Dias de Todos os Santos e de Finados

O dia de Todos os Santos (Festum Omnium Sanctorum), que a Igreja católica de rito latino celebra a 1 de novembro, tende a confundir-se com o dia de Finados ou dos Fiéis Defuntos, homenageados no dia seguinte. A ocorrência do feriado propicia a antecipação da ida ao cemitério, lembrando aqueles que já partiram.

Maestà (Virgem e o Menino com anjos e santos)
Duccio di Buoninsegna, 1308-11
Siena, Museo dell’Opera del Duomo

No dia de Todos-os-Santos, a Igreja celebra todos aqueles que, tendo superado o Purgatório, alcançaram a santidade e gozam da vida eterna na presença de Deus. A Igreja primitiva festejava o dia da morte como o início da vida perpétua. O aniversário da morte dos mártires, ou testemunhas da fé, eram festejados no lugar do martírio, o que conduziu a celebrações comuns. Com o avolumar das perseguições, em particular, durante no tempo de Dioclesiano, surgiu a necessidade de venerar, num dia comum a todos, os santos-mártires sem festa particular definida no calendário litúrgico.

Em 609, o papa Bonifácio IV (608-615) consagrou o Panteão de Roma ao culto cristão, sob o título de Santa Maria ad Martyres (Santa Maria e Mártires), tendo sido trasladados ossadas de mártires das catacumbas, colocadas como relíquia sob o altar, com festa regular a 13 de maio. O Archivo Popular oferece uma explicação sumária para esta transferência do culto:

“Ora como o nome de Pantheon significa templo de todos os deuses, e que effectivamente naquelle soberbo edificio se vião os simulacros de todos os falsos nomes do paganismo, que forão subsituidos por outras tantas imagens de diversos santos, o povo conservando a memoria do antigo titulo, lhe ficou sempre chamando o templo de todos os santos. Ora como não era possivel festejar separadamente todos os santos, cujas imagens alli se veneravão, o papa se lembrou de instituir uma festa só para todos os santos, que desde então se ficou celebrando em Roma […]” (Origem da Festa de Todos os Santos, 1838, 24 nov., p. 376)

No século seguinte, o papa Gregório III (731-742) escolheu o dia 1 de novembro como data de aniversário da consagração da uma capela aos Santos Apóstolos e a todos os Santos, Mártires e Confessores, na Basílica de São Pedro, no Vaticano. Posteriormente, em 835, o papa Gregório IV (827-844) estendeu esta solenidade a toda a Igreja (cf. Igreja Católica, 1784, p. 215), completada com oitavário pelo papa Sisto IV (1471-1484), em 1480.

Os precursores de Cristo com santos e mártires
Fra Angelico (atrib. a), 1423-4
Londres, The National Gallery

Na continuidade da solenidade de Todos os Santