Erros feitos e má memória: o jantar no Panteão

Os erros

A confusão a fraude os erros cometidos
A transparência perdida — o grito
Que não conseguiu atravessar o opaco
O limiar e o linear perdidos

Deverá tudo passar a ser passado
Como projecto falhado e abandonado
Como papel que se atira ao cesto
Como abismo fracasso não esperança
Ou poderemos enfrentar e superar
Recomeçar a partir da página em branco
Como escrita de poema obstinado?

Sophia de Mello Breyner Andresen, 1997

No encerramento da Web Summit, o grupo Founders Summit organizou um jantar no Panteão Nacional, no qual participaram investidores e empresários, selecionados pela organização do evento. Gerou polémica, muita controvérsia e pretensas justificações, a empurrar as culpas entre quem autorizou e quem permitiu.

Foto: DR

Quem autorizou foi a tutela do Panteão, ou seja, em primeira instância, a diretora, Maria Isabel Fonseca Melo, mesmo que tenha tido a complacência superior da Direção Geral do Património Cultural (DGPC), a quem terá reportado, ou mesmo do Ministro da Cultura. Quem permitiu terá sido a legislação do anterior governo, mas uma lei que autoriza, mesmo errada (sobretudo, se errada), não é o mesmo que uma lei que impõe…

A cedência de espaços patrimoniais não é nova e, muito menos, exclusiva de Portugal. Aliás, a DGPC, no cumprimento do Regulamento de Utilização de Espaços (Diário da República, série 2, 27 jul. 2014), utiliza o valor patrimonial como argumentário de venda:

Com espaços arquitectónicos únicos e privilegiados, beneficiando da localização e de  enquadramentos paisagísticos e urbanos de qualidade, os Monumentos inscritos na lista do Património Mundial da UNESCO, os Palácios Nacionais e os Museus Nacionais geridos pela DGPC, proporcionam a sua utilização para a realização de outras actividades para além das visitas habituais, compatíveis com os seus valores histórico/patrimoniais.
A qualidade da arquitectura dos seus espaços, os ambientes únicos proporcionados pela sua antiguidade ou o seu envolvimento com a história e com a riqueza das colecções museográficas, prestigiam iniciativas de carácter cultural, concertos musicais, exposições, seminários, reuniões de empresa, representações teatrais e performances, banquetes, recepções, eventos excepcionais de carácter promocional ou a rodagem de filmes. (DGPC1)

Segundo o referido Regulamento, a utilização do corpo central do Panteão Nacional, orçado em 5.000 euros para fins comerciais, está sujeita a “análise casuística”.

A utilização dos espaços patrimoniais pode ser abusiva quando se ultrapassam as normas de conservação e segurança – sempre me incomodaram os jantares à luz das velas, organizados por uma seguradora-patrocinadora, no antigo Picadeiro Real do Museu dos Coches.

No caso do Panteão Nacional, é algo mais do que isso. Não é mesmo nada disso. É a total perda de sentido de res publica, o desmerecimento do significado memorial do Panteão, onde se encontram sepultados aqueles que, por algum motivo, foram considerados como marca da nossa identidade e cultura. Quando se perde esse sentido de memória, o que nos resta?

Parafraseando Sophia de Mello Breyner Andresen, um dos vultos que aí se encontram sepultados, atingido o abismo, o que poderemos enfrentar e superar, como poderemos subsistir na escrita de poema obstinado?
Andresen, S. M. B. (1977). O  nome das coisas. In Obra poética (1992, v. 2. p. 213). Lisboa: Círculo de Leitores.

  1. O sítio eletrónico da DGPC encontra-se embargado, pelo que a respetiva consulta foi feita através da cópia de julho de 2017, recolhida no banco de dados Wayback Machine, do Internet Archive []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *