O museu entre a vida e a morte

Os primeiros museus foram criados sob o explícito pretexto de disponibilizar a todos os bens patrimoniais que, até então, haviam estado na exclusiva posse de alguns privilegiados, mesmo que os objetivos políticos implícitos, no contexto das sociedades ocidentais oitocentistas, progressivamente assumindo a propaganda dos seus ideais nacionalistas e colonialistas. Criaram-se, assim, grandes museus universais, com coleções provenientes de culturas distantes, cronológica e geograficamente, e obras consagradas pela história da arte que lhes conferiam uma identidade e aumentavam o prestígio.

Projet d’aménagement de la Grande Galerie du Louvre
Hubert Robert, 1796
Paris, Musée du Louvre

Por um lado, para que os bens patrimoniais pudessem ser disponibilizados a todos era necessário que a sociedade acorresse ao museu; por outro lado, o prestígio dos grandes museus tanto dependia do seu reconhecimento público, como gerava o desejo da visita em grupos cada vez mais alargados. É nesta conjuntura que se fundamenta um dos principais objetivos da gestão museológica: atrair e fixar públicos, captar novas audiências. A afluência de visitantes acarreta rendimentos diretos e indiretos essenciais à manutenção dos museus.

O incremento do turismo, a partir da década de 1970, criou um novo campo de oportunidades. Abriu, efetivamente, o museu a todos, num processo de democratização que esbateu as barreiras entre alta e baixa cultura, ou cultura erudita e cultura popular, enquanto a ida ao museu se torna inerente à viagem e constitui uma marca visível da sua qualidade. Ao mesmo tempo que prevalece no museu o ideal de educar e civilizar a sociedade (Hooper-Greenhill, 1999; Smith, 2014), este é um recurso ao alcance de todos para aceder a comportamentos que até recentemente eram atributo dos círculos académicos e intelectuais. A ida ao museu é um ritual da viagem e confirma a importância social e cultural do turista-visitante, agora, tornada pública através das redes sociais.

Salle de la Joconde 
Paris, Musée du Louvre
Foto: MIR, 2013

Room 4: Ancient Egypt, Egyptian sculpture
Londres, British Museum
Foto: MIR, 2018

Ao mesmo tempo, este fenómeno gerou uma bipolarização entre o conjunto de um pequeno número de grandes museus superlotados e um vasto número de pequenos e fascinantes museus que permanecem vazios. Enquanto estes têm de lutar pela sua sobrevivência, reinventando estratégias para se manterem abertos, os grandes museus universais, mesmo os que mantêm uma política de entradas gratuitas, têm o respetivo funcionamento garantido pelo volume do fluxo económico que gera.

No entanto, é em relação a estes grandes museus que se coloca a questão da sobrevivência do modelo de fruição e de perceção das obras expostas (Smith, & Smith, 2001; Smith, Smith, & Tinio, 2017) e da satisfação do observador decorrente da sua contemplação. Estes museus são espaços vivos e dinâmicos, com afluências pluralizadas, cumprindo o ideal que tem vindo a nortear a ação museológica. No entanto, tornaram-se espaços cansativos, desde as filas de acesso ao confronto com as multidões que circulam no espaço expositivo: a incessante correria ao longo do percurso; a (crescente) falta de assentos nas salas para facilitar a circulação; os grupos de turistas atrás dos guias que os conduzem e determinam o sentido da visita; as turbas que se aglomeram frente a obras convencionadas como referências; os visitantes que se posicionam para fotografar as obras e posam para as selfies; o convívio social (real ou virtual) indiferente à exposição ocupando o espaço de visualização.

Room 15: Claude and Turner
Londres, National Gallery
Foto: MIR, 2018

Room 43: Beyond Impressionism: Seurat, Gauguin, and Van Gogh
Londres, National Gallery
Foto: MIR, 2018

A ida ao museu pode proporcionar a satisfação pelo cumprimento de um comportamento social idealizado, mas deixou de ser um prazer. O gosto da contemplação, a experiência sensível e emocional da obra, os momentos de pausa e de íntimo repouso, tudo isso tende a desaparecer, ainda que o museu procure manter um ambiente propício à aquisição de conhecimento.

Não parece viável a permanência de atividades de lazer sem uma efetiva componente lúdica. E isso poderá acarretar a morte dos grandes museus – pelo menos do modo como os convencionámos e da forma como idealizámos a ida ao museu.

Se a isto acrescentarmos a crescente popularidade dos movimentos que denunciam o seu caráter colonialista e reivindicam a restituição das obras aos contextos de origem…

Referências bibliográficas:
Hooper-Greenhill, E. (Ed.) (1999). The educational role of the museum. London; New York: Routledge.
Smith, J. K. (2014). The museum effect: How museums, libraries, and cultural institutions educate and civilize society. Lanham, MD: Rowman & Littlefield Publishers.
Smith, J. K., Smith, L. F. (2001). Spending time on art. Empirical Studies of the Arts, (19), 229–236. DOI: 10.2190/5MQM-59JH-X21R-JN5J 
Smith, L. F., Smith, J. K., & Tinio, P. P. L. (2017). Time spent viewing art and reading labels. Psychology of Aesthetics, Creativity, and the Arts, 11(1), 77-85. DOI: 10.1037/aca0000049

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "O museu entre a vida e a morte," in a.muse.arte , 2018/08/12, https://amusearte.hypotheses.org/2578.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.