Um museu ao alcance de todos

Museu da Comunidade Concelhia da Batalha (MCCB) abriu em 2011 no centro histórico da Vila da Batalha, junto ao Mosteiro de Santa Maria Vitória. O tempo que, entretanto, passou podia ter sido pretexto para deixar cair os propósitos iniciais e abandonar-se ao desgaste que leva à decadência, ou aproveitar para amadurecer e consolidar uma missão que se assumia ambiciosa: ser um museu da região; ser um museu de todos, mas onde os locais identificassem a sua história, o seu património e as suas tradições, e abertos a todos, adotando uma matriz inclusiva e uma estratégia multimodal capazes de suprimir barreiras físicas, intelectuais, sensoriais ou linguísticas. Atendendo à complexidade dos equipamentos museográficos e dos instrumentos tecnológicos em que assenta, implicando uma constante manutenção e atualização, seria de temer que, ao cabo de sete anos, o museu tivesse envelhecido e não tivesse sido capaz de se manter fiel aos seus princípios. Sobretudo, considerando que a proximidade do Mosteiro da Batalha e o seu efeito mediático no turismo de massas poderiam ter um impacto negativo nos propósitos de um museu virado para a comunidade e induzir uma apresentação mais virada para um público indiferenciado e globalizado. Porém, não foi isso que aconteceu e este continua um espaço museológico estimulante com um discurso percetível e acessível.

Museu da Comunidade Concelhia da Batalha (MCCB)
Foto: MCCB | Público: Boa Cama Boa Mesa

Tudo isto se prolonga no sítio eletrónico do museu, cuja navegação obedece a uma lógica intuitiva, apesar do vasto acervo informativo que disponibiliza. É precisamente aí que se encontra uma declaração quase lapidar que deveria inspirar a elaboração de todos os projetos museológicos, mas, sobretudo, daqueles que, tendo ganho o reconhecimento do grande público, cristalizaram a sua atuação e persistem em procedimentos fossilizados que impedem a comunicação ativa e dialogante com quem os procura e visita:

“Este Museu assume-se como um espaço em constante mutação. Todos os serviços prestados são passíveis de melhoramento com vista a uma maior adequação às necessidades dos seus visitantes. Cada nova solução será ensaiada, testada e avaliada pelos seus utilizadores. Nenhuma solução é assumida como perfeita ou completa, nem adequada a todos.” (MCCB, s.d.)

O museu conta a história do lugar, em dois núcleos: a evolução do território desde os primórdios da ocupação humana até finais do século XIV; a história da Batalha, desde a Batalha de Aljubarrota até à atualidade, focada na construção do Mosteiro de Santa Maria da Vitória, iniciada em 1386.

A geologia e paleontologia do território é representada através de achados arqueológicos, complementados com réplicas tridimensionais, esquemas, ilustrações e textos, conduzindo à referência à evolução humana e à sua presença na região.

Geologia e paleontologia do território
Batalha, MCCB
Foto: MIR, 2018

Evolução humana
Batalha, MCCB
Foto: MIR, 2018

Evolução humana: esquema com represemtações em relevo
Batalha, MCCB
Foto: MIR, 2018

A ocupação romana nos vales férteis dos principais do Lena e do Lis está centrada nos vestígios da cidade de Collippo (atual São Sebastião do Freixo), com principal destaque para a escultura de um magistrado romano, togado e com cabeça e de um mosaico a preto e branco com a figuração do hipocampo.

Ocupação romana
Batalha, MCCB
Foto: MIR, 2018

Vitrina com achados da ocupação romana, incluindo o mosaico do hipocampo
Batalha, MCCB
Foto: MIR, 2018

A tela “Aljubarrota”, de Mário Rita, marca a transição entre os dois núcleos, enquanto a respetiva tabela alarga o seu significado, referindo o papel decisivo da batalha, não só para o local, ao determinar a construção do Mosteiro, como para a história de Portugal. Poderá registar-se, aqui, o ponto mais fraco da museografia, ao colocar a pintura num espaço estreito, de passagem, sem profundidade suficiente para uma adequada visualização; no entanto, também aqui a representação esquemática em relevo amplia a sua acessibilidade.

