Pavilhão da Santa Sé: a minha Expo’98

Há 20 anos, este foi o primeiro dia dos muitos que se lhe seguiram.

Sem tempo para pensar na imensidão do que acontecia, havia uma ideia que, de vez em quando, me assaltava: chegará o dia em que me lembrarei disto, sendo capaz de relevar o cansaço e as preocupações, o ritmo desenfreado, as visitas guiadas, as filas que era preciso conter, as pressões, a pressa dos visitantes, a vigilância contínua.

Pavilhão da Santa Sé: entrada
Lisboa, Expo’98

Lembro-me da visita coletiva seis meses anos e a escapar-me do resto do grupo para ir ver aquele que seria o nosso espaço, tentando encontrar caminho por entre buracos, ferros espetados, pedras, cimento, a cogitar que seria impossível tudo aquilo estar pronto na data prevista. Ao mesmo tempo que, junto aos muretes que se construíam junto à linha de água, imaginava que, se afinal, fosse possível, aquele lugar seria maravilhoso, face ao rio que, ali, parecia um mar.

Expo’98: construção Lisboa

Espaço do pavilhão da Santa Sé: construção
Lisboa, Expo’98

Lembro-me de, nessa visita, o Malangatana tentar descobrir qual seria o meu país e a perguntar-me, a seguir e um pouco indeciso face à minha roupa-meio-hippie e aos óculos de lentes amarelas, se me devia tratar por Madre – mais tarde, em Maputo, ríamo-nos disso…

Espaço do pavilhão da Santa Sé: montagem da exposição
Lisboa, Expo’98

Espaço do pavilhão da Santa Sé: montagem da exposição
Lisboa, Expo’98

Lembro-me das reuniões prévias, das dificuldades da burocracia, da quantidade de funções que nos foram atribuídas, das gargalhadas descontroladas quando achávamos que tudo aquilo era surreal, dos sustos que apanhámos… Lembro-me de como éramos poucos, incrivelmente poucos, a ultrapassarmos os limites, muito para lá do que imaginávamos ser capazes.

Pavilhão da Santa Sé: Exposição “Fons Vitae”
Lisboa, Expo’98

Pavilhão da Santa Sé: visita guiada a Jacques Delors
Lisboa, Expo’98

O “meu” pavilhão era um espaço expositivo, com obras de arte recolhidas por todo o país e outras que vinham do Vaticano. Um espaço que quebrava toda a lógica de feira que nos rodeava, forçando-nos a um esforço suplementar, na definição do espaço, na construção do discurso, na elaboração da museografia: mais espaços livres para uma circulação mais acessível; textos mais interpretativos e em várias línguas, mas também mais significativos e sintéticos; mais barreiras, suportes em ferro para suportar as lápides paleocristãs, placas de acrílico frente às peças que normalmente as dispensariam, para que não fossem tocadas; a necessidade de alargar o plinto sob a barca de Nossa Senhora da Morte que, mesmo assim, tinha que ser frequentemente pintado porque esta se tornou a peça com que quase todos se queriam fotografar; a ineficácia dos avisos a anunciar a aproximação de um espaço com água – a reconstituição de uma piscina batismal paleocristã – provocando algumas quedas molhadas e uma enorme quantidade de moedas para lá atiradas e que todos os dias recolhíamos. Lembro-me do visitante que nos queria comprar a enorme tapeçaria de Rafael, fazendo-nos ofertas chorudas que lhe impediam a compreensão face à nossa recusa. Lembro-me das cenas que nos faziam à porta, numa tentativa de ultrapassar a fila de entrada, e em particular daquele casalinho que nos surgiu com o teste de gravidez acabado de fazer como argumento para que lhe fosse dada a prioridade. Ou do bebé que era trocado à porta para acompanhar novos visitantes e a que recusei a entrada, creio que à quinta vez, com grande indignação dos acompanhantes cuja vez ainda não tinha chegado. Ou dos milagres que lá sucediam, com visitantes que entravam em cadeira de rodas e que, lá entrados, se levantavam e faziam a visita pelo próprio pé.

Lembro-me do primeiro dia – há precisamente – vinte anos, a tentar tirar os vestígios do jantar da véspera e, sobretudo, as canalizações e torneiras dos lava-louça, mesmo por baixo da designação do pavilhão, Santa Sede, criando uma analogia que nos divertia. E lembro-me de ir aos outros pavilhões, quase sem ninguém e a recear a falta de visitantes. Era, nesse dia, impossível, perspetivar as multidões que se lhe seguiram.

Pavilhão da Santa Sé: entrada
Lisboa, Expo’98

Lembro-me do nosso Dia Nacional, aproveitando a Festa S. Pedro, dia do Vaticano, a 29 de Junho. E lembro-me que, tempo antes, numa hora de almoço e no caminho entre a Católica e as Avenidas Novas, nos foi lançado o desafio de encontrar uma forma de animar o recinto, sem gastar dinheiro; e que foi a entre fatias de pizzas que fomos desenrolando ideias: aproveitar os coros de igreja; talvez uma procissão que, a ser, seria no mar. E podíamos armar um trono de São Pedro.

Espaço do pavilhão da Santa Sé: trono de São Pedro
Lisboa, Expo’98

E tivemos a sorte de encontrar uns estagiários a quem chamávamos “estropícios” que desenvolveram a ideia, percorram o país, convocaram boas vontades e levantaram entusiamos e, afinal, o dia nacional desdobrou-se em três dias de festa. Que a procissão ao mar se fez com a presença de pescadores vindos da costa entre Caminha e Tavira, a que se juntou a lorcha de Macau; as mulheres a armarem os andores na nave dos Jerónimos, as imagens entre flores e cores e perfumes; os homens que engalanavam os barcos; a partida da Doca e a chegada à Expo, entre os sustos que não nos atrevíamos a confessar, a emoção incontida quando as sirenes começaram a apitar e os marinheiros se posicionaram em formação nos mastros do Creolua.

Dia Nacional da Santa Sé: procissão ao mar
Lisboa, Expo’98

Dia Nacional da Santa Sé: navio-escola Creoula
Lisboa, Expo’98

Que a procissão se fez em terra, enquanto escondíamos o espanto porque se podia calar o medo e ficaram sem resposta os receios de que tudo corresse mal. Lembro a emoção, o esforço, o sofrimento dos homens que carregavam os andores; os andores que paravam debaixo da pala do Pavilhão de Portugal, quando ainda ou últimos estavam a sair do Teatro Camões.

Dia Nacional da Santa Sé: procissão
Lisboa, Expo’98

Lembro a missa dos Jerónimos, celebrada pelo cardeal Sodano e dedicada aos pescadores; e o cântico que ecoava nas pedras “sou homem, sou homem do mar”. E aos coros da igreja, juntaram-se outros e, a estes, outras artes e que todos os palcos disponíveis afinal pareciam poucos para tanta gente – mais de cinco mil pessoas e ainda os acompanhantes. E a pensar que iria chegar o dia em que iríamos recordar e, talvez, escrever, pensando que fica tanto por dizer, tantas histórias por contar, tanta gente por citar…

Já chegou o dia em que me lembro de tudo isso, com a nostalgia desse tempo incomparável. Foi imenso o que lá vivemos, o que lá criámos, o que lá aprendemos, o que lá vimos e sentimos e experimentámos. Hoje, por entre a nostalgia que tudo isso me causa, fica o assombro de terem já passado vinte anos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.