Museologia de religião: Análise de uma exposição comemorativa do centenário das Aparições

Exposição “As cores do sol: A luz de Fátima no mundo contemporâneo
Fátima, Convivium de Santo Agostinho, Basílica da Santíssima Trindade, 26 nov. 2016 – 31 out. 2018

A história é conhecida de todos: depois das aparições do anjo, com um cariz preparatório, os três pequenos pastores Lúcia, Francisco e Jacinta, viram, pela primeira vez, a 13 de maio de 1917, uma senhora “muito formosa […], envolta num clarão mais brilhante que o sol” que lhes pedira que rezassem o terço e que tornassem àquele local, seis meses seguidos no mesmo dia e à mesma hora. Para aquela que seria a última aparição, a Virgem prometera-lhes um milagre, dizendo que “no último mês fazia um sinal no sol, que todos haviam de acreditar”.

Lúcia, Francisco e Jacinta
Cova da Iria, 1917
In: (1917, 29 out.). Ilustração Portuguesa, (610), 356.
Foto: Joshua Benoliel; Arquivo Fotográfico/
Santuário de Fátima

Assim, a 13 de outubro de 1917, num dia carregado de nuvens a que se seguiu uma chuva torrencial, juntou-se uma multidão na Cova da Iria. De repente, parou de chover, abriu-se uma clareira luminosa entre as nuvens, deixando ver um disco de cor clara, que começou a rodar sobre as suas cabeças e a deslizar no céu como uma roda de fogo, enquanto as bordas ficavam escarlate, expelindo línguas de fogo que se projetavam na terra em reflexos brilhantes e coloridos. Subitamente, num sobressalto que o fez tremer, pareceu precipitar-se, ziguezagueando num efeito abrasador sobre a multidão aterrorizada, antes de se fixar no zénite, retomando a normalidade, numa atmosfera que, subitamente, se tornara tranquila e brilhante.

“A multidão, apertando-se em torno do sítio do milagre, começa a olhar para o céu, à espera do sinal de Deus”
Cova da Iria, 13 out. 1917
In: (1917, 29 out.). Ilustração Portuguesa, (610), 354.
Foto: Joshua Benoliel; Arquivo Fotográfico/Santuário de Fátima

É este o ponto de partida para a exposição que, desde novembro de 2016, se encontra no Convivium de Santo Agostinho, na Basílica da Santíssima Trindade, em Fátima.

Uma exposição é, antes de mais, a representação de uma realidade, de um facto, ou de um fenómeno, descritos e interpretados através de objetos. O objeto funciona como uma unidade frásica do discurso, estabelecendo relações com os restantes objetos e com a exposição no seu todo, para adquirir um determinado sentido. Por conseguinte, o objeto pode ter diferentes leituras, em função do contexto expositivo, ou seja, o seu sentido é alterado consoante o enunciado do discurso. Se, num qualquer discurso, a coesão frásica corresponde ao conjunto de mecanismos que asseguram uma ligação significativa entre os vários elementos, numa exposição, esta função correlacional compete à museografia, ou, numa perspetiva mais ampla, à museologia.

De facto, nesta exposição, a museografia não se limita aos suportes expositivos, aos plintos, às vitrinas, às legendas e à informação parietal, para constituir, ela própria, uma metanarrativa, enunciando um discurso paralelo e complementar ao dos objetos e textos escolhidos. Nalguns pontos, assume-se como instalação artística, com caraterísticas de obra de arte concetual, cujo significado contribui para esclarecer o sentido, ou a mensagem, da exposição. Assume-se, por esse motivo, como um caso de estudo no âmbito da museologia e, em particular, no âmbito da museologia de religião, onde o principal desafio é apresentar o conteúdo intangível dos objetos expostos.

Núcleo 1. Eclipse do sol: Deus jaz apartado da humanidade

O milagre do sol é mais prodigioso pelo confronto com o dia cinzento, o céu carregado de nuvens, a chuva torrencial, pelo que a exposição abre com um conjunto de guarda-chuvas pretos, rústicos, em referência aos guarda-chuvas empunhados pela multidão que esperava o milagre. Este é o tempo acabrunhado em que “Deus jaz apartado da humanidade”: através de um túnel imersivo, o visitante mistura-se à multidão de peregrinos que, em ampliações fotográficas a partir de registos de época, testemunha o milagre.

Foto: MIR, 2017

No topo das imagens, um segmento de círculo alude ao sol, tornando-se o motivo condutor e constante ao longo de toda a exposição, enquanto sobre a multidão se inscrevem fragmentos dos seus testemunhos. Os elementos gráficos e textuais, retirados da imprensa de época, são creditados enquanto fonte primária que fundamenta o milagre como acontecimento histórico.

Foto: MIR, 2017

Por fim, os guarda-chuvas suspensos sobre a representação museográfica do chão molhado pela chuva, ao lado do guarda-sol utilizado no rito da comunhão no santuário, e da umbela, usada nas procissões a proteger o Santíssimo Sacramento, conferem-lhe um sentido sacramental.

Núcleo 2. A luz preside à noite: os discursos e as figuras dos céus de Fátima

A ausência de luz que domina o primeiro núcleo é eliminada, no segundo, pela dança do sol, evocada através de um conjunto de fotografias tiradas do musical “Entre o céu e a terra”.

Foto: MIR, 2017

Os objetos neste núcleo referem-se às visões descritas por Lúcia, na sequência do milagre do sol: a Sagrada Família, Nossa Senhora das Dores e Nossa Senhora do Carmo. Não são imediatamente vislumbrados no percurso expositivo, permanecendo num corredor à margem do próprio percurso, delimitado pelo equipamento museográfico que, neste ponto funciona como ponto de separação, numa analogia ao caráter privilegiado destas visões, apenas percebidas pelos três pastorinhos.

Núcleo 3. O brilho da lua manifesta a luz do sol: Em Fátima, Maria apresenta Cristo

Enquanto no primeiro núcleo, primava o eclipse do sol, símbolo cristológico, neste núcleo e em continuação do anterior, a luz solar é refletida pela lua, símbolo e atributo de Maria que apresenta Cristo.

Foto: MIR, 2017

Tal como na Anunciação, também em Fátima, a vinda do anjo tem o caráter de anúncio. Na terceira aparição, o Anjo repetiu as palavras de Cristo na instituição da eucaristia e, em seguida, deu a comungar, o pão, a Lúcia e, o vinho, a Jacinta e Francisco. Assim, este núcleo incide na relação entre Maria e o Filho, presente na humanidade através da Eucaristia. O semicírculo, que se mantém como fio condutor da exposição, a representar o sol, transforma-se, aqui, na auréola que enquadra a imagem de Nossa Senhora de Fátima.

Por seu turno, a azinheira, sobreposta por um grafismo que alude à árvore da vida, estabelece uma relação simbólica com a cruz de Cristo, aqui interpretada por Irene Vilar. Tal como o sentido vital da árvore do paraíso no Antigo Testamento é recuperado e ampliado pela cruz de Cristo no Novo Testamento, também a azinheira de Fátima é um sinal de vida e renovação.

Esta árvore tem dois mil anos
Irene Vilar, 1971
Porto, Fundação Spes
Exposição “As cores do sol”
Foto: MIR, 2017

Núcleo 4. A forma da lua: a sintética linguagem do coração

Este núcleo encerra a referência ao fenómeno das Aparições e faz a transição para os seus efeitos na Humanidade, os quais são, antes de mais, de ordem espiritual.

A ligação de Maria ao Filho no contexto das aparições ficou esclarecida na segunda aparição, ao revelar que Jesus queria estabelecer no mundo a devoção ao seu Imaculado Coração, ao mesmo tempo que mostrava um coração cercado de espinhos.

Foto: MIR, 2017

Assim, o coração é o elemento fulcral deste núcleo. Desde logo, o pequeno registo em cartolina e tojo feito pela Ir. Lúcia, cujo caráter de exceção é sublinhado pelo aparato museográfico, compensando a pobreza e dos materiais e a humildade do trabalho. Depois, talvez o mais curioso e até poético arranjo cenográfico desta exposição: os ex-votos cordiformes analogicamente colocados sobre o tórax, registados em películas de raio-X. Por fim, a rutura criada pela presença do “Coração Independente” de Joana Vasconcelos, neste universo de objetos criados com um sentido religioso e devocional.

