A arte que vem das ilhas do ouro branco

Exposição “As ilhas do ouro branco: Encomenda artística na Madeira: Séculos XV-XVI
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 16 nov. 2017 – 18 mar. 2018; prolongamento até 31 mar. 2018.

Esta segunda ilha [a Madeira] acharom boa, specialmente de muy nobres auguas corredyas, que levam pera regar a qualquer parte que querem; e começarom ally de fazer suas sementeiras muy grandes, de que lhes vierom muy abastosas novidades. De y virom a terra de boõs ares e saadya, e de muytas aves, que logo no começo tomavam com as maãos, e assy muytas bondades que acharam na dicta ilha.
Gomes Eanes de Zurara (1841, p. 387)

João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira, após o descerco de Ceuta, terão seguido para a costa africana com o propósito de combater os mouros e, devido a um temporal acostaram à ilha de Porto Santo1 Depois de dar a nova ao Infante D. Henrique, regressaram à ilha na companhia de Bartolomeu Dias que a quis povoar. Daí avistaram, então, um negrume a quebrar a linha do horizonte e “partiram em taõ boa hora que com pouca difficuldade lhes quiz Deos deparar outra Ilha também deserta, muito mòr que a do Porto Santo, à qual por ser chea de bosques puzeraõ nome de Madeira” (Góis, 1724, p. 24). Damião de Góis, na Crónica do Príncipe D. João registou o descerco em 1419, o que aponta para a chegada ao arquipélago no ano seguinte; Jerónimo Dias Leite, cronista madeirense e autor da obra Descobrimento da Ilha da Madeira, situa os factos no verão de 1419.

Exposição “As ilhas do ouro branco”
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2017

O arquipélago era terra virgem, sem gente, mas de natureza pródiga. Os primeiros colonizadores cultivaram cereais, mas, logo por volta de 1433, introduziram, por decisão do Infante D. Henrique, o cultivo da cana do açúcar, um produto proveniente da Ásia que chegara à Europa através da Sicília sendo muito apreciado, apesar de raro e caro. A produção madeirense, em larga escala, permitiu a sua exportação para os portos da Flandes, primeiro através de Lisboa e depois diretamente2, e a partir dos quais se distribuía por toda a Europa. A prosperidade deste comércio propiciou o rápido desenvolvimento económico da ilha e, por conseguinte, desencadeou um enorme volume de encomendas de obras de arte, sobretudo de cariz religioso, vindas do reino e da Flandres (Antuérpia, Bruges e Malines), nos barcos que, à ida, tinham levado o açúcar. Os rendimentos do comércio açucareiro providenciaram a remessa, para a ilha, de pinturas das oficinas de Gérard David, Dick Bouts, Joos Van Cleve e Jean Gossaert, e de escultura das oficinas de Malines, Antuérpia e Bruxelas. A maioria das igrejas matrizes fundadas ou reformuladas durante o reinado manuelino foi dotada de imagens e retábulos flamengos, entre os quais se destaca o magnífico retábulo da Sé, inspirando a encomenda de peças idênticas por particulares.

Por isso, o açúcar, referido como o ouro branco, dá o mote e a designação à exposição que agora se mostra no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) e que marca o início das Comemorações dos 600 Anos do Descobrimento da Madeira.

Exposição “As ilhas do ouro branco”: ao fundo, à esquerda, o Retábulo dos Reis Magos, de oficina da Antuérpia; à direita, Tríptico da Virgem da Misericórdia, de Jan Provost
Lisboa, MNAA
Foto: Rui Marote e DR, 2017

Em torna-viagem, a Madeira chega agora a Lisboa, através de um extraordinário acervo de obras de arte, quer de origem local, quer de outras oficinas portuguesas, espanholas e flamengas, e algumas da Índia.

Através de quase uma centena de obras, a narrativa expositiva constrói-se em quatro núcleos: “O açúcar no paraíso”; “Organizando a terra virgem”; “A arte que o açúcar comprou”; “Um reino dentro do reino”.

Exposição “As ilhas do ouro branco”
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2017

A chegada ao “paraíso” terrestre, metáfora para esses lugares “de bons ares, e boas aguas de fontes” (Góis, 1724, p. 23). O paraíso está ali evocado, quer na gravura Ilha da Madeira e dragoeiro, de G. Child (gravador) segundo desenho de autor desconhecido, em contraponto com idílicas imagens vídeo da paisagem madeirense. A introdução do açúcar neste paraíso, ponto de partida desta narrativa, é representada pelo pão de açúcar cristalizado feito em finais do século XX, mas recorrendo a técnicas artesanais semelhantes às que eram usadas nos séculos XV e XVI na Madeira. A Chronica do descobrimento e conquista de Guiné, de Gomes Eanes de Zurara, aberta na folha de rosto ladeado, apresenta a efígie do Infante D. Henrique, acerca de quem se diz que “fez povoar no grande mar Occiano cinquo ilhas, as quaes […] estavam em rezoada povoraçom, specialmente a ilha da da Madeira, e assy desta como das outras, sentirom os nossos regnos muy grandes proveitos, scilicet, de pam, e acuquer, e mel, e cera e madeira […]” (Zurara, 1841, p. 30). É também nesta crónica que, tal como noutros relatos mais tardios, se faz frequente referência à captura de escravos nas Canárias e nas costas do Norte de África para o trabalho nos engenhos, dando um outro aspeto do povoamento da ilha.

O povoamento da “terra virgem” fez-se na continuidade da tradição legislativa do continente, refletindo as normas da Lei das Sesmarias, com a criação das capitanias do Funchal, Machico e Porto Santo, entregues respetivamente a João Gonçalves Zarco, Tristão Vaz Teixeira e Bartolomeu Perestrelo, legitimando a divisão feita no início da ocupação. No processo de urbanização da ilha, a vila do Funchal foi, em 1508, elevada à categoria de cidade por alvará régio de D. Manuel, em cuja igreja se fundou a sede da nova diocese, criada em 1514. O reconhecimento da crescente importância da ilha está patente nas alfaiais litúrgicas em prata, algumas das quais (porta-paz, caldeirinha, maça de porteiro) oferta de D. Manuel à Sé do Funchal.

Exposição “As ilhas do ouro branco”: Retábulo dos Reis Magos
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2017

A “arte que o açúcar comprou” é, sobretudo, uma inestimável coleção de pintura com obras portuguesas de Francisco Henriques ou do anónimo conhecido como “Mestre da Lourinhã” e também de Jan Provoost e Gérard David (Bruges), Michiel Coxcie (Malines), Joos van Cleve e Pieter Coecke van Aelst (Antuérpia). É percetível o gosto dos senhores locais pela arte flamenga, onde frequentemente se faziam representar e cuja posse lhes sublinhava o prestígio. Tal como se regista a mudança de gosto que, a partir de meados do século XVI, passa a privilegiar as oficinas de Lisboa, nas expressões da Renascença ao Maneirismo.

A posição excecional (e “ambígua”) do arquipélago da Madeira face ao continente é descrita como “um reino dentro do reino”, um microcosmo onde se reflete e salienta a cultura do país, nas suas amplas influências e contaminações com o espaço global. Inserem-se aqui os objetos em marfim ou em tartaruga provenientes da carreira da Índia.

Exposição “As ilhas do ouro branco”: à esquerda, Tríptico de Santiago Menor e de S. Filipe (Pieter Coecke  van Aelst,  c. 1527-1531); à direita, Tríptico da Virgem da Misericórdia  (Jan Provost, 1529)
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2017

