Portugal para inglês ver

Portugal foi eleito o Melhor Destino Turístico do Mundo na 24.ª cerimónia anual dos World Travel Awards (WTA), realizada em Phu Quoc, no Vietnam, no passado dia 10 de dezembro, cerca de três meses depois de ter sido reconhecido como o Melhor Destino Europeu, também pelos WTA. Além deste, vieram para Portugal os galardões de Melhor Citybreak do Mundo, para Lisboa, Melhor Destino Insular, para a Madeira, Melhor Exemplo de Recuperação de Património, para os Parques de Sintra-Monte da Lua, bem como de Melhores Campanhas de Promoção Turística e, pela quarta vez consecutiva, a Melhor Organização de Turismo do Mundo, para o Turismo de Portugal.

Lisboa, Praça do Comércio
Foto: Pxhere, 2017

É o reconhecimento e a confirmação do fenómeno de crescimento turístico que se tem vindo a observar nos últimos anos. Enquanto destino, Portugal deixou de ser (apenas) o Algarve, na tipologia de sol e praia, ou Fátima, na tipologia de turismo religioso. As motivações dos turistas ampliaram-se e os tempos de permanência também cresceram. Em parte, Portugal tem beneficiado da instabilidade social e política que tem desviado os turistas de alguns destinos mais tradicionais. Além disso, num processo circular de causa-efeito, tem também beneficiado do reforço das rotas aéreas. No entanto, serão sobretudo as políticas adotadas em Portugal que estão a surtir efeito, não só a nível da promoção externa, como a nível do aumento e da melhoria de infraestruturas e acessibilidades. No Vietname, a Secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, na euforia da receção dos prémios WTA, justificava:

“É reconhecimento do trabalho que tem sido desenvolvido ao longo dos anos por todos os que estão de alguma forma ligados ao turismo. Mas é igualmente o reconhecimento pelo país que temos. Um país autêntico, inovador, que se soube reinventar, que reúne uma grande variedade de experiências e paisagens, um país que junta cosmopolitismo, história, tradição, sol, natureza e gastronomia. Um país que sabe e que gosta de acolher todos”. (Cit. in Cruz, 2017, 10 dez.)

História, tradição, cultura, património, gastronomia são as motivações dos turistas.  Em Lisboa, os turistas fazem fila à entrada dos monumentos, entram nos museus e descobrem aspetos que muitos dos residentes ignoram.

Os dados disponibilizados pela Direção-Geral do Património Cultural (2017) confirmam que, entre 2011 e 2016, cerca de 84% dos visitantes são estrangeiros. Não obstante, é significativa a evolução positiva do número total de visitantes durante este período, com uma taxa de crescimento de 44%; no caso particular dos museus, este crescimento é maior (54%), mas a tendência é idêntica nos monumentos e palácios.

Lisboa, Rua Augusta
Foto: Pxhere, 2017

O património precisa do retorno económico que deriva deste fluxo do turismo. Isto é genericamente aceite, mesmo por quem denuncia os efeitos perversos da vaga turística que empurra os residentes para fora dos bairros antigos, nomeadamente, a perda de autenticidade e de identidade do lugar. O património precisa de dinheiro para a sua conservação, interpretação e divulgação e isso também é reconhecido mesmo por quem teme que as massas de turismo possam causar danos materiais ao património – tornou-se viral a imagem dos casacos pendurados no túmulo de Alexandre Herculano, no Mosteiro dos Jerónimo, deixando um lastro de comentários contra a barbárie de turistas que nos visitam, mas acabou por descobrir-se que tinham sido acólitos durante uma ordenação religiosa…

Afinal, são os turistas que, literalmente, revitalizam o património e cumprem a sua função de uso. São eles que frequentam os monumentos, enquanto os nacionais os visitam sobretudo quando enquadrados em programas escolares. São os turistas que usam o nosso património, mas são os residentes que se desviam para os deixar passar e entrar.

Se, do ponto de vista material, o aumento de visitantes e, por conseguinte, das receitas é uma oportunidade que as tutelas estão a aproveitar, há aqui também uma ameaça forte, ainda que intangível: a ausência de públicos nacionais incorre no risco da perda do conhecimento acerca dos conteúdos matriciais da nossa cultura. Deixamos de conhecer a razão, a função, o sentido e o significado dos nossos monumentos e dos objetos expostos nos museus. E, com isso, perdemos o conhecimento daquilo que constitui a nossa identidade cultural.

No início de novembro, foi divulgado o Eurobarómetro1 relativo ao património cultural. Um dos resultados mais refere-se à importância atribuída ao património Portugal. Os Portugueses (81%) aproximam-se da média europeia (84%) ao reconhecer a importância do património para si próprios, mas ultrapassam a média europeia nos restantes parâmetros, relativos à importância que atribuem ao património para a comunidade local, para a região, para o país e para a União Europeia. Da mesma forma, o valor atribuído pelos portugueses ao património e à cultura regista valores mais elevados do que a média europeia: 93% dos inquiridos sente orgulho num monumento ou local histórico, uma obra de arte ou uma tradução da sua região ou país. Assim, no que respeita à retórica em relação ao património, verifica-se que os índices são mais positivos em Portugal, expressando uma opinião, ou valorização, mais positiva do que no conjunto da União Europeia.

Fonte: Comissão Europeia (2017)

Em contrapartida, em relação à prática, isto é, à participação efetiva em atividades de cariz cultural, a tendência inverte-se, registando-se uma prática menor e com uma diferença significativa em relação à média europeia: apenas 17% dos portugueses inquiridos afirma visitar regularmente museus e monumentos e ir a festivais e concertos, contra 31% dos europeus. Nos últimos doze meses, 45 % dos portugueses visitaram, pelo menos uma vez um monumento ou local histórico e 27% visitou um museu ou uma galeria.

Fonte: Comissão Europeia (2017)

A principal razão apontada para a não participação em atividades culturais é a falta de interesse (45%), seguida pelo preço (35%) e a falta de tempo (29%) e de informação (28%).

Fonte: Comissão Europeia (2017)

Se o envolvimento dos portugueses em atividades culturais é menor do que a média dos europeus, certo é que estes também têm vindo a diminuir os índices de produção, intervenção e consumo. Isto será, provavelmente, um indício que aderimos menos à cultura, para nos agarrarmos a formas de subculturas globais e indiferenciadas. Simplesmente, perdemos o interesse, mesmo se, a nível do discurso, afirmamos a importância do património.

Lisboa, Torre de Belém
Foto: MIR, 2015

Talvez façam falta internamente as políticas de divulgação que o Turismo de Portugal tem realizado lá fora, para nos chamar a atenção, para nos voltar a despertar o interesse, para nos estimular ao consumo da cultura. Talvez faça falta revitalizar o slogan lançado em 1885, pelo então Ministério do Comércio e Turismo, utilizando uma frase inspirada e Alexandre O’Neill: “Vá para fora cá dentro”. Mas, na realidade, o que faz falta é o nosso empenho individual e coletivo no conhecimento e na divulgação do conhecimento do património. O que faz mesmo falta é que sejamos nós, também, a querer ver o nosso património.

Referências bibliográficas:
Comissão Europeia (2017). Eurobarómetro Especial: Os europeus e o património cultural. Acedido em http://ec.europa.eu/commfrontoffice/publicopinionmobile/index.cfm/Survey/getSurveyDetail/instruments/SPECIAL/surveyKy/2150?CFID=4826318&CFTOKEN=e8f8daf573c3ce09-C0093CE8-A779-35A3-A14ECEE25E18F67C
Cruz, V. (2017, 10 dez.). “Óscares” do turismo: Portugal é o melhor destino do mundo. TVI. Acedido em http://www.tvi24.iol.pt/economia/world-travel-awards/oscares-do-turismo-portugal-e-o-melhor-destino-do-mundo
Direção-Geral do Património Cultural. (2017). Estatísticas de visitantes 2016: Monumentos, museus e palácios da DGPC. Acedido em http://www.patrimoniocultural.gov.pt/static/data/docs/2017/01/10/ComunicacaoSocial.pdf

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Portugal para inglês ver," in a.muse.arte , 2017/12/13, https://amusearte.hypotheses.org/2097.
  1. O inquérito foi levado a cabo entre 23 de setembro e 02 de outubro deste ano, tendo realizado em Portugal 1.062 entrevistas. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.