Maria José Moura (1937-2018)

Conheci-a há quase trinta anos.
A memória mais antiga e, também, a mais constante é a de uma amizade, tão generosa quanto protetora. Assumia as minhas lutas, lutando ela própria contra os moinhos de vento do meu destino, como se tivesse sido responsável por eles, defendendo-me de tudo aquilo que achava ser injusto e oferecendo-me, até ao fim, uma imensa e abnegada proteção e amizade.

Trabalhámos juntas. E lembro-me das horas que ficava à espera todas as manhãs, porque insistia em que o seu motorista – o Sr. Lisboa – me fosse buscar; lembro-me dos papéis com recados, uns sobre os outros, que me entregava, enquanto eu resmungava que ainda um dia me havia de entregar a barra do lençol escrevinhada quando já não lhe sobrasse papel na mesa de cabeceira; lembro-me de uma enorme e contagiante capacidade de trabalho, que estendia a todos o que a rodeavam; lembro-me do ritmo alucinante com que misturava tarefas infindas e da memória como as lembrava a todas; lembro-me das discussões acesas e de como acabavam depressa; lembro-me dos telefonemas a puxar múltiplas lembranças – lembra-se? então, não se lembra? – em conversas compridas que acabavam de repente – adeus, adeus; lembro-me das nossas teimosias – não há teimosos sozinhos! – e de como me chamava “teimosinha”; lembro-me da festa sempre que nos encontrávamos, como se realmente gostasse de me rever e de me voltar a chamar “sardinha”, lembro o riso, a alegria, a vivacidade; lembro que, nas últimas vezes em que nos vimos, já derrubada entre a cama e a cadeira do hospital, às vezes, me reconhecia, mas essa alegria havia desaparecido juntamente com a esperança de que ainda fosse possível comer um peixe assado numa varanda ao sol… E não, já não foi possível!

Até sempre, querida amiga.

Maria José Moura, por ocasião da homenagem que lhe foi prestada por ocasião da reabertura da biblioteca do Palácio Galveias
10 de junho de 2107
Foto: Susana Lopes, 2017

Esta é, apenas, uma homenagem pessoal e muito íntima, a única de que sou capaz neste momento. Será também através destas fragmentadas memórias individuais, que se confirma a grande mulher que foi, a intensidade de uma vida que marcou cada um dos que um dia se atravessaram no seu caminho. Do que Maria José Moura fez pelas bibliotecas e pela leitura pública, pela nossa cultura e pelo conhecimento, outros o dirão e bem melhor do que eu faria.

Imagem do banner processada a partir de uma fotografia da Biblioteca Municipal de Aveiro, de 18 de junho de 2013.


2 comentários a “Maria José Moura (1937-2018)

  1. Esta senhora foi minha professora, amiga e incentivadora, a ” mãe” das bibliotecas em Portugal, de quem guardo gratas recordações, sobretudo da sua sempre presente alegria no trabalho, até sempre!

  2. Maria José também foi uma grande amiga do Brasil e dos brasileiros. O seu esforço em prol da cultura vai deixar muita saudade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.