Viagem entre peregrinação e turismo

A prática da deslocação a centros sagrados está já documentada em tribos pré-históricas em todos os continentes, e constitui uma realidade associada a todas as grandes religiões. De facto, a ocorrência de centros sagrados, isto é, de lugares hierofânicos que constituem uma rutura no espaço homogéneo do quotidiano e que os fiéis desejam visitar por motivos espirituais e de renovação pessoal, é inerente ao fenómeno religioso (Eliade, 2004). Regista-se, aqui, nesta necessidade de deslocação ao lugar sagrado, a génese do turismo religioso.

Cavalgada dos Magos
Sassetta (Stefano di Giovanni), ca. 1433–35
Nova Iorque, Metropolitan Museum of Art

Peregrinação (do latim per agros, isto é, pelos campos) significa, literalmente, uma deslocação entre lugares, tomando, ao longo do tempo o sentido de jornada realizada por um devoto a um lugar sagrado.

No contexto do cristianismo, a peregrinação é referida desde a época da Igreja primitiva, mas apenas adquiriu um enquadramento teológico no século V, na obra De Civitate Dei, de Santo Agostinho, onde surge associado ao tema da caminhada espiritual entre Cidade Terrena e a Cidade Divina, descrita como a “peregrinação que conduz à Pátria em que Deus é a verdadeira riqueza” (Agostinho, 1996, vol. 1, p. 523).

Numa fase inicial, a peregrinação cristã tinha como objetivo a Terra Santa e a possibilidade de reproduzir in loco o percurso de Cristo.  Porém, a tomada de Jerusalém pelos turcos seljúcidas, em 1078, obrigou a que se encontrassem, nos limites da Europa ocidental, outras rotas espirituais alternativas ao Médio Oriente. Neste contexto, foi definido o Caminho de Santiago, em direção a Compostela, onde, no século IX, tinham sido descobertos os alegados restos mortais do apóstolo.

São Tiago como peregrino
Mestre de Bedford , ca. 1440-1450
Malibu, J. Paul Getty Museum

No final do século XIII, Dante Alighieri definia a entidade do peregrino, sublinhando a condição de estrangeiro, mas refletindo já o caráter modelar e único desta peregrinação:

[…] peregrini si possono intendere in due modi, in uno largo e in uno stretto: in largo, in quanto è peregrino chiunque è fuori de la sua patria; in modo stretto non s’intende peregrino se non chi va verso la casa di sa’ Iacopo o riede [Tradução livre: Peregrino pode interpretar-se de duas maneiras: em sentido lato e em sentido restrito. Em sentido lato, na medida em que peregrino é todo aquele que se encontra fora da sua pátria; em sentido restrito apenas se considera peregrino aquele que se dirige à casa de Santiago, ou dela regressa]. (Dante Alighieri, 1914, pp. 133–134)

O peregrino cumpria rota pré-definida, com paragens intermédias em pontos religiosos assinalados pela presença de relíquias insignes até chegar ao destino final, junto ao túmulo do santo.

Liber V S[an]c[t]I Jacobi: Iter pro peregrinis ad Compostellam o Liber Peregrinationis
In Peregrinatio in Terram Sanctam
Breydenbach, B. (1486).
Hamburg, Bibliotheca Gymnasii Altonani

O Liber Sancti Iacobi, conhecido como Codex Calixtinus, uma coletânea de textos datados de meados do século XI, inclui o Liber peregrinationis, ou livro do peregrino, atribuído a Aymeric Picaud e considerado o primeiro guia turístico. Ao longo de 11 capítulos, o autor descreve o Caminho Francês com indicações acerca das várias etapas do itinerário, anotações etnográficas e hagiográficas e a descrição dos vários lugares e, em particular, da cidade e da igreja de Santiago, concluindo com recomendações para o acolhimento dos peregrinos.

O conceito de peregrinação fixou-se em torno da prática do Caminho de Santiago, como uma prática espiritual e salvífica, reproduzindo o sofrimento de Cristo ao longo da via-sacra e tendo subjacente uma ascese que implicava, por um lado, a rutura, ainda que temporária, com o quotidiano e, por outro lado, o percurso cumprido com sacrifício e resignação a fim de obter ou agradecer uma graça divina. No entanto, o termo tem vindo a expandir-se para lá do domínio religioso, tendo vindo a esbater-se a separação entre peregrinação e turismo, ou entre peregrinação religiosa e peregrinação secular (Roque, 2017, 24 mar.).

Praça de São Pedro
Vaticano
Foto: Rometoolkit, 2017

Por seu turno, o turismo religioso tem vindo a distinguir-se da prática ancestral da peregrinação e, ao mesmo tempo, a autonomizar-se como um segmento específico do turismo, mesmo que, em certa medida, continue a coincidir com o turismo cultural, facto que contribui para que esta fronteira se mantenha ténue. A distinção entre turismo, turismo cultural e turismo religioso assenta nos fatores motivacionais e psicológicos que levam o indivíduo a deslocar-se a determinado destino.

Enquanto a viagem é, sobretudo, uma forma de rotura com o quotidiano e o turismo cultural se move pelo objetivo de conhecer o património de novos lugares ou de participar em experiências diferenciadoras, no caso do turismo religioso, a motivação inclui um sentido místico e uma intenção de caráter espiritual, o qual constitui o propósito central, senão único, da peregrinação.

Porém, a experiência da viagem é individual e circunstancial. Isto significa que a separação entre peregrinação e turismo, seja de cariz religioso ou cultural, é instável e intermitente dentro do mesmo percurso, ou seja, tanto o turista pode ter momentos de introspeção espiritual e religiosa, como o peregrino se pode envolver noutro tipo de atividades mais profanas.

Santuário de Fátima
Cova da Iria
Foto: MIR, 2017

A diferença entre peregrino e turista torna-se mais incisiva no que respeita à perceção do espaço e do culto. O peregrino viaja com a intenção assumida de viver uma experiência espiritual. A religiosidade e o conhecimento das práticas litúrgicas e devocionais, permite-lhes participar no culto e interpretar o sentido do lugar. Da mesma forma, também os turistas com motivações religiosas, mesmo que não participem da crença que lhe está associada, têm um conhecimento prévio similar aos peregrinos, que também lhes permite apreender o sentido inerente aos espaços.

 

Santuário de Fátima
Cova da Iria
Foto: MIR, 2017

 

Porém, o aumento do turismo cultural e, mesmo, de lazer tem vindo a aumentar em espaços religiosos, indiferenciando-os de outros destinos turísticos com valia patrimonial. O visitante comum prende-se aos aspetos externos do culto, substituindo a intenção de uma vivência espiritual pela experiência de algo diferente e fora do comum, cujo caráter extraordinário é percecionado como representativo da identidade cultural e social do local de destino. Por outro lado, os espaços religiosos são cada vez mais frequentados por turistas, numa tendência que é, geralmente, contrária à da frequência dos fiéis.

A maioria dos turistas visita os espaços religiosos inseridos em programas de turismo cultural, onde o desconhecimento da funcionalidade litúrgica e dos conceitos teológicos que lhes estão associados, por um lado, impede a compreensão do espaço  e, por outro lado, pode conduzir a comportamentos considerados inapropriados ou perturbadores do culto e da devoção que aí se pratica.

Na conjuntura da pós-modernidade, estas alterações integram-se no fenómeno mais vasto da laicização da sociedade contemporânea ocidental, acompanhada pelo declínio das igrejas judaico-cristãs e do culto religioso, em simultâneo com a introdução de novas práticas rituais no quotidiano.

Todos estes fatores contribuem para uma crescente iliteracia acerca de temas relacionados com a religião, os quais constituem a matriz cultural, patrimonial e artística do mundo ocidental e que eram do conhecimento comum até há algumas décadas. Do ponto de vista do visitante, a falta de conhecimento acerca do lugar, também deteriora a qualidade da experiência. Esta situação, que se verifica na maioria dos destinos turísticos em todo o mundo, afigura-se como potencialmente ameaçadora da integridade espiritual do espaço religioso, no sentido em que pode provocar a transformação dos locais de culto em atrativos turísticos, com um impacto negativo na autenticidade do lugar. No entanto, por trazer novas audiências, também cria algumas oportunidades e vantagens, quer sejam de ordem económica e financeira e de gestão, quer de catequização e esclarecimento acerca dos princípios espirituais.