Esta é, seguramente, uma oportunidade de exceção para ver, em Lisboa, algumas das obras mais notáveis do nosso património artístico: Santiago Maior, de finais do século XV e atribuído a Dieric Bouts; a Virgem com o Menino, São Bento e São Bernardo, de c. 1515 e atribuído a Francisco Henriques; o Retábulo dos Reis Magos, com o corpo central relevado em madeira dourada e policromada e volantes laterais pintados com a representação dos doadores, de oficina de Antuérpia, datado de c. de 1530; o Tríptico da Descida da Cruz, de cerca de  1518-1527 e atribuído a Gérard David; o Tríptico de Santiago Menor e de S. Filipe, datado de c. 1527-1531 e atribuído a van Aelst; o Tríptico da Virgem da Misericórdia, de Jan Provost e datado de 1529; duas pinturas (Apresentação do Menino no Templo e Ressurreição) do retábulo da igreja de São Brás, no Arco da Calheta, de c. 1550-1560 e atribuído ao Mestre de Abrantes; quatro pinturas (Anunciação, Adoração dos Pastores, Adoração dos Magos e Ressurreição, de oficina portuguesa e datadas de c. 1550-1560;  ou as extraordinárias esculturas de S. Sebastião, fragmento, de oficina coimbrã, atribuída a Diogo Pires, o Moço, e da Imaculada Conceição, dita Virgem de D. Manuel, trabalho flamengo, possível oficina de Malines, ambas datadas do início do século XVI; a imponente cruz processional, com iconografia da Paixão e a representação, no reverso, da figura em vulto de Cristo Redentor Mundi, e com decoração e heráldica manuelina, em prata dourada, do primeiro quartel do século XVI. E estas são apenas algumas entre as 86 peças que aqui se encontram expostas.

Se a importância desta exposição é inegável no âmbito da história da arte, não é menos relevante no que concerne à museografia. Comissariada por Fernando António Baptista Pereira e Francisco Clode de Sousa, historiadores de arte e museólogos, com reconhecida investigação no âmbito do património madeirense, a narrativa expositiva flui numa lógica coerente e articulada, facilmente percetível pelo visitante.

Exposição “As ilhas do ouro branco”: Virgem com o Menino e respetiva tabela
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2017

Regista-se, como um fator positivo, o suporte textual ao longo da exposição, quer através dos textos parietais que acompanham a exposição, conseguindo um difícil, mas conseguido, equilíbrio informativo. Também as tabelas são descritivas e, embora tendam a incidir sobre aspetos históricos e artísticos, também incluem dados relativos ao uso e ao significado. Nalguns casos, poderiam ter ido mais longe, como é o caso do Cristo crucificado, conhecido como o Senhor do Milagre, cujo culto local é aqui obliterado – mesmo que essa fosse uma indicação marginal ao discurso que aqui se elabora, esse aspeto é intrínseco à veracidade da obra. Noutros, falta uma ligação explícita entre o objeto e a respetiva legenda.

Exposição “As ilhas do ouro branco”: caldeirinha e legenda do porta-paz, exposto à esquerda (não visível na imagem)
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2017

Há aspetos museográficos que se registam com menos agrado: o vermelho de fundo que se reflete exageradamente nas pratas; a falta de alguns plintos no interior das vitrinas, deixando a apresentação dos objetos demasiado plana, sem relevo que as particularize e evidencie no conjunto; a iluminação (e é a primeira vez que o trabalho do Eng. Vítor Vajão me merece algum reparo) que, num ângulo demasiado tangencial, deixa a parte inferior dos rostos das esculturas na obscuridade. No entanto, estes aspetos, além de assumidamente subjetivos, são secundários e não afetam a excelência desta exposição.

Exposição “As ilhas do ouro branco”
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2017

Exposição “As ilhas do ouro branco”: Cristo crucificado, dito O Senhor do Milagre
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2017

