A mulher na arte: mais objeto que sujeito

Os estudos de género incluem linhas de investigação no âmbito da história e da crítica da arte no feminino. Linda Nicholin (1931-2017) escreveu, em 1971, o artigo seminal “Why have there been no great women artists?”1 onde expunha as barreiras impostas pela sociedade que, ao longo dos tempos, impediram as mulheres, não apenas de enveredar pelo caminho da arte, mas também de serem reconhecidas nesse domínio, ao mesmo tempo que acusa uma visão subjetiva da história da arte baseada numa perspetiva ocidental-ariana e masculina: “In the field of art history, the white Western male viewpoint, unconsciously accepted as the viewpoint of the art historian, may – and does – prove to be inadequate not merely on moral and ethical grounds, or because it is elitist, but on purely intellectual ones.” (2018, p. 146)

Para lá das exceções que confirmam a regra, o papel, ou a intervenção, da mulher tem fraca representatividade ao longo da história. Na história da arte, mantém-se a disparidade entre o número de artistas masculinos e femininos, mas acrescenta-lhe uma outra, entre o número de mulheres e de homens representados na arte, onde a tendência se inverte, com claro predomínio da figura feminina. Na arte, a mulher não é o sujeito, mas o objeto.

O facto de se reconhecerem algumas artistas, pintoras como Artemisia Gentileschi, Angelica Kauffmann, ou Josefa d’Óbidos, a sua presença da mulher enquanto sujeito é residual na história da arte. A constatação do facto acarreta, em regra, justificações sem profundidade sociológica que sublinham implicações negativas.

Às invocadas razões da incapacidade da mulher, contrapõe-se o argumento provado da sua subjugação ao homem no contexto de uma sociedade patriarcal e androcêntrica. À mulher era, simplesmente, negado o espaço fora das fronteiras do lar, tal como lhe era vetado o direito à expressão. Mesmo quando se começa a identificar o nome de artistas-mulheres, vem geralmente citado em função da sua relação com os artistas-homens que, de alguma maneira, as abafam de forma mais ou menos deliberada: Berthe Morisot viveu à sombra de Eugène Manet; Camille Claudel, de Auguste Rodin; Frida Kahlo, de Diego Rivera; Sarah Afonso, de Almada Negreiros…

Por outro lado, a história da arte tem insinuado a ocorrência de uma pintura feminina, associando a pintura feita por mulheres a temas da família, da maternidade, da infância, reforçando o conceito de um universo particular da mulher-mãe e das suas implicações familiares e domésticas. E, no entanto, nem estes temas são exclusivos das artistas-mulheres, nem as suas obras se limitam a estes temas.

Não será possível reverter o passado, tal como não será possível recuperar a informação relativa às mulheres que a história deixou esquecidas. Apenas vamos a tempo de repensar a nossa atitude face aos artistas contemporâneos. Reconhecendo que as mulheres têm vindo a reivindicar e a assumir o seu lugar na arte, as questões da paridade ainda não estão resolvidas.

Linda Nicholin apenas iniciou uma via de pesquisa, elaborando questões e enunciando hipóteses, mas abriu um imenso campo de análise que não ainda não está suficientemente desenvolvido. Nicholin terá cumprido a sua função, mas a investigação que iniciou não teve uma adequada continuidade – até por ela própria que ficou agarrada às questões iniciais. Os estudos neste âmbito também se têm mantido numa perspetiva ocidental, ou em restritivas questões de género centradas na bipolaridade homem-mulher. Falta, ainda, uma análise alargada e em profundidade acerca das barreiras que, ao longo da história, erradicaram a mulher da arte, das lutas e das ruturas para quebrar o sistema instituído, para compreender os limites que, ainda hoje, se colocam à paridade, quer em termos de oportunidades, quer quanto à sua valorização equitativa.

A mulher é cada vez mais o sujeito da produção artística e, como tal, a sua obra é reconhecida e estudada. Porém, continua a faltar o estudo da representação da mulher na arte, a forma como é objetificada e, também, a forma como esta objetificação é percecionada e avaliada ao longo dos tempos e na contemporaneidade.

Referências:
Nicholin, L. (2018). Women, art, and power and other essays. New York: Routledge.

  1. O artigo foi publicado pela primeira vez, em 1971, na revista Art News (1971, jan, 69, 9: número especial dedicado a Women’s liberation: Women artists and art history, pp. 22-39, 67-71) e  na obra Woman in sexist society: Studies in power and powerlessness (eds. Vivian Gornick e Barbara Moran; New York: Basic, 1971, pp. 344-366); posteriormente foi publicado em Art and sexual politics (eds. Thomas B. Hess e Elizabeth C. Baker; New York: Collier Books, 1973, pp. 1-39). Entretanto, tem sido repetidamente republicado, nomeadamente, em 1989, na obra antológica de Nicholin, Women, art, and power and other essays (New York: Harper & Row; London: Thames and Hudson). []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *