Uma lição de museologia numa exposição temporária

Exposição “500 anos da dedicação da Sé do Funchal: Fé, arte e cultura: Um olhar sobre a obra do Padre Pita Ferreira”
Funchal, Museu de Arte Sacra do Funchal, 18 out. 2017 – 31 mar. 2018

Pode um museu subsistir quando uma parte considerável do espólio em exposição permanente é cedido a outra instituição, durante alguns meses? Pode! E a confirmação surge através de uma lição de museografia – e, por conseguinte, também de museologia – dada pelo Museu de Arte Sacra do Funchal (MASF), a apontar ainda vias de diálogo e cooperação entre instituições, apesar das diferentes missões e distintas tutelas.

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: núcleo 1, vista geral da sala 1
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

Numa altura de comemoração, assinalando os 500 Anos da Dedicação da Sé do Funchal1, seria expetável que o museu centrasse as atenções no seu espaço e se exibisse através da excelência da própria coleção, apontando os projetores para as obras que melhor o definem. Não foi o caso, porém. Na exposição “As Ilhas do Ouro Branco: Encomenda artística na Madeira (séculos XV-XVI)” que, desde o passado mês de novembro se encontra no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) a assinalar os 600 anos da descoberta da Madeira e do Porto Santo, encontram-se 33 obras, entre pintura, escultura e ourivesaria, saídas do circuito da exposição permanente do MASF.

A circunstância terá aguçado o engenho e, perante o desfio de salas despojadas, o MASF superou-se numa exposição temporária que marca a efeméride catedralícia e se estende por todo esse espaço, com um discurso enunciado a partir da obra do Padre Pita Ferreira2. O centenário da Sé é comemorado através da memória de quem a estudou e divulgou, em particular, na monografia A Sé do Funchal (1963). No texto introdutório à exposição, lê-se que esta obra “assinala o ponto de partida que orientará o diálogo com os núcleos de arte sacra presentes na exposição”. No entanto, ainda que o tema da Sé seja prevalecente, a exposição abrange o património religioso da Madeira, refletindo o âmbito da investigação do Padre Pita Ferreira.

Cartaz da exposição, a partir da imagem de capa da monografia da Sé do Funchal, de autoria do Padre Pita Ferreira
Funchal, MASF

 

A narrativa desenvolve-se em três núcleos, cada um dos quais com um encadeamento ou uma alternância de assuntos, ou subtemas, nitidamente estruturados.

  • Núcleo 1: A Sé do Funchal: Do livro ao objeto;
  • Núcleo 2: O gosto pela arte flamenga e o tempo dos retábulos;
  • Núcleo 3: A catedral na cidade: Uma imponente construção de pedra.

A primeira sala do percurso expositivo funciona como epígrafe, em consonância com o respetivo título: a celebração dos “500 anos da dedicação da Sé do Funchal”; e “Um olhar sobre a obra do Padre Pita Ferreira”.

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: na parede, ao centro, o texto da sagração da Sé; em primeiro plano, vitrina com a obra do Padre Pita Ferreira
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: vitrina com a obra do Padre Pita Ferreira
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

A dedicação da catedral, cujo significado litúrgico se elucida no texto introdutório, é evocada através do documento da sagração e de um conjunto de alfaias primevas ao serviço desta igreja3. O conjunto de banqueta4 do altar-mor, usado “nas grandes solenidades e que chama a atenção de quem visita a catedral” (Pereira, 1963, p. 197), está colocado no eixo do documento da sagração, face à vitrina com a monografia da Sé, aberta nas páginas com o texto e imagem que se lhe refere, tipificando a triangulação que, ao longo de toda a exposição, se estabelece entre o objeto, a Sé e a obra do Padre Pita Ferreira. Dada a sua monumentalidade, o conjunto assenta num degrau mais baixo do que a altura convencional de uma banqueta, mas mantém a analogia com a disposição litúrgica e simétrica dos três pares de castiçais a ladear a cruz de assento; além disso, num exercício de contextualização museográfica, na vitrina, junto à monografia, está exposta uma fotografia do conjunto disposto de forma escalonada, remetendo para a prescrição canónica da disposição ascensional dos lumes no sentido da cruz.

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: conjunto de banqueta, face à vitrina com a obra do Padre Pita Ferreira
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: vitrina com documentação do Padre Pita Ferreira relativa ao conjunto de banqueta
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

A obra do Padre Pita Ferreira é apresentada através de um relevante núcleo documental, bibliográfico e arquivístico, incluindo monografias e periódicos, documentos datilografados e manuscritos, fotografias e outros elementos gráficos, exposto na primeira sala. Provenientes de arquivos e bibliotecas da região, coleções públicas e privadas, muitos dos documentos são aqui mostrados ao público pela primeira vez. A recolha efetuada, refletindo um aturado trabalho de investigação, constitui doravante um instrumento crucial para estudos no âmbito do património cultural madeirense.

Se, por um lado, esta espaço inicial introduz o mote declinado ao longo de toda a exposição, por outro, apresenta uma síntese do modelo museográfico que, a partir daqui, se desenvolve: o cruzamento entre a obra exposta e a respetiva referência aos trabalhos do Padre Pita Ferreira, nomeadamente, através de legendas descritivas e interpretativas complementadas com trechos fac-similados das suas obras; uma ponderada utilização da componente textual para o esclarecimento dos objetos, com várias camadas de informação disponibilizada a forma a não sobrecarregar o espaço expositivo; o recurso equilibrado a meios audiovisuais e digitais, sem cair em estridências tecnológicas; uma museografia meticulosa e discreta, permitindo algumas soluções mais cénicas, sensoriais e apelativas, isentas de exageros; um percurso expositivo bem proporcionado, deixando espaço para a observação individual de cada objeto e permitindo estabelecer conexões com os restantes; a elaboração de uma narrativa clara e coerente, com uma sequência lógica, cujo sentido é facilmente apreensível.

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: núcleo 1, vista geral da sala 2
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: visita de estudo na sala 2 do núcleo 1; na base da vitrina, legendas e, ao fundo, extratos da obra do Padre Pita Ferreira, relativos às peças expostas
Funchal, MASF
Foto: Martinho Mendes / Arquivo MASF, 2017

A Sé do Funchal, vista através da polaridade entre o “livro” e o “objeto” prossegue através do diálogo entre alfaias (ourivesaria) e imaginária (esculturas com adereços em prata), provenientes da Sé e datadas de entre os séculos XVII e XVIII. Nas legendas de cada peça, o cotejo com a monografia introduz um complemento informativo, quer em relação ao historial, quer em relação à funcionalidade litúrgica.

O epílogo deste núcleo constrói-se através da exposição fragmentada do camarim, mandado construir em 1648 pela Confraria do Santíssimo Sacramento e que, na Semana Santa, era montado num dos altares da Sé para a solene deposição das hóstias consagradas na Quinta-Feira. Dada a monumentalidade e as sucessivas transformações que truncaram a estrutura original, o camarim é exposto desmontado, enquanto o texto da sala introduz o historial e descreve-o como “estrutura móvel de grande aparato em forma de pirâmide escalonada constituída por painéis de madeira esculpidos em baixo-relevo, retratando narrativas associadas ao tema da eucaristia”.

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: núcleo 1, vista geral da sala 3, com o camarim da Sé
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

As legendas, as citações da obra do Padre Pita Ferreira, o registo de testemunhos (uma transcrição do diário de Isabella de França5, as fotografias, uma aguarela de Max Römer (1878-1960), contribuem para recuperar a sua fisionomia original, restabelecendo a relação entre os fragmentos e recolocando-os nessa disposição perdida, ao mesmo tempo que a disposição das peças e a introdução de elementos museográficos, como plintos e vitrinas, permitem centrar a observação na entidade significante de cada um dos seus componentes. Se esta dispersão sublinha os aspetos visuais do conjunto, a presença da Urna do Santíssimo (MASF 71), do ostensório (MASF 238) e do véu de ombros (MASF 166), com as respetivas legendas interpretativas, proporciona a interpretação do ritual e do sentido litúrgico e devocional que lhes estão associados.

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: núcleo 2, vista geral da sala 1
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

O núcleo 2, dedicado à arte flamenga e retabular, abre com uma abordagem de cariz didático em torno do retábulo quinhentista da Sé do Funchal e dos trípticos flamengos do MASF, que, não estando efetivamente expostos, são reconstituídos através de painéis de texto, reproduções, imagens de pormenor, ecrãs com registos audiovisuais e modelos animados 3D. A modularidade dos suportes permite articular diferentes linguagens, textuais e gráficas, de grande eficácia informativa acerca das tipologias retabulares, ciclos iconográficos, técnicas e materiais. A virtualização dos objetos que, pela sua natureza ou por outras circunstâncias, não podem estar materialmente expostos, cria uma alternativa que, não pretendendo afirmar-se como substituto, contribui para a linearidade do discurso museológico e interpela o observador para lá da passividade inerente à simples observação da obra exposta. Ou seja, estes espaços didáticos não reivindicam a qualidade de protagonista, que é privilégio do objeto original, mas assumem-se como coadjuvantes na narrativa que ambos interpretam. Proporcionam, além disso, uma oportunidade de reconstituição imaginária, no sentido enunciado por Malraux (1947), isto é, a possibilidade de reunir peças dispersas, de ensaiar recomposições e reposicionamentos, de completar espaços truncados. Ao autorizar novos pontos de vista e perspetivas, a observação torna-se mais dinâmica e poliédrica.

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: núcleo 2, vista geral da sala 2
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

Neste núcleo, o discurso assume a sequência dissertiva dos ciclos iconográficos retabulares de Cristo e da Vigem Maria e representações de Santos. Passam, por aqui, as cenas relacionadas com o Nascimento de Cristo (Anunciação, Natividade e Adoração dos Magos), episódios da infância de Cristo (Fuga para o Egito, Apresentação do Menino no Templo e Jesus entre os Doutores), o Batismo de Cristo, que marca o início da sua vida pública, o tema da Paixão e Morte (Calvário e Descida da Cruz), pontuadas pelas representações maternais da Virgem com o Menino. O desfecho desta narrativa celebra a vida “Para além da morte”, a partir da representação do Trânsito da Virgem. As encomendas de pintura e escultura a oficinas portuguesas ou flamengas permite identificar os santos e devoções das primeiras comunidades na Madeira, nomeadamente, São Tiago Menor, padroeiro do Funchal desde 1521, e São Roque, ambos invocados como protetores contra a peste.

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: núcleo 2, sala 6; à direita, “O trânsito da Virgem”, pintura cedida pelo MNAA
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

A completar o acervo do museu e em regime de permuta, encontram-se aqui, cedidas pelo MNAA, dez pinturas portuguesas da primeira metade do século XVI, atribuídas a Jorge Afonso, Garcia Fernandes, Gregório Lopes, Cristóvão de Figueiredo e o Mestre de 1549, propiciando novos olhares e um conjunto de conexões inéditas em torno da arte flamenga. O discurso é intencionalmente catequético, apoiado em textos parietais e legendas interpretativas.

O núcleo 3, na torre-mirante do museu com vista sobre a torre da Sé, aborda o edifício e a sua relação com a paisagem urbana do Funchal e a geodiversidade da ilha. A vista da torre sineira confirma a variedade da pedra utilizada na construção, enquanto, nas salas que antecedem o mirante, o visitante pode “sentir” (ver e tocar) os 7 tipos de pedras vulcânicas com cerca de 25 variedades cromáticas que caraterizam a fachada da Sé. Fotografias, postais ilustrados, álbuns, mostram diferentes vistas da Sé a partir de diferentes pontos da cidade.

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: núcleo 3, vista geral da sala 1
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: visita de estudo na sala 1 do núcleo 3
Funchal, MASF
Foto: Martinho Mendes / Arquivo MASF, 2017

O epílogo de todo este discurso situa-se no mirante: é o “não-espaço” que define o caminho até à Sé, numa reflexão a partir do que aqui ficou dito.

