Clara Menéres, artista e profeta

Lembro da Clara Menéres, a ousadia e a irreverência, mas também o respeito e o calor com que nos acolhia no seu universo. Conhecia-a, depois de ter admirado a obra; trabalhámos juntas num projeto de que se perdeu a memória (e, efetivamente, grande parte dos resultados), mas ficou, desse tempo e além da amizade, o imenso respeito pela sua capacidade de ver para lá do horizonte.

Clara Menéres (1943-2018)

Para lá das notas biográficas que refletem a carreira de artista, escultora, professora e investigadora, fixo-me na memória da primeira obra que lhe conheci (há tanto, quanto tempo?) e se me revelou imensa e intensa: “Mulher-terra-vida”, onde emerge a entidade telúrica do seu feminismo. Revisitei-a, depois, tantas vezes com o mesmo assombro perante a aparente simplicidade daquele corpo de terra de onde brota a vida.

Mulher-Terra-Vida
Clara Menéres, 1977
Lisboa, Galeria Nacional de Arte Moderna, Exposição “Alternativa Zero”

Lembro a conversa onde se anunciava a conversão e o misticismo que emoldura o túmulo de Jacinta, na Basílica de Fátima.

Jacinta
Clara Menéres, 2000
Fátima, Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, túmulo de Santa Jacinta

Vejo aqui a mesma solidão – “Tão jovem! Que jovem era!” (Pessoa, 1942, p. 217) – naquele espaço imenso dos campos delineados que sinto em “Jaz morto e arrefece”1, numa transcrição quase literal do poema de Fernando Pessoa “O menino de sua mãe” (id., ibid.):

No plaino abandonado
Que a morna brisa aquece
De balas trespassado
– Duas, de lado a lado -,
Jaz morto, e arrefece.

Jaz morto e arrefece o menino de sua mãe
Clara Menéres, 1973
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian

Esta é a voz livre e desabrida, de quem denuncia com a audácia que não cede ao regime, contrapondo ao heroísmo valorizado pela propaganda, a figura do soldado-quase-adolescente, morto na Guerra Colonial sem motivos que fossem seus.

Foram tão múltiplas as suas vozes, como o foram os seus talentos. Retomando a resposta de Sócrates a Ion, nos Diálogos de Platão e que citou, em 2015, no Colloque international “Art et Connaissance : recherches à partir de Raymond Abellio: “le poète, de même que les prophètes, ne tirent pas leur talent d’un art ou d’une science, mais d’une inspiration qui leur est communiquée par les dieux” (cit. in Menéres, 2015).

Clara Menéres, a artista, é profeta na sua clarividência.

Referências bibliográficas:
Pessoa, F. (1942). Poesias. Lisboa: Ática.
Menéres, C. (2015). L’artiste et le prophète. Comunicação apresentada no Colloque international “Art et Connaissance : recherches à partir de Raymond Abellio, Porto, Universidade Católica Portuguesa. Disponível em https://vimeo.com/152969732 

Fonte das fotografias de Clara Menéres:
https://www.publico.pt/2018/05/11/culturaipsilon/noticia/morreu-a-escultora-clara-meneres-1829668/amp
http://rr.sapo.pt/video/130326/clara-meneres-o-santuario-de-fatima-e-um-espaco-escolhido-por-deus

  1. Atualmente na exposição “Pós-Pop: Fora do lugar-comum: Desvios da ‘pop’ em Portugal e Inglaterra, 1965-75), patente até 10 de Setembro na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.