Júlio Pomar (1926-2018)

Não morreu, Júlio Pomar.
Nasceu em 1926; partiu em 2018.

Pode dizer-se que frequentou a Escola de Artes Decorativas António Arroio e, depois, a Escola Superior de Belas Artes, em Lisboa e, depois, no Porto, mas nem isso é relevante para definir a envergadura daquele que terá sido um dos mais importantes vultos da arte portuguesa (mundial?) do século XX.

O almoço do trolha
Júlio Pomar, 1946-47
Foto: Paulo Spranger / Global Imagens

Pode, também, dizer-se que assumiu a oposição ao regime salazarista, que se filiou no Partido Comunista, que foi preso pela PIDE, e isso é mais relevante porque enquadra a linguagem neorrealista das obras dessa época, onde veiculava desassombradamente a contestação política e social em torno dos problemas sociais do povo português, do campesinato ao operariado. E que, mesmo quando se afasta progressivamente dos postulados da ideologia política, abandonando a estética do naturalismo figurado, continuando a representar temáticas revolucionárias num novo tratamento mais expressionista e impulsivo, onde o sombrio é acentuado por contrastes de fundos mais luminosos.

Cegos de Madrid
Júlio Pomar, 1957-59
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian

Pode, também, dizer-se que, em 1963, se fixou em Paris, como bolseiro da Gulbenkian, e isso também é importante, porque lhe permitiu desenvolver novas linguagens estéticas, passando do expressionismo abstrato para a realização das primeiras assemblages com materiais encontrados, que viveu aí o maio de 68, e que há uma nova vivacidade e alegria nas pinturas cheias de contrastes vibrantes e manchas de cor.

Maio 68 (CRS-SS)
Júlio Pomar, 1969

Pode, também, dizer-se que o 25 de abril foi tempo de uma festa também sua e, talvez, alguma desilusão, mas esse tempo é sobretudo o da primeira retrospetiva, primeiro na Gulbenkian, em Lisboa, e depois, no Museu Soares dos Reis, no Porto, a que se seguiram grandes exposições em Portugal e no estrangeiro, a confirmar a sua projeção internacional.

Pode, também, dizer-se que, em 1992, pintou o retrato oficial do Presidente da República Mário Soares, porque era seu amigo e companheiro de prisão, onde mutuamente se vaticinaram os respetivos destinos.

Pode, também, dizer-se que, das viagens que fez ao Brasil, resultaram impressionantes séries de pinturas, Os mascarados de Pirenópolis e Os índios, mas o importante é olhá-las.

Casal de índios
Júlio Pomar, s.d.

Pode dizer-se tudo isto e nada disto importa, porque fica tudo por dizer e o mais importante é ver. Partiu Júlio Pomar. Não morreu.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *