O mundo impossível de Escher

No Museu de Arte Popular, está agora patente uma exposição com 200 obras do artista holandês Mauritz Cornelis Escher. A exposição é controversa pelos moldes da utilização do espaço que se esperava reabrir como Museu de Arte Popular, não pelo artista conhecido pelo grafismo de construções impossíveis e ilusões de ótica.

M. C. Escher1

Mauritus Cornelis Escher  (1898-1972) desenvolveu uma vasta obra gráfica, sobretudo em xilografia e litografia, a partir de conceitos matemáticos. Com uma notória perícia técnica no âmbito da gravura, Escher subverteu os princípios clássicos da perspetiva para criar estruturas impossíveis. Em sintonia com os princípios de rutura da arte contemporânea, encontrou um novo campo de inspiração na inevitável contradição entre a bidimensionalidade do papel ou da tela e a realidade tridimensional. Influenciado pelo ritmo dos padrões geométricos, Escher desconstrói-lhes a previsibilidade, acrescentando-lhes movimentos de translação, rotação, reflexão, ou seja, transformações isométricas que permitem movimentar a figura no espaço.

Influenciado pela arte islâmica e, em particular pelo geometrismo da decoração azulejar, algumas das composições de Escher derivam da divisão regular do plano numa matriz em que se inserem figuras que se repetem e transfiguram.

Céu e Água I
M. C. Escher, 1938
Xilogravura

Em Céu e água I, cria um padrão losangular imbricado, para criar uma sequência intercambiante de peixe-pássaro, através do uso do positivo e negativo e da aplicação dos conceitos de forma e fundo. No primeiro registo, os peixes destacam-se a branco sobre o fundo negro, estilizando-se no sentido ascendente para, sensivelmente a meio, se salientarem os pássaros a negro sobre o fundo branco, corporizando-se com detalhes cada vez mais precisos à medida que se aproximam do topo.

Relatividade
M. C. Escher, 1953
Xilogravura

Nas construções impossíveis, Escher cria uma aparência verosímil através de uma ilusão visual: à primeira vista, não são evidentes as divergências entre os seus trabalhos e as gravuras de temática arquitetónica clássica de Piranesi, dado que a capacidade de perceção visual adapta a imagem recebida pela retina a uma configuração real. Exige, por isso, um exercício de verificação para identificar as improbabilidades. Na Relatividade, as pessoas sobem e descem simultaneamente numa complexa estrutura de degraus que se elabora como um circuito infinito. O desenho pode ser virado em qualquer direção sem perder a (in-)coerência.

Fita de Moebius II
M. C. Escher, 1963
Xilogravura em vermelho, preto e verde

O sistema é idêntico nas obras Fita de Moebius I e II, onde recriou a faixa desenvolvida pelo matemático alemão Augustus Möbius (1790-1868), um espaço topológico obtido a partir da colagem de duas extremidades de uma fita após efetuar meia torsão numa delas. Em Fita de Moebius II, Escher inseriu nove formigas que, aparentemente, circulam pelos dois lados da fita, como se esta tivesse apenas uma superfície.

Enquanto a comunidade científica acolheu as construções de Escher como uma ilustração de conceitos matemáticos, a crítica de arte tendeu a relevá-las como meros formalismos e exercícios geométricos. Ultrapassando os princípios da geometria euclidiana e explorando novas vias da criatividade, um dos inegáveis méritos da sua obra foi o diálogo que estabeleceu entre a linguagem racional e a linguagem estética, entre matemática e arte.

  1. Texto publicado em: (2013, dez.). M. C. Escher. In Lumen Veritatis: Boletim da Sociedade Científica da Universidade Católica Portuguesa, 28, 5-6.
    Acedido em http://www2.ucp.pt/resources/Documentos/SCUCP/LumenVeritatis/Lumen_28_IMP.PDF []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.