Cruz processional da Sé do Funchal: Diferentes modos de ver

… uma cruz grande dourada, que de prata pesa
oitenta e dois marcos, vinte onças e duas oitavas …

“Ordem régia a João de Barros, tesoureiro, para que entregue a Álvaro Lopes, cónego da Sé do Funchal, a prata destinada à mesma Sé”
Lisboa, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Cabido da Sé do Funchal, mç. 10, n.º 17, PT/TT/CSF/017/M10/17.

Funchal tinha sido elevado à categoria de cidade em 1508, o bispado tinha sido criado em 1514 e a Sé do Funchal, a primeira do “resto do mundo” tinha sido consagrada em 1517, altura em que já estava concluído a capela-mor com o seu monumental retábulo (o único desta época que se conserva íntegro e in situ) quando rei D. Manuel ordenou mandou lavrar um conjunto de vinte alfaias de prata para engrandecer o tesouro catedralício, as quais chegaram à ilha em 1528, já depois da morte do rei. Depois de ultrapassar várias vicissitudes, como o saque dos corsários franceses em 1566, ou as alterações do gosto que no século XVIII ditaram o desaparecimento das antigas alfaias, desse espólio manuelino restam quatro peças: porta-paz (MASF62), caldeirinha (MASF436), maça de porteiro (MASF65) e cruz processional (MASF56).

Cruz processional (pormenor do verso)
Ourivesaria Portuguesa, Lisboa (?), c. 1527
Prata dourada, relevada e cinzelada
Alt. 127 cm x larg. 55 cm
Prov.: Sé do Funchal
Funchal, MASF56
Foto: Arquivo MASF

A cruz processional em prata dourada, “a mais esplendorosa das nossas cruzes processionais de estilo gótico final” (Gonçalves, 1986, p. 177), é uma cruz latina, com nó de estrutura arquitetónica, haste e braços preenchidos por enrolamentos vegetalista em meio-relevo e com extremidades trilobadas, em que se inserem quadrifólios, definidos por um lourel com cintas que se prolonga ao longo da cruz até ao quadrifólio seguinte, os quais apresentam, no verso, cenas relativas à Paixão de Cristo (Flagelação, Oração no Horto, Beijo de Judas e Ecce Homo) e, no reverso, as figuras dos Quatro Evangelistas (São Marcos, S. João, S. Lucas e S. Mateus). No cruzamento da haste com os braços, destaca-se, em vulto, a figura do crucificado, colocada posteriormente (Ferreira, 1963), e, no reverso, a representação de Cristo Redentor Mundi. Porém esta “cruz processional salienta-se pelas dimensões do seu maciço nó que apenas possui obra comparável na cruz de João Rodrigues da Colegiada de Guimarães” (Silva, 1995, p. 187). Trata-se, segundo António Nogueira Gonçalves (1986, p. 177), de “um nó muito desenvolvido, em forma de templete, com pináculos, arcobotantes, etc., enfim como se fosse uma catedral dos finais de Quatrocentos”. De base recortada e estruturado em três registos, inserem-se nesta estrutura arquitetónica de densas referências góticas, figurinhas em meio vulto assentes sobre mísulas encimadas por baldaquinos, representando os profetas e o apostolado. No remate superior, em ambas as fases, inserem-se as armas de D. Manuel I, sustentadas por anjos e ladeadas por duas esferas.

Pela sua monumentalidade, pela magnificência do trabalho da prata, pelo seu valor patrimonial histórico e artístico, esta é a obra mais emblemáticas do tesouro da Sé do Funchal e, agora, do Museu de Arte Sacra do Funchal (MASF), sendo-o também um dos mais relevantes exemplares da ourivesaria portuguesa.

 

Cruz processional
Exposição “500 anos da dedicação da Sé do Funchal”
Funchal, MASF
Fotos: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

Por isso, a cruz processional figurou na sala que abria a exposição “500 anos da dedicação da Sé do Funchal: Fé, arte e cultura: Um olhar sobre a obra do Padre Pita Ferreira”, integrada nas comemorações do 5.º centenário da Sé do Funchal. Porém, só esteve aí exposta entre outubro e novembro de 2017, altura em que foi retirada para integrar a exposição “As Ilhas do Ouro Branco: Encomenda artística na Madeira (séculos XV-XVI)” no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA). Esta contingência permitiu a elaboração de uma estratégia museográfica, assente num modelo de múltiplas representações e conexões, com grande eficácia para a compreensão do objeto.

