Reflexo(e)s do outro lado do espelho

Exposição “Do outro lado do espelho
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian, 26 out. 2017 – 5 fev. 2018

You can just see a little peep of the passage in Looking-glass House, if you leave the door of our drawing-room wide open: and it’s very like our passage as far as you can see, only you know it may be quite different on beyond.
Lewis Carrol, 2010 (1871), p. 5

A Gulbenkian propõe-nos uma viagem ao universo de Alice, do outro lado do espelho, ao mesmo tempo que nos desafia a uma reflexão acerca da nossa identidade, da imagem, ou consciência, do eu e das suas pluralidades, das facetas projetadas no espelho poliédrico da nossa existência. É a epígrafe que marca a entrada na exposição, extraída da segunda aventura de Alice, na obra Alice do outro lado do espelho e o que ela encontrou por lá1: “Quem sou eu do outro lado do espelho?” – “And now, who am I? I will remembre if I can! I’m derermined to do it!” (Carrol, 2010, 23).

Exposição “Do outro lado do espelho”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2017

Este era um projeto antigo de Maria Rosa Figueiredo, que ao longo da carreira foi recolhendo um acervo de imagens relacionadas com o tema e definira a estrutura dos núcleos. “Os espelhos são objectos muito interessantes devido à sua capacidade de nos transportarem a outras dimensões, conduzindo-nos por vezes a horizontes de espiritualidade, ilusão ou até de pesadelo.” (Figueiredo, cit. in Xavier, 2017, 1 nov.) A ideia inicial era uma exposição sobre o espelho na arte antiga, mas Penelope Curtis, diretora do museu, sugeriu o seu alargamento à arte contemporânea, ficando Leonor Nazaré incumbida de identificar as obras dos séculos XX e XXI que pudessem integrar o projeto (Canelas, 2017, 7 nov.).

À medida que, como Alice, avançamos na trama deste tabuleiro de xadrez, surgem-nos referências inesperadas, paradoxos que se desvendam em lógica, argumentos circulares em que submergimos por inteiro.

A exposição está estruturada em cinco núcleos: “Quem sou eu? O espelho identitário”; “Espelho alegórico”; “A mulher em frente ao espelho: a projeção do desejo”; “Espelhos que revelam e espelhos que mentem”; “O espelho masculino: autorretratos e outras experiências”.

Exposição “Do outro lado do espelho”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2017

O espelho identitário marca o início desta viagem imersiva: é a nossa imagem que se reflete no espelho de corpo inteiro, obra de René Lalique, datada de 1989-1900. Não estamos sós, neste núcleo dominado pelos efeitos individuais do próprio reflexo: a consciência da beleza de Vénus – O espelho de Vénus (1875), de Edward Burne-Jones; a paixão pela própria imagem – Narciso e Eco (c.1797), de Vieira Portuense; a projeção maternal na imagem do filho – Mrs. Russel e filho (1786-87), de George Romney; a universalidade retórica deste reflexo – Who cares (1946), de Ana Jotta; Espelhos (1998), de Fernanda Fragateiro. O conceito psicanalítico da idade do espelho (stade du miroir), descrito por Jacques Lacan (1949) e que marca o início da perceção da própria imagem e da consciência do eu, é evocado no filme Svyato (2005), do russo Victor Kossakovsky, onde este regista a reação do filho ao confrontar-se com a própria imagem no espelho. No limite, há a coincidência entre o sujeito e a sua imagem, a indefinição dos limites entre ambos – Isabel (2005), de Cecília Costa.

Exposição “Do outro lado do espelho”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2017

O “espelho alegórico” é uma metáfora de vícios e virtudes, entre a castidade e a luxúria, a humildade e a vaidade, seguindo os conceitos teológicos presentes nas iluminuras medievais. Aqui, o tema declina-se no feminino, através de referenciais simbólicos (e alegóricos). A vaidade do corpo – Le miroir de Lady Chatterly, ou Alegoria da luxúria (1969), de Eduardo Luiz – transforma-se no sentido de vanidade ou de transitoriedade, ainda de reflexo bíblico (Vaidade das vaidades, tudo é vaidade [Vanitas vanitatum omnia vanitas], Ec 1, 2), para revelar os efeitos da passagem do tempo, a perda da juventude e da beleza, até à evocação da morte – Vanitas (c. 1500), de Jan Sanders van Hemessen. A alegoria da vacuidade prolonga-se noutras obras onde os espelhos se mostram sem imagem refletida – Girl and Dog (1987), sobre Vénus ao espelho de Velásquez, de Ana Jotta; Toucador (1973) de Ana Vieira; Intervalle du temps (1982), de Ricardo da Cruz-Filipe.

A “projeção do desejo” define “a mulher em frente ao espelho”, entre a privacidade do espaço íntimo e a intencional sedução exercida sobre o outro. É, também, o núcleo dos estereótipos de superficialidade e frivolidade que, ao longo do tempo, se foram consolidando em torno do universo feminino através de uma narrativa essencialmente masculina.  É, novamente, o espaço de contrastes entre o pudor e a ostentação do corpo, seja sugerida ou assumida. O espelho é o instrumento que permite ajustar o corpo aos cânones da beleza e confirmar a adequada utilização dos artifícios que permitam realçá-la – Dama ao toucador (c. 1700-1730), atribuído a Mestre P.M.P.; Toilette da manhã (1752), de Justus Junker; O brinco (c. 1911), de Ambroise McEvoy. Culmina na obra de Paula Rego Preparando-se para o baile (2001-2002), com as suas figuras ambíguas e, em certa medida, incómodas, onde o belo se transfigura na sua busca. Com o suporte musical de Antonio Vivaldi (Concerto para dois bandolins em Sol Maior, RV 532), as sequências de Ingmar Bergman confirmam o mundo íntimo (e intimista) das mulheres que se observam ao espelho.

