Arte e cultura portuguesa em exposição no museu universal do Google

O Ministério da Cultura, através da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), celebrou, no dia 9 de novembro, um acordo com o Google Cultural Institute, permitindo que as coleções dos museus, palácios e monumentos nacionais passem a estar representadas no Google Arts & Culture.

O Google Arts & Culture é a designação atual do antigo Google Art Project é uma plataforma digital pioneira na digitalização de imagens de alta resolução de obras de obras e na criação de visitas virtuais interativas no interior de alguns dos mais relevantes museus mundiais.

Google Arts and Culture: página de entrada do projeto
Printscreen, 11 nov. 2017

O projeto teve início em 2011, com a disponibilização de imagens de obras de 17 museus, entre os quais a Tate Gallery, de Londres, o Metropolitan Museum, de Nova Iorque e a Galleria degli Uffizi, em Florença. Cada uma das instituições parceiras selecionou obras de particular relevo, importância artística ou significado histórico ou cultural para ser digitalizada e disponibilizada no respetivo sítio web em imagens de 7000 megapixéis. O percurso no interior dos museus baseia-se na mesma tecnologia utilizada pelo Google Street View. Na altura foi descrito como “an ambitious immersive online cultural museum” (Waters, 2011, 1 Feb.). No entanto, a par do entusiasmo que gerou, surgiram algumas críticas que reduziam o projeto a uma exibição tecnológica, no sentido em que se limitava a uma reprodução da imagem, sem lhe associar informação e sem incrementar novas vias de investigação. Ainda que esta crítica estivesse certa, era injusta no sentido em que relegava para segundo plano o facto, não despiciendo, de a versão digitalizada permitir grandes ampliações e a visualização de pormenores não visíveis a olho nu.

Era o início de uma nova fase no domínio das Humanidades Digitais. Depois de quase duas décadas na implementação de bibliotecas digitais a partir dos espólios existentes nas grandes bibliotecas patrimoniais1, a digitalização estendia-se aos acervos artísticos, mais exigentes em termos de resolução e definição cromática, mas também mais problemáticos em termos de manuseamento.

Havia, ainda, um outro constrangimento, pouco assumido, mas não menos evidente: o património literário fundamenta-se na reprodução e na divulgação, enquanto o património artístico de define por parâmetros de originalidade e singularidade. Enquanto as bibliotecas digitais investiam na pesquisa para ultrapassar as condicionantes tecnológicas e de armazenamento que impunham limites à qualidade da cópia, os museus eram mais reticentes nas cópias disponibilizadas, fixando-se em cópias de baixa resolução, sobrepondo-lhes carimbos e marcas de água.

Em Portugal, esta situação é ainda mais flagrante, se atendermos a que, enquanto os museus internacionais se libertavam destes constrangimentos e começavam a disponibilizar livremente cópias de qualidade, o Matriz, sistema de informação para o inventário, gestão e divulgação do património, iniciado, em 1994, pelo Instituto Português de Museus (IPM), continuava agarrado a imagens de baixa resolução, com um carimbo sobreposto do antigo logótipo do extinto IPM. Em 2002, o Matriznet trouxe um incremento positivo, disponibilizando as coleções do Matriz num catálogo interativo, de utilização mais amigável, mas ainda sem atingir a atualização esperada no que respeita à qualidade das imagens que não ultrapassam os 30 a 40KB. Desde 2008, o Matrizpix disponibiliza a coleção de fotografias da DGPC, com maior resolução e tamanho ligeiramente maiores, mas num conjunto muito menor.

Matriznet: ficha de inventário com imagem no tamanho máximo permitido
Printscreen, 11 nov. 2017

Pode, portanto, afirmar-se que, neste campo, se está muito aquém das possibilidades oferecidas pelo Google. Em julho de 2016, o renomeado e atualizado Google Arts & Culture surgia com uma aplicação móvel que permitia aceder aos conteúdos de mais de mil museus em 70 países, com novas modalidades de pesquisa. Na altura, o gestor do produto, Duncan Osborn anunciava:

Just as the world’s precious artworks and monuments need a touch-up to look their best, the home we’ve built to host the world’s cultural treasures online needs a lick of paint every now and then. […] Our new tools will help you discover works and artifacts, allowing you to immerse yourself in cultural experiences across art, history and wonders of the world. (Osborn, 2016, 19 Jul.)

Portugal já está representado com 16 coleções de museus e instituições públicas e privadas (incluindo museus dependentes do Ministério da Cultura): Museu Calouste Gulbenkian; Palácio Nacional de Queluz; Fundação Dionísio Pinheiro e Alice Cardoso Pinheiro; Galeria de Arte Urbana; Museu Coleção Berardo; Faculdade de Letras da Universidade do Porto; Palácio Nacional de Sintra; Museu Nacional do Traje; Conservatório de Música do Porto; Museu Nacional do Teatro e da Dança; Museu do Caramulo; Wool, Covilhã Urban Art Festival; Museu de São Roque; Urban Creativity, research topic; Mistaker Maker; Fundação Serralves.

Coleções portuguesas no Google Arts and Culture
Printscreen, 11 nov. 2017

Por conseguinte, “o momento de ‘abertura ao mundo’”, anunciada pelo Ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes (cit. in Lusa, 2017, 9 nov.) já aconteceu há alguns anos, mas terá sido efetivada de forma casual e paticularizada. O que se anuncia agora é a efetivação de um protocolo mais alargado sob a chancela da hierarquia tutelar das coleções de Estado, compreendendo duas fases: a primeira, com os acervos de 7 museus nacionais: Arqueologia, Arte Antiga, Arte Contemporânea/Chiado, Traje, Teatro e Dança, Azulejo e Coches; a segunda, agendada até ao final do próximo ano, abrangendo todos os museus, monumentos e palácios sob alçada da DGPC.

O Google Cultural Institute assume a digitalização de conteúdos em ultra-HD (gigapixeis), permitindo obter a máxima qualidade em qualquer nível de zoom, a captura de imagens panorâmicas e respetivo processamento para permitir a visita virtual interativa dos espaços expositivos.

Google Arts & Culture é um projeto de realidade virtual que propicia uma abordagem à obra de arte diferente da que é possibilitada no espaço físico do museu.

“Por um lado, as imagens de alta resolução permitem ao investigador uma observação e análise potenciada de detalhes não detetáveis a olho nu e que, quando acompanhadas de registos laboratoriais e referências bibliográficas certificadas […] constituem um conjunto de dados que permite uma análise aprofundada da obra fora do museu.” (Roque, 2015, p. 187)

Não invalida a experiência da obra original no espaço museológico, mas autoriza novas formas de ver e, sobretudo, divulga a informação em contextos sociais mais distantes física ou intelectualmente. Também não substitui as tarefas correntes de digitalização, porque os métodos e equipamentos requeridos pela tecnologia de ponta ultra-HD requer recursos financeiros elevados, mas pode servir de estímulo para que se revejam os atuais procedimentos nos serviços dependentes da DGPC e sejam produzidas e disponibilizadas imagens de melhor qualidade, resolução e tamanho nos respetivos catálogos digitais. Ou, como disse o ministro, “evitando a reprodução sucessiva de conteúdos de má qualidade que transmitem uma imagem menos boa das instituições e do nosso património, estimulando assim o desejo de o conhecer e o visitar” (cit. in Lusa, 2017, 9 nov.).

A acessibilidade e a qualidade associadas ao projeto já com provas dadas, inclusivamente, em instituições portuguesas autorizam as melhores expetativas face a este protocolo entre a DGPC e a Google Culture & Arts. Ganha uma maior expressão a cultura e a arte portuguesas neste museu universal que se vai construindo no espaço virtual.

Referências bibliográficas:
Lusa. (2017, 9 nov.) Parceria com a Google põe património português no “maior museu a céu aberto”. Observador. Acedido em http://observador.pt/2017/11/09/parceria-com-a-google-poe-patrimonio-portugues-no-maior-museu-a-ceu-aberto/
Osborn, D. (2016, 19 jul.). The new Google Arts & Culture, on exhibit now. Google (official blog). Acedido em https://blog.google/topics/arts-culture/the-new-google-arts-culture-on-exhibit/
Roque, M. I. R. (2015). As humanidades digitais no cruzamento entre museus e turismo. Revista Internacional de Ciencias Humanas, 4(2), 179-194. Acedido em http://journals.epistemopolis.org/index.php/humanidades/article/view/748/316
Waters, F. (2011, 1 fev.). The best online culture archives. The Telegraph.  Acedido em http://www.telegraph.co.uk/culture/8296365/The-best-online-culture-archives.html

  1. A Biblioteca Nacional Digital (BND), a partir das coleções da Biblioteca Nacional, surgiu em 2001, depois de uma fase propedêutica iniciada na década anterior. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.