Foto: MIR, 2017

Esta peça, que reúne talheres de plástico na composição de uma peça do artesanato português, um minhoto coração de filigrana, numa escala colossal, exemplifica o caráter poliédrico dos objetos, possibilitando leituras diferentes consoante o sentido do discurso e, neste caso, adquirindo um sentido conectado com a devoção e espiritualidade do povo português. A museografia torna-se poética, no sentido em que realiza uma ressignifcação semântica da obra.

Núcleo 5. A luz configura o lugar: o santuário como perímetro para todas as periferias

Sendo o maior núcleo da exposição, aquele que apresenta o maior número de objetos, este é também o mais objetivo, em sentido epistemológico, ao expor a história do santuário através dos objetos, ampliações fotográficas e maquetas que a documentam e, em complemento, pela projeção de um filme sobre a evolução do recinto, ampliado e reestruturado em função do crescente número de peregrinos.

Foto: MIR, 2017

A memória mais antiga é o pilar que marcava o sítio exato onde ocorreram as aparições, seguida pela representação fotográfica da primitiva Capelinha das Aparições, construída em 1919, e reconstruída em 1923, após ter sido dinamitada, junto à réplica do painel de azulejos, datados de 1927 e mantidos na fachada lateral nordeste do edifício.

Foto: MIR, 2017

A basílica de Nossa Senhora do Rosário, cujo título lhe foi concedido por breve de Pio XII, em 1954, é formalmente representada pelas respetivas insígnias: umbela basilical, virga e tintinábulo. Aqui, é retomada uma estratégia museográfica que havíamos assinalado no primeiro núcleo: a utilização de telas no chão, neste caso, para reforçar o sentido das insígnias basilicais, colocadas sobre a planta da própria basílica. Um processo idêntico é usado no encaminhamento para a antiga cruz do altar do presbitério no recinto, simulando o caminho processional e de peregrinação que aí se efetua.

Foto: MIR, 2017

Este é também o núcleo onde o caráter documental, em texto e imagem, tem mais presença, em função da abordagem histórica ao urbanismo, arquitetura e arte do santuário. A uniformidade gráfica da relação entre texto e imagem nos vários painéis, a informação sintética, clara e objetiva, a opção por ampliações fotográficas a preto e branco, sobrepondo o texto à zona de céu, aligeiram o peso que estes elementos geralmente assumem no espaço expositivo, mantendo um registo de sobriedade e equilíbrio. A função dos elementos gráficos e textuais é, sobretudo, a contextualização do objeto, isto é, a criação de referências ao seu tempo, lugar, sentido e função originais, contribuindo para a sua leitura e interpretação. Porém, neste caso, não se trata apenas de contextualizar os objetos expostos, mas de elucidar acerca do santuário, contribuindo para a compreensão do espaço e das respetivas articulações. Em certa medida, este núcleo poder-se-ia autonomizar como espaço museológico relativo à história do santuário ou formar um núcleo integrado ou adjacente ao museu existente.

Núcleo 6. Uma constelação de luzeiros: a experiência de Fátima como ardente clareira

A ampliação do espaço do santuário foi determinada pela presença constante dos peregrinos. Na realidade, a experiência de Fátima é, fundamentalmente, a peregrinação e a devoção mariana. Por conseguinte, neste núcleo, é abordada a expansão do culto para lá do espaço físico do santuário e a sua confirmação pela hierarquia eclesiástica. A relação dos papas com o santuário é representada no mural com a representação dos papas Pio XII, João XXIII, Paulo VI, João Paulo II, Bento XVI e Francisco, a preto e branco, e fragmentos dos seus discursos sobre Fátima.

Além disso, a experiência de Fátima é sublimada em dois momentos cruciais da peregrinação: a procissão das velas e a procissão do adeus, momentos de profunda emoção individual e coletiva.