Vista da torre da Sé, a partir do mirante do MASF
Funchal
Foto: Dália Guerreiro, 2018

A construção do guião, a linearidade com que insere os objetos e o uso acertado dos instrumentos museográficos que potenciam a perceção do discurso expositivo, tudo contribui para que esta, além de uma belíssima exposição, seja também uma lição de museologia.

Referências bibliográficas:
Clode, L. P., & Ferreira, M. J. P. (1951). Património artístico da Ilha da Madeira: Catálogo ilustrado da exposição de ourivesaria sacra realizada no convento de Santa Clara do Funchal em 1951. Funchal: Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal.
Clode, L. P., & Ferreira, M. J. P. (1954). Exposição de esculturas religiosas: Catálogo. Funchal, Madeira: Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal.
Documento de sagração da sé do Funchal. (1517, 18 out.). Acedido em http://www.arquipelagos.pt/arquipelagos/imagePopUp.php?id=9604
Ferreira, M. J. P. (1963). A Sé do Funchal. Funchal: Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal.
França, I., Nascimento, J. C. (int. e trad.), & Simões, J. M. S. (anot.). (1970). Journal of a visit to Madeira and Portugal: 1853-1854 = Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal. Funchal: Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal.
Malraux, A. (1947). Le musée imaginaire. Genève: Albert Skira.

Agradecimentos:
Agradeço ao MASF e, em particular a Martinho Mendes, a cedência de dados e fotografias que viabilizaram este post.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Uma lição de museologia numa exposição temporária," in a.muse.arte , 2018/03/24, https://amusearte.hypotheses.org/2199.
  1. O bispado do Funchal foi criado em 1514, pela bula ‘Pro excellenti‘ do papa Leão X, tendo sido nomeado bispo D. Diogo Pinheiro, vigário geral da Ordem de Cristo. O altar-mor da sé foi sagrado a 18 de outubro de 1517, tendo sido dedicado a Nossa Senhora da Assunção e às Onze Mil Virgens por D. Duarte, Bispo de Dume, o qual tinha sido enviado pelo primeiro bispo do Funchal para exercer o múnus episcopal em seu lugar. Alguns autores, seguindo textos de cronistas insulares, referem a sagração da sé no ano de 1516, mas o documento da sagração refere o “anno quingentesimo decimo septimo”. []
  2. Manuel Juvenal Pita Ferreira (16 de abril de 1912 – 9 de outubro de 1963), ordenado padre em 1935, além do cumprimento das funções sacerdotais, foi professor de história sacra e pastoral no Seminário Maior Diocesano e foi membro da Comissão Conservadora do Museu de Arte Sacra da Diocese do Funchal. Em coautoria com Luís Peter Clode, elaborou os catálogos das exposições de ourivesaria sacra (Clode e Ferreira, 1951) e escultura religiosa (Clode e Ferreira, 1954). Publicou, ainda, obras de divulgação do património artístico e etnográfico, além de outras de teor catequético. []
  3. No primeiro mês, entre outubro e novembro de 2017, esteve aqui a exposta a cruz processional manuelina. A cruz integra a exposição “As Ilhas do Ouro Branco: Encomenda artística na Madeira (séculos XV-XVI)”, no Museu Nacional de Arte Antiga. []
  4. Segundo o Padre Pita Ferreira (1963, p. 197), este conjunto de banqueta foi mandado fazer por D. José da Costa Torres, bispo do Funchal entre 1784 e 1796, ao ourives António José Roque (1792–1804) que o executou na quase totalidade, tendo sido concluído pelo ourives Custódio José da Cunha (1770-1843), utilizando grande parte das pratas oferecidas por D. Manuel e outras pertencentes à Sé e à Colegiada de Machico. O conjunto continua a pertencer à Sé e foi cedido ao MASF para esta exposição. []
  5. Isabella de França (1795-1880), casada com um comerciante inglês de ascendência madeirense, visitou a ilha da Madeira durante a lua-de-mel e fez o registo pormenorizado da viagem num diário ilustrado a aguarela.  O diário foi adquirido em Londres por um colecionador particular, Dr. Frederico de Freitas, cujas coleções foram legadas à Região Autónoma da Madeira. O diário de Isabella de França foi publicado em edição bilingue inglês-português, em 1970. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.