“Aljubarrota” de Mário Rita
Batalha, MCCB
Foto: MIR, 2018

“Aljubarrota” de Mário Rita: representação em relevo e tabela
Batalha, MCCB
Foto: MIR, 2018

O Mosteiro da Batalha, que se encontra a uns escassos duzentos metros, dispensa abordagens excessivas, enquanto autoriza alguns módulos didáticos como as maquetas do edifício, a réplica de elementos arquitetónicos, como o rendilhado da rosácea gótica na empena de um dos suportes, ou um modelo tridimensional da planta concebido como um jogo de blocos.

Mosteiro da Batalha
Batalha, MCCB
Foto: MIR, 2018

Mosteiro da Batalha: modelo tridimensional
Batalha, MCCB
Foto: MIR, 2018

Por outro lado, o Mosteiro é um fator determinante da identidade do lugar, no sentido em que a constituição do estaleiro da obra cria dinâmicas próprias e excecionais no contexto da província. Logo na década de 1450, surgem as primeiras tentativas de criação de um município autónomo, a que D. Manuel I deu resposta em 1500 com a elevação do lugar à dignidade de vila e sede de concelho com jurisdição própria. A planta do núcleo urbano com a indicação dos edifícios religiosos e urbanos e das vias de acesso atestam a importância da vila.

Vila da Batalha no século XVI
Batalha, MCCB
Foto: MIR, 2018

Vila da Batalha no século XVI
Batalha, MCCB
Foto: MIR, 2018

De referir, aqui, uma vitrina com livros sobre o Mosteiro. A exposição de livros é, em regra, muito limitativa dado que não permite a consulta do conteúdo, restringindo a observação às páginas em que se encontram abertos. Desde os primórdios das bibliotecas digitais que temos vindo a defender a sua articulação com as exposições museográficas, alargando o acesso ao conteúdo do livro, sem perder a ligação ao original. Entre as diversas experiências já realizadas neste âmbito, esta parece particularmente eficaz e acessível.

Vitrina com livros e dispositivo eletrónico com a respetiva versão em formato digital
Batalha, MCCB
Foto: MIR, 2018

A exposição é de caráter interpretativo, onde a comunicação visual se complementa com a informação textual, sucinta, mas clara e objetiva, quer nas legendas e nos textos parietais, quer nas folhas de sala. Os textos são transcritos em Braille. A visita pode, ainda, ser acompanhada por audioguias, que incluem dados descritivos e interpretativos acerca das peças expostas, além de informações práticas acerca dos elementos que podem ser manuseados e da utilização dos diversos dispositivos. O vasto e abrangente conjunto de recursos museográficos, analógicos e digitais, ao longo de todo o percurso, mantém-se adequado e autoriza uma análise enquanto estudo de caso para referência em projetos similares.

Peça para manusear com legenda em Braille
Batalha, MCCB
Foto: MIR, 2018

Guia de sala com versão do texto em Braille
Batalha, MCCB
Foto: MIR, 2018

Que este é um museu diferente, provam-no os diversos prémios com que foi distinguido ao longo destes anos e em que se salientam, entre outros: Melhor Museu Português do Ano, atribuído pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM), em 2012; Prémio Kenneth Hudson, atribuído pelo Fórum Europeu dos Museus na Bélgica, em 2013; Prémio Acesso Cultura, na sua primeira edição em 2014. Também a autarquia foi distinguida, em 2014, com a menção honrosa na primeira edição do Prémio “Concelho Mais Acessível” promovido pelo Instituto Nacional para a Reabilitação.

É, definitivamente, um museu que continua, no cumprimento da sua missão e propósito original, a ser um museu de todos. Ou um museu para todos, que se mantém ao alcance do nosso olhar, das nossas mãos, dos nossos sentidos. A isto não será alheio o acolhimento caloroso que nos é feito à entrada, como se nos convidassem a entrar numa casa de gente que gosta de receber os amigos – não fixei o nome da senhora que se lembrava de lá me ter visto “há dois ou três anos, não foi?” Foi. Há três anos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.