Basílica de São Pedro
Vaticano
Foto: Rometoolkit, 2017

Para suprir a iliteracia dos visitantes, nos seus diferentes registos de conhecimentos, memórias e competências, uma das vias passa pela disponibilização da informação que, até recentemente, era de conhecimento comum. A introdução de instrumentos de mediação, como a realização de visitas guiadas, que contribuam para a interpretação e a compreensão dos espaços tem vindo a ser assumida como uma estratégia de sustentabilidade, segundo o argumento de que o visitante se sente mais impelido a preservar e a respeitar um local, na medida em que o conhece e compreende o seu significado. Outra solução passa pela musealização dos sítios, criando tabelas e textos explicativos que permitam a identificação e a compreensão básica dos vários elementos dentro do espaço religioso. No entanto, a introdução de dados em suporte analógico pode gerar um nível de ruído visual que perturbe a observação e a vivência do espaço religioso.

Propõe-se, por conseguinte, a criação de novas estratégias e equipamentos de mediação cultural não invasivos, que contextualizem a arquitetura e a arte, nas suas componentes funcionais (ou litúrgicas) e, também, simbólicas, isto é, que permitam dar a conhecer o lugar, nas suas componentes tangíveis e intangíveis. Neste sentido, a tecnologia digital disponibiliza ferramentas que permitem processar, visualizar e disseminar uma grande quantidade de dados, adequando-os às competências e expetativas de cada um, através da possibilidade de personalização de acessos.

A estratégia mais elementar é a criação de visitas virtuais que permitem o conhecimento prévio do espaço, através de simulações que, a partir de um conjunto de fotos e vistas panorâmicas até 360º, percorrem o sítio a partir de um determinado ponto de vista em interação com o utilizador. Em geral, integram outros elementos multimédia, documentos textuais e ligações a URLs externos. Isto implica a existência de um trabalho prévio de investigação e de levantamento do património, com informação estruturada em vários níveis do mais básico ao mais especializado e erudito, permitindo o acesso a repositórios de dados relativos à história, à arquitetura e à função religiosa do espaço.

Qualquer que seja a estratégia de mediação efetuada, a experiência da visita pode tornar-se uma vivência espiritual, atenuando as fronteiras entre peregrino, turista religioso e turista comum. Ou seja, tanto o turista religioso prolonga o desígnio da viagem com atividades de lazer em espaços profanos, como o turista comum pode ter uma experiência espiritual no espaço religioso, o que implica que a mediação cultural seja diferenciada e personalizável.

Aura Basilica: realidade virtual
Basílica de Notre Dame, Montréal
Moment Factory, 2017

Os projetos de tecnologia digital aplicados ao património religioso para transmitir conhecimento ou despertar emoções, sejam mais sóbrios e discretos, ou mais apelativos e espetaculares têm a vantagem de não provocar alterações permanentes na perceção do espaço e de não causar danos nas suas componentes formais e materiais. A prática do turismo na contemporaneidade inclui a busca do imaterial e do simbólico, refletindo a vontade de regressar às fontes matriciais da identidade do território e da cultura, em contraponto à padronização de um quotidiano cada vez mais globalizado. Para o peregrino, ou para o turista, o património religioso oferece a autenticidade do espaço físico, real e tangível, a que o uso de ferramentas digitais acrescenta a informação necessária à sua compreensão e a possibilidade de uma experiência imersiva exigida pelo turismo criativo.

Referências bibliográficas:
Agostinho, S. (1996). A cidade de Deus. (J. D. Pereira, Ed.). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
Dante Alighieri. (1914). Vita nuova di Dante Alighieri: Con proemio, note e appendice (G. A. Cesareo, Ed.). Messina: Principato.
Eliade, M. (2004). Tratado de história das religiões. Lisboa: Edições Asa.
Roque, M. I. (2017, 24 mar.). Novas vias da peregrinação: turismo, turismo cultural e turismo religioso. In a.muse.arte. Acedido em https://amusearte.hypotheses.org/1739

Nota: Este texto foi feito a partir da comunicação apresentada por Roque, Guerreiro e Forte (2018) na  TMS Algarve 2018: Tourism & Management Studies International Conference.
Roque, M. I. R., Guerreiro, D., & Forte, M. J. (2018). Ir, ver, sentir e aprender:
Humanidades digitais para um turismo religioso criativo. In M. C. Santos, F. Perna, J. A. C. Santos, L. N. Pereira & A. I. Renda, Sustentabilidade: O futuro do turismo (pp. 513-528). Faro: Universidade do Algarve.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Viagem entre peregrinação e turismo," in a.muse.arte , 2018/11/25, https://amusearte.hypotheses.org/3194.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.