Sem o objeto físico-original, a cruz processional é representada em diversas modalidades: a primeira reprodução fotográfica feita por Carlos Relvas, em 1882, por ocasião da Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa, no Palácio dos Condes de Alvor (atual MNAA), em Lisboa; moldes em escala real de figuras e cenas religiosas representadas na cruz; um registo de vídeo com imagens da cruz e das restantes peças remanescentes do conjunto de alfaias oferecidas por D. Manuel.

Cruz processional: museografia
Exposição “500 anos da dedicação da Sé do Funchal”
Funchal, MASF
Fotos: MIR, 2018

O “efeito-museu” (Alpers, 1991; Putnam, 2000) é um fenómeno de descontextualização e de distorções que inevitavelmente ocorre ao tirar o objeto do contexto original-funcional, que lhe conferia sentido, para o integrar num ambiente ficcionado. No entanto, as distorções que a museografia opera não são necessariamente negativas, no sentido em que aproximam do olhar do observador e lhe disponibilizam novas formas de ver.

A cruz processional não se encontra efetivamente na exposição “500 anos da dedicação da Sé do Funchal”. Porém, o museu faculta essas outras formas de ver, não só da cruz que foi retirada da exposição, mas das restantes alfaias manuelinas, que se encontram na exposição temporária do MNAA. Enquanto, face ao objeto real, há um aparato museográfico e um conjunto de normas que, explícita e implicitamente, afastam o observador, as suas representações estimulam a aproximação e o contato sensorial, para lá da mera visibilidade. O texto identifica e interpreta aquilo que é dado ver. Os registos vídeo, além de recuperar a presença das quatro alfaias manuelinas, estabelecem a relação entre elas e, através de ampliações, captam a atenção para detalhes que dificilmente são apreendidos na observação do objeto real encerrado na vitrina. Os moldes tridimensionais também admitem uma maior aproximação visual, mas sobretudo permitem o toque, concedendo uma experiência tátil e uma perceção da textura, do relevo e da volumetria interditas na obra original.

Exposição “500 anos da dedicação da Sé do Funchal”: visita guiada por Elisa Freitas junto ao módulo interpretativo da cruz processional
Funchal, MASF
Fotos: Martinho Mendes / Arquivo MASF, 2018

Não se trata de um projeto experimental de realidade aumentada, ou de ensaios no âmbito das humanidades digitais, mas da utilização de um conjunto de instrumentos analógicos e audiovisuais. Pode projetar-se novos desenvolvimentos e ensaios, integrando a tecnologia digital1, quer ao nível da informação e comunicação, quer da impressão 3D.

Cruz processional: museografia
Exposição “500 anos da dedicação da Sé do Funchal”
Funchal, MASF
Fotos: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

As estratégias museográficas ensaiadas pelo MASF em torno da cruz processional não são inéditas, mas estão atualizadas e demonstram a possibilidade de, mesmo em museus de pequena dimensão e com equipas reduzidas, introduzir instrumentos interpretativos que alargam o conhecimento e a experiência do objeto.

Referências bibliográficas:
Alpers, S. (1991). The museum as a way of seeing. In I. Karp e S. D. Lavine (Eds. Lit.), Exhibiting cultures: The poetics and politics of museum display (pp. 25–31). Whashington; Londres: Smithsonian Institution Press.
Ferreira, M. J. P. (1963). A Sé do Funchal. Funchal: Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal.
Gonçalves, A. N. (1986). A ourivesaria manuelina. In P. Dias (Ed. lit.), História da arte em Portugal (v. 5): O manuelino (pp. 167-177). Lisboa: Alfa.
Putnam, J. (2000). Art and artifact: The museum as medium. New York: Thames and Hudson.
Silva, N. V. e, (1995). A ourivesaria no período manuelina. In P. Pereira (Dir.), História da arte portuguesa (v. 2): Do “modo” gótico ao manuelino (pp. 181- 197). Lisboa: Círculo de Leitores.
Relvas, C. (1883). Exposição retrospectiva de arte ornamental em Lisboa : MDCCCLXXXII: Album de phototypias a beneficio da Santa Casa da Misericordia da Gollegã / clichés de C. Relvas; photyp. de J. Leipold. Lisboa : [s.n.] (Lisboa: na Oficina de J. Leipold).

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Cruz processional da Sé do Funchal: Diferentes modos de ver," in a.muse.arte , 2018/03/24, https://amusearte.hypotheses.org/2224.
  1. Nesta exposição, a tecnologia digital é utilizada na realização de um modelo 3D que reproduz a 360º a estrutura retabular do altar-mor da Sé do Funchal. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.