Maria Helena Mendes Pinto (1923-2018)

Conheci Maria Helena Mendes Pinto, a querida “Senhora D. Helena”, no início da década de 1990. Primeiro, assistindo ao convívio entre conservadoras do Museu de Arte Antiga que me aceitavam como discípula; depois, em 1993, em longas tardes na biblioteca do museu, onde me orientava na pesquisa de objetos para uma exposição, elucidando a minha profunda ignorância, com a paciência de grande mestra, conversando acerca das suas hesitações – o que, nessa altura, nos intrigavam as madrepérolas da Terra Santa, frequentemente catalogadas como obras indo-portuguesas: “não me parece, não me parece que sejam!”; e não eram – expondo o conhecimento com uma familiaridade sem reservas, entusiasmando-se perante objetos que via pela primeira ou pela centésima vez, continuando a interrogá-los e a analisá-los, trazendo-me livros, sugerindo-me leituras, lendo-me os textos, como se nunca duvidasse de que isso valesse a pena e fazendo-me acreditar que talvez fosse assim. Lembro-me das últimas vezes em que a vi, cada vez mais enfraquecida, mas com uma vivacidade no olhar, como se estivesse contente por me ver, enquanto me perguntava sobre a minha vida, amigos comuns… Que privilégio conhecê-la!

Assisti à forma magnânima como resistia às adversidades e à humildade como recebia as coisas boas que a vida lhe dava, mas esta não é a hora para lhe traçar a biografia. Foi, seguramente, muito maior do que aquilo que uma breve nota curricular deixaria supor: frequentou o curso da Fundação Ricardo Espírito Santo Silva; foi conservadora do Museu de Arte Antiga, aquele que seria sempre a sua casa, onde constituiu o núcleo de mobiliário; colaborou, depois, já reformada com a Gulbenkian; com o marido, inventariou o património das Misericórdias algarvias; viajou pelo Oriente, tornando-se a maior especialista em arte namban e indo-portuguesa; publicou livros e catálogos; comissariou exposições; formou discípulos.

Foi homenageada – em 2003, a Gulbenkian dedicou-lhe a exposição “Peregrinações de Portugal ao Japão: as artes decorativas entre os séculos XVI e XIX: Homenagem a Maria Helena Mendes Pinto” e foi, nessa altura, condecorada com o grau de Grande Oficial da Ordem de Mérito – mas não recebeu todas as homenagens que merecia.

Morreu hoje. Leio que partiu serenamente… Como viveu. Hoje, sinto uma saudade triste, perante a evidência da partida. Fica-me a memória do conhecimento que partilhava com altruísmo e simplicidade, da atitude de segurança nas convicções e de interrogação nas dúvidas, da ética, do estímulo e da generosidade para com aqueles que lhe éramos imensamente inferiores, do carinho com que me acolhia.

Até sempre, querida Dr.ª Helena!

Foto MNAA, recolhida em: goo.gl/nDkoFV


1 comentário a “Maria Helena Mendes Pinto (1923-2018)

  1. Que bela surpresa encontrar aqui duas boas amigas.Faço minhas as palavras da Maria Joao se ela me permitir. ~
    São duas heroinas cada uma com o seu caracter museololgico e pessoal que sempre apreciei!
    Saudades
    Teresa Viana

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.