Exposição “Do outro lado do espelho”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2017

Os espelhos são mistificadores: há “espelhos que revelam e espelhos que mentem”, que distorcem e manipulam a realidade visível, conforme se lê no texto introdutório. Um reflexo, afinal, é sempre o contrário daquilo que é refletido. Há, também, espelhos que escondem: a representação da artista-mulher Vieira da Silva, feita por Árpád Szenes – Auto-retrato (1930) –  é truncada, acéfala, na superfície do espelho. Encontram-se, neste núcleo, os brinquedos óticos do século XVIII e suas anamorfoses, mas também as obras inspiradas no livro Alice do outro lado do espelho A mão de Alice (1983) de Eduardo Luiz; Crystal Girl n.º 69 e n.º 78 (2012), de Noé Sendas.

Exposição “Do outro lado do espelho”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2017

Por último, há a referência ao “espelho [também] masculino”, onde domina o conceito de duplicação – Imagem no espelho (1974), de Richard Hamilton; Mão com espelho (2010), de Daniel Blaufuks; Retrato (1999), de Jorge Molder – eivado do sentido de futilidade associado ao espelho feminino. Ou perpetuação, nas obras onde o artista de retrata através da imagem refletida no espelho – Retrato de D. José Pessanha (1885), de Columbano Bordalo Pinheiro; O espelho convexo (1945), de Harold Gresley. A desforra feminina acontece pela mão de Paula Rego, onde o homem surge manipulado pelas mulheres que o cercam, diminuído na sua aparente e ridícula infantilização e feminização.

A compreensão desta exposição é, inevitavelmente, um processo individual. O discurso assenta no conceito de obra aberta, complementando-se apenas em função da leitura do visitante. No entanto, os textos à entrada de cada núcleo e as tabelas descritivas e interpretativas fornecem pistas acerca da intenção inerente ao discurso formulado pelas suas autoras. A museografia e, em particular os biombos de espelhos na separação dos vários núcleos é, ela própria, analógica e conceptual, forçando o visitante à participação neste horizonte fragmentado de reflexos, onde a sua imagem se mistura às das figuras em exposição.

Exposição “Do outro lado do espelho”: Rapariga com espelho e legenda
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2017

Para quem uma exposição tenha de apresentar obras excecionais do ponto de vista artístico ou histórico, esta não será uma exposição excecional, pese embora a presença de Paula Rego, Árpád Szenes, entre outros. Não há aqui grandes obras de artistas excecionais, nem objetos raramente vistos, nem tão pouco uma grande quantidade de peças expostas. No entanto, ao passar nesta exposição sentia que voltava ao maravilhamento provocado por algumas exposições que aqui vi. A Gulbenkian regressa à encenação expositiva e à construção de uma narrativa que marcam a identidade do seu discurso museográfico. Não será por acaso, se atendermos a que foi concebida pela mais antiga conservadora do museu – e que magnífico epílogo para a carreira da museóloga Maria Rosa Figueiredo.

Referências bibliográficas:
Canelas, L. (2017, 7 nov.). Quando estão ao espelho a mulher quer ser bonita e o homem quer ser eterno?. Público. Acedido em https://www.publico.pt/2017/11/07/culturaipsilon/noticia/quando-estao-ao-espelho-a-mulher-quer-ser-bonita-e-o-homem-quer-ser-eterno-1791564/amp
Carrol, L. (2010). Through the looking-glass, and what Alice found there (Digital edition of “Through The Looking-Glass And What Alice Found There” by Lewis Carroll, with 50 black-and-white illustrations by John Tenniel). Acedido em https://archive.org/stream/ThroughTheLookingGlassAndWhatAliceFoundThere/through-the-looking-glass#page/n5/mode/2up/search/if+you+leave+the+door 
Lacan, J. (1949). Le stade du miroir comme formateur de la fonction du je, telle qu’elle nous est révélée dans l’expérience psychanalytique. Revue Française de Psychanalyse, 13(4), 449-455.
Xavier, Á. (2017, 1 nov.). O Museu Gulbenkian está do outro lado do espelho. Sábado. Acedido em http://www.sabado.pt/gps/palco-plateia/artes-plasticas/detalhe/o-museu-gulbenkian-esta-do-outro-lado-do-espelho 

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Reflexo(e)s do outro lado do espelho," in a.muse.arte , 2017/12/10, https://amusearte.hypotheses.org/2087.
  1. Alice do outro lado do espelho e o que ela encontrou por lá, no original Through the looking-glass, and what Alice found there, publicado em 1871, é a continuação da obra Alice no País das Maravilhas (Alice’s Adventures in Wonderland), escrita em 1865, por Lewis Carroll, pseudónimo de Charles Lutwidge Dodgson. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *