo restrito e exclusivo dos especialistas.

A propósito de Inês de Castro – “Conheça a rainha póstuma” – são propostas uma história editorial, “A lendária história de Inês de Castro: Descubra o escândalo que abalou a corte portuguesa no século XIV”, e uma exposição online, “A versão portuguesa de Romeu e Julieta: A trágica história de amor de Inês de Castro e D. Pedro I”. A referência ao “escândalo que abalou” ou à “trágica história de amor”, enfatiza e mitifica a história, recorrendo a uma terminologia própria da crónica social contemporânea.

Não significa isto, porém, que a dissertação em cada um dos temas seja superficial ou pouco rigoroso, nem que a informação divulgada esteja ao nível do conhecimento comum.

Uma outra história editorial fala de “Nove mulheres portuguesas pioneiras que tem de conhecer: A fazer história e a derrubar barreiras”, onde, a par de nomes como Amália, Vieira da Silva, D. Maria II, surgem os nomes menos conhecidos de Aurélia de Sousa, Lourdes Sá Teixeira, Adelaide Cabete, Carolina Beatriz Ângelo, Antónia Pusich e Branca Edmée Marques. Faltam, seguramente, nomes que constam nas nossas listas pessoais, mas surge aqui, mesmo que de forma embrionária, um reflexo dos estudos de género, conferindo à mulher um novo protagonismo, em confronto com o discurso histórico tradicional, onde o seu papel é esquecido ou secundarizado.

O objetivo desta transferência de suportes, do analógico para o digital, não é espelhar ou mimetizar o espaço físico da exposição ou dos monumentos, mas a construção de novas narrativas que sustentam as 72 histórias, ou exposições online. Construídas em torno de pequenos conjuntos de peças, sustentados por micro-histórias, ou desvendando múltiplas leituras numa só obra, estas exposições constituem alternativas aos grandes temas da história da arte. A componente textual surge como complemento dos elementos visuais. E, também, por isso, é no texto que se regista alguma incoerência, sendo percetível o esforço em encontrar a linguagem adequada aos objetivos do projeto e aos públicos-alvo.

A exposição online “Grão Vasco: Explore o simbolismo de A Última Ceia”, não consegue resolver o vício da descrição formal da obra, eventualmente, num tom erudito, com terminologia específica no domínio da história da arte, nem é exaustiva na interpretação dos símbolos e na explicação do sentido do tema e suas múltiplas significações. Em contrapartida, no painel de azulejos “Grande panorama de Lisboa”, a introdução de dados textuais e a respetiva localização no mapa permitem uma contextualização difícil de conseguir no espaço físico do museu.

As imagens constituem o cerne deste projeto, onde as narrativas que temos vindo a referir assumem a função de conectores, constituindo conjuntos e estabelecendo relações dentro de cada um. É o texto que ilustra a imagem, não o contrário, e mesmo assim, deixando espaço ao gosto da mera contemplação e da descoberta individual. A possibilidade de manipulação e ampliação da imagem traz novas formas de ver, desde a criação de itinerários visuais dentro da mesma obra às evidências do pormenor.

Este projeto não se sobrepõe ao MatrizNet2, sendo distintas os respetivos propósitos e as lógicas internas de cada um. O Google Arts & Culture não é um projeto de inventário, definindo-se, antes, como uma plataforma eletrónica de acesso a imagens de alta-resolução de objetos patrimoniais. E, nisto, reside a grande vantagem, sobretudo, no confronto com as imagens de má qualidade e baixa resolução disponibilizadas no MatrizNet que lhes sobrepõe um carimbo com um logotipo do antigo Instituto Português de Museus. Além da alta qualidade e resolução – afinal são só 318 as imagens de obras em alta resolução –, as imagens do Google Arts & Culture estão em acesso livre, mesmo que algumas estejam protegidas por direitos de autor e não seja possível descarregá-las.  São imagens que convidam o olhar. A imagem não substitui a obra, mas talvez provoque uma ida ao museu à procura do original.

Retábulo de Santa Auta: pormenor com zoom a 70%
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga

Sobretudo, este projeto não se cinge aos museus, nem tão pouco os substitui. São propostas 96 vistas, ou visitas virtuais, baseadas na tecnologia do GoogleEarth, no interior de museus e monumentos, mas também na reconstituição dos percursos de Fernando Pessoa em Lisboa.

