Escher em vez de um museu

Tinha sido prometido um museu de arte popular há muito fechado, desejado e anunciado. A designação de “arte popular” obriga a repensar uma série de conceitos formulados durante o Estado Novo, sob a orientação de António Ferro, mas que são mais abrangentes do que a política propagandística do regime. Parece subsistir, aqui, um envergonhado preconceito contra a versão folclorista da identidade nacional a impedir uma reflexão alargada acerca da diversidade antropológica e etnográfica do país, das artes e das tradições que, lentamente, se vão perdendo sem que haja capacidade para se lhes fixar a memória.

Museu de Arte Popular, Lisboa, Portugal
Fotógrafo: Estúdio Horácio Novais, após 1948
Lisboa, Biblioteca de Arte, Fundação Calouste Gulbenkian

A questão não é exclusiva ao panorama nacional português. Para citar um exemplo extrínseco à realidade nacional, basta lembrar os debates em torno da criação do Musée de Quai Branly, ou do MUCEM e da respetiva designação, em substituição do Musée national des arts et traditions populaires, em Paris, criado por George-Henri Rivière (Vd., por exemplo: Auby, 1993, pp. 14 e seguintes; Grosjean, 2014). Lá, como cá, fica patente a questão: “comment prendre en charge l’ethnologie française [ou a portuguesa], dans ses dimensions historique et contemporaine?” (“Sous le MUCEM”, 2013, p. 3)

Por cá, a questão é, mais uma vez adiada. Na sequência de uma pretensiosa intelectualidade que se mantem arreigada à dualidade entre alta cultura e cultura de massas, a expressão popular é ignorada e substituída pelo artesanato urbana e pelas expressões emergentes que a reutilizam e transformam. A (in)definição de uma política para a cultura persiste neste equívoco.

Quando esperávamos a concretização da promessa de um museu de arte popular, somos surpreendidos com a abertura de uma exposição de sabor popularucho e a cedência do espaço à Arthemisia, uma empresa italiana que se anuncia como líder internacional na produção de exposições de arte: “We have made art our business”, com 572 exposições realizadas em 15 anos, visitadas por 55 milhões de visitantes (cfr. Arthemisia, 2017, About us).

Exposição “Escher”
Lisboa, Museu de Arte Popular
Foto: Mário Rui André/Shifter, 2017

De facto, é disso que se trata: a arte, ou a cultura, tornou-se um negócio. Um negócio chorudo, ao que parece, com ingressos a 11€! Além disso, insere-se numa vaga de exposições-espetáculo que marcam a mercantilização da cultura: “Tutankamon: Tesouros do Egito”, no Parque das Nações; “Guerreiros de Xian”, “Van Gogh alive: The experience” e “Dinossauros alive!”, na Cordoaria.

Ao que parece, Lisboa, cidade destino de um turismo cada vez mais globalizado, entrou definitivamente neste circuito de exposições mediáticas, gerido por consórcios internacionais focados na exploração de um público-alvo seduzido pelo impacto das suas organizações. O que é perturbador (e grave) é o facto de o poder político pactuar e facilitar esta cultura especulativa, massificada e pouco informativa. Tal como aconteceu no Panteão, ou no Palácio da Ajuda, perdeu-se o sentido do lugar e a noção das conveniências.

Falta-nos um museu de arte popular e, em troca, oferecem-nos uma proposta de entretenimento para enganar a questão de fundo. Perde-se a oportunidade de retomar um espólio e um legado, perde-se um espaço e uma museografia documental, ignora-se a cultura popular e suas marcas identitárias. A reabertura do museu de arte popular, mais uma vez adiada, torna-se um risco de ser uma oportunidade irremediavelmente perdida, a troco de coisa nenhuma.

Escher em vez de um museu, ou era uma vez um museu de arte popular – é pena!

Referências bibliográficas:
Arthemisia (sítio eletrónico institucional). (2017). Acedido em http://www.arthemisia.it/en/home-eng-4/
Auby, B. (1993). Mémoire d’étude: L’histoire d’un fonds de régionalisme a la Bibliothèque du Musée national des Arts et Traditions populaires: Le fonds Charles-Brun. Paris: Ecole Nationale Supérieure des Sciences de l’Information et des Bibliothèques.
Grosjean. L. (2014). La formule ”arts premiers”: désignation et ajustement institutionnel du Musée du Quai Branly. In J. Longhi, & G.-É. Sarfati, Les discours institutionnels en confrontation: contribution à l’analyse des discours institutionnels et politiques (pp. 47- 72). Paris: L’Harmattan.
“Sous le MUCEM, le fantôme des ATP”. (2013). Policulture: La lettre des politiques culturelles et artistiques, (173), pp. 1-6. Acedido em http://www.fems.asso.fr/wp-content/uploads/2013/05/Policultures.pdf


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.