A qualidade e a relevância deste espólio foi, naturalmente, evidenciada nos discursos da inauguração. O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, aproveitou a ocasião para anunciar o Porto como o destino imediato de um ciclo de itinerância, num percurso em seguida formalizado pelo Ministro da Cultura Castro Mendes, que considerou que a exposição merecia ser vista na Europa “e, porque não, na América”; também o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerando a exposição “excecional” e que “prestigia a Madeira e prestigia Portugal”, lamentou não ser possível “fazê-la desfrutar por todo o mundo” (fragmentos dos discursos citados in Rocha, 2017, 15 nov.). Será, certamente, motivo de regozijo este reconhecimento público e institucional. No entanto, o Funchal Notícias regista algum incómodo suscitado por estas declarações: “O problema […] é que se a exposição prosseguir com o grau de itinerância que se pretende, igrejas e museus da Região ver-se-ão despojados de alguma da sua oferta artística mais significativa durante muitos meses ou mesmo anos…” (Rocha, 2017, 15 nov.). O Museu de Arte Sacra, em particular, apesar da cedência de algumas pinturas do MNAA, viu-se esvaziado de grande parte da sua coleção, comprometendo um discurso considerado exemplar, quer no que respeita à exposição, quer ao estudo e divulgação, nomeadamente, através do sítio eletrónico. Além disso, no cumprimento da sua função enquanto museu diocesano, permite que algumas alfaias, que hoje se encontram em Lisboa, mantenham a funcionalidade litúrgica e transitem para a Sé para servirem em determinadas celebrações solenes. Neste contexto, formula-se a questão acerca deste instável equilíbrio entre o prestígio de apresentar uma coleção em diferentes lugares, projetando a imagem da ilha através de um património de grande qualidade material e artística, e o esvaziamento de um museu, truncado em essência e substância. Ou, dito de outra forma, qual o prazo razoável para que um museu fique destituído de grande parte das suas coleções, das obras que lhe informavam o discurso e conferiam unidade? No entanto, esta questão não esmaece e, em certa medida, ressalta a qualidade da exposição.

A arte das ilhas do ouro branco chega ao Museu de Arte Antiga, numa exposição bonita de se ver e que é um privilégio ser vista em Lisboa.

Exposição “As ilhas do ouro branco”
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2017

Referências bibliográficas:
Góis, D. (1724). Chronica do Principe D. Joam, rey que foy destes reynos, segundo do nome … Lisboa Occidental: na Officina da Musica. Acedido em http://purl.pt/286
Leite, J. D. (1947). Descobrimento da Ilha da Madeira e discurso da vida e feitos dos capitães da dita ilha. Coimbra: Inst. de Estudos Históricos Dr. António de Vasconcelos da Fac. de Letras da Universidade de Coimbra.
Rocha, L. (2017, 15 nov.). Entidades regionais e nacionais querem levar a exposição “Ilhas do Ouro Branco” em Março ao Porto, e depois a outros países. Funchal Notícias. Acedido em https://funchalnoticias.net/2017/11/15/entidades-regionais-e-nacionais-querem-levar-a-exposicao-ilhas-do-ouro-branco-em-marco-ao-porto-e-depois-a-outros-paises/
Zurara, G. E. (1841). Chronica do descobrimento e conquista de Guiné, escrita por mandado de el Rei D. Affonso V … e segundo as instrucções do illustre Infante D. Henrique … Pariz: publicada por J. P. Aillaud : na Officina Typographica de Fain e Thunot. Acedido em http://purl.pt/2163

Fonte da imagem de Rui Marote e DR: https://funchalnoticias.net/2017/11/15/entidades-regionais-e-nacionais-querem-levar-a-exposicao-ilhas-do-ouro-branco-em-marco-ao-porto-e-depois-a-outros-paises/

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "A arte que vem das ilhas do ouro branco," in a.muse.arte , 2017/11/26, https://amusearte.hypotheses.org/2066.
  1. O arquipélago madeirense era conhecido, pelo menos, desde meados do século XIV, sendo conhecidas as representações cartográficas das ilhas, no Atlas Medicis de Mediceo (c. 1370), na carta atribuída aos irmãos Pizzigani (1367), no planisfério catalão de Abraão Cresques (1375), na carta de Solleri (1385) e na carta de Pinelli, de 1390. []
  2. A importância do açúcar na feitoria portuguesa de Antuérpia mantém-se patente na toponímica local, com a existência do «canal du sucre» e da «ruelle du sucre». []
  3. Esta é uma nota de rodapé, assumidamente marginal ao texto. É sempre com enorme gosto pessoal que reencontro os sumários que fiz para as obras que foram digitalizadas na primeira fase da Biblioteca Nacional Digital; mas é também com grande consternação que verifico a informação perdida em posteriores atualizações, que deveriam ter constituído uma melhoria, mas que eliminaram a ligação entre os vários pontos do sumário e a sua localização exata no corpo da obra. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.