 

Nem tudo é perfeito no Google Arts & Culture. Seria útil uma revisão ortográfica do texto. Numa leitura superficial, deparámo-nos com “referencias”, substantivo comum, sem o acento circunflexo, e com “ngelo”, em vez de Ângelo. Seria recomendável uma maior coerência nos títulos: ao abrir o “A versão portuguesa de Romeu e Julieta”, deparamo-nos com uma página intitulada “Ainda que a morte nos separe”; o mesmo, entre “10 curiosidades que desconhecia acerca de Portugal” e “Dez factos divertidos sobre Portugal que não conhecia”. Seria vantajoso ampliar alguns textos e aproveitar as vantagens da segmentação da informação e respetiva disponibilização por camadas, da mais genérica à mais aprofundada, e permitir a criação de perfis no acesso à informação. É, sobretudo, imprescindível uma revisão dos conteúdos. Maria Vlachou, num comentário publlicado no FB, denuncia frases como “Metade do ‘novo mundo já pertenceu a Portugal” ou “Portugal foi a primeira potência colonial a abolir a escravatura”, em completa dissonância com a investigação que tem vindo a ser levada a cabo neste domínio. Se a proposta do projeto se fica pela apresentação lúdica do património, o texto é pouco informativo e muito pouco rigoroso e cheio de chavões propagandísticos de um regime que já passou, mas, ao que parece, deixou raizes ideológicas difíceis de erradicar.

Sendo um projeto evolutivo e dinâmico, mantém-se em construção, sendo de prever atualizações e novas entradas. No entanto, o que existe é já um assinalável avanço no acesso ao conhecimento das coleções patrimoniais portuguesas. Aplaudo, sem reservas, qualquer iniciativa que divulgue o património. Neste caso, trata-se da disponibilização de imagens do património português sob tutela do Estado. Um produto lúdico dirigido à cultura de massas. Apenas isso, apesar de isso já ser muito, quando o Estado se demite dessa função. Ou melhor, tudo isto é muito, apenas porque o Estado se demite desta função.

Nada nos esclarece acerca dos termos deste acordo. Nomeadamente, a quem pertencem as imagens? À partida, o proprietário dos conteúdos é o Google. Neste caso, se o Google resolver impender direitos sobre estas imagens ou suspender este serviço, há alguma salvaguarda contratual que o impeça? É permitido aos museus, atualizar a informação, continuar a disponibilizar conteúdos, a construir os seus próprios discursos? Acerca disto, não sabemos… Apenas sabemos que o Google se lançou em terra de ninguém e conseguiu intervir, lançando um projeto que podia ter sido estratégico do Ministério da Cultura, mas não foi. Da mesma forma que está a desinvestir nas bibliotecas digitais, limitando-se à transferência de suportes, e que tem descurado a disponibilização de inventários do património museológico, atualizando-os com informação estruturada e imagens de qualidade. Da mesma forma que, em 2017, lançou este programa com as parangonas de uma novidade que já não o era. Podia ser o Estado a promover a disponibilização de conteúdos patrimoniais (Vd. Arte e cultura portuguesa em exposição no museu universal do Google). Podia ser, mas não o sendo, que venha o Google, mesmo deixando-nos com esta sensação agridoce que isto podia ser mais, mais completo, mais exaustivo, mais adequado à pluralidade dos públicos.

  1. As instituições que participam no projeto são: Casa-Museu Anastácio Gonçalves; Convento de Cristo; Mosteiro da Batalha; Mosteiro de Alcobaça: Mosteiro dos Jerónimos; Museu Monográfico de Conímbriga – Museu Nacional; Museu Nacional da Música; Museu Nacional de Arqueologia; Museu Nacional de Arte Antiga; Museu Nacional de Arte Contemporânea; Museu do Chiado; Museu Nacional de Etnologia & Museu de Arte Popular; Museu Nacional de Machado de Castro; Museu Nacional do Azulejo; Museu Nacional do Teatro e da Dança; Museu Nacional do Traje; Museu Nacional dos Coches; Museu Nacional Grão Vasco; Museu Nacional Soares dos Reis; Palácio Nacional da Ajuda; Palácio Nacional de Mafra; Panteão Nacional; Torre de Belém. []
  2. O MatrizNet é um sistema de base de dados que integra os catálogos de fichas de inventário dos museus da Rede Portuguesa de Museus e que se encontra disponível em linha []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.