O objeto no museu: verdade ou mentira?

São salas cheios de peças percorridas por multidões, são corredores que se atravessam num olhar distraído, são visitantes que passam seguindo um roteiro diletante onde pontuam as obras que a instrumentalização da cultura definiu como obrigatórias… Referia, aqui, que os grandes museus se tornaram pontos de consumo turístico, onde se perdeu o gosto da contemplação. Onde é difícil ver e descobrir para lá do lugar comum.

Banksy no British Museum
2005
Foto: Banksy website

Foi, precisamente, num desses museus que Bansky provou a invisibilidade das obras expostas no museu, ou a inexistência de sentido crítico de quem as vê sem tempo para se interrogar. Em 2005, o artista, ou “art terrorista”, com intervenções que trazem para o domínio da arte estratégias próprias do marketing de guerrilha, ações pouco convencionais com forte impacto no observador/consumidor, instalou uma pintura rupestre representando um homem com um carro de supermercado, feita num pedaço de rocha com cerca de 25 por 6 centímetros na Galeria 41 do Bristish Museum, em Londres, anexando-lhe a respetiva tabela com o título “Wall art” e a respetiva descrição.

“Wall art” e tabela
Bansky, 2005
Londres, British Museum
Foto: Bansky / British Museum

A obra esteve lá durante alguns dias sem que ninguém, público ou pessoal do museu, tivesse dado conta, até que o próprio Bansky a denunciou e anunciou no seu website uma espécie de corrida ao tesouro, prometendo a oferta do original à primeira pessoa que se fotografasse junto da obra exposta.

Passada mais de uma década, em tempos marcados por “fake news”, em que o falso se confunde com a verdadeiro, o Bristish Museum selecionou a obra de Bansky para integrar a exposição “I object: Ian Hislop’s search for dissent” (6 set. 2018 – 20 jan. 2019). A exposição é uma reflexão acerca da dissensão e daquilo que a impulsiona, mas também acerca da história e daquilo que determina a memória oficial, apresentando os protagonistas esquecidos, ou dissidentes.

History, as somebody wise once said, is just one damned thing after another. But is it really? Who decides what is ‘history’?
Traditionally, the answer is ‘the winners’. But in this exhibition we’re setting out to investigate what the other people had to say – the downtrodden, the forgotten, the protestors. (British Museum, 2018)

A exposição, como o próprio título indica, foi preparada em conjunto com o editor do jornal satírico Private Eye, Ian Hislop, que selecionou cerca de uma centena de objetos improváveis ou aqui apresentados numa perspetiva incomum, desmontando a leitura corrente e denunciando o ridículo de algumas propostas oficiais.

É também um pretexto para a reflexão acerca do objeto, da sua transformação em objeto museológico e da forma como o observador o perceciona no discurso proposto pelo museu. E, aqui, a releitura da intervenção de Bansky tem um papel relevante.

Referência:
British Museum. (2018). I object: Ian Hislop’s search for dissent. Acedido em http://www.britishmuseum.org/whats_on/exhibitions/i_object.aspx


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.