A chama da fé
Joana Delgado, João Maya, 2016
Exposição “As cores do sol”
Foto: MIR, 2017

Os lenços alvos
Joana Delgado, João Maya, 2016
Exp. “As cores do sol”
Foto: MIR, 2017

A evocação destes momentos ocorre, aqui, em duas instalações imersivas de grande efeito cénico e representacional. A representação da procissão das velas sobrepõe, a uma imagem da procissão noturna, copos iluminados por uma luz branca, colocados a diferentes alturas e distâncias. A representação da procissão do adeus obedece ao mesmo esquema, mas é cinética, com a imagem do andor de Nossa Senhora de Fátima destacado sobre o azul do céu, a que se sobrepõem lenços suspensos de um mecanismo motorizado que simula o agitar dos lenços pelos peregrinos. As instalações de Maria Joana Delgado e João Maya não permitem a interação física do visitante, mas interpela-o através das suas memórias e vivências, obrigando-o a um processo mental que faz uso dos símbolos das duas procissões, como elemento de síntese de cada uma delas: as velas e os lenços brancos.

Núcleo 7. O astro que não tem ocaso: o ser humano, lugar íntimo de Deus

Estas obras elaboram a transição para o epílogo da narrativa expositiva, na recuperação do tom metafórico dos primeiros núcleos. Ao fim do percurso iniciado com o eclipse solar, que apartava Deus da Humanidade, agora, a luz desce sobre a humanidade como um novo Pentecostes e ilumina o mundo, anulando as trevas do ocaso.

O homem
Mário Eloy, ca. 1936
Lisboa, F. Calouste Gulbenkian
Exposição “As cores do sol”
Foto: imagem processada a partir da visita virtual da exposição

A luz pentecostal reflete-se no homem que toma o sentido de sacrário, ou lugar íntimo de Deus. A museografia elabora novamente uma analogia poética entre as superfícies espelhadas e a obra de Mário Eloy, utilizada para ilustrar um conceito que lhe era extrínseco, ou seja, novamente, a ganhar um novo significado no contexto específico do discurso expositivo. Torna-se mais literal na apresentação do imponente sacrário, dito do Senhor dos Paços e do espólio do Museu de Aveiro, cuja imagem, juntamente com a do visitante-observador, se reflete no espelho, da Arquidiocese de Évora.

Foto: MIR, 2017

Encerra-se o círculo deste percurso, com um painel fotográfico com uma vista panorâmica do recinto cheio de gente em dia de peregrinação: os chapéus-de-chuva pretos que abrem a exposição são substituídos pelos guarda-sóis brancos, com a efígie de Jacinta e Francisco, usados na comunhão aos fiéis. Já não são pretos, mas brancos, e deixam passar a luz da mensagem que não se apaga. O último objeto desta simbólica participa desta simbólica: enquanto, à entrada, os guarda-chuvas pretos eram emoldurados numa caixa de perfil preto, no final do percurso, são brancos e a caixa-vitrina onde se encontram é amarela, da cor do sol, tal como o painel que lhe serve de fundo.

No seu todo, a exposição constrói um percurso salvífico no caminho da luz, sendo esta intencionalidade sugerida e reforçada pela museografia. Sendo uma exposição temporária, ainda que de longa duração, segue uma abordagem concetual e analógica ou metafórica, na construção da narrativa em torno da luz de Fátima. Assume, portanto, uma intenção catequética, sem prejuízo do rigor na exposição dos factos, em linha com as recomendações da Igreja para os museus e exposições de tutela ou iniciativa eclesiástica.

Nota: Texto de suporte à visita-guiada à exposição, feita a 3 de outubro de 2018, com base no artigo “As cores do sol: A luz de Fátima no mundo contemporâneo”, publicado na revista Fátima XXI: Revista Cultural do Santuário de Fátima, n.º 8, pp. 166-175.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Museologia de religião: Análise de uma exposição comemorativa do centenário das Aparições," in a.muse.arte , 2018/10/04, https://amusearte.hypotheses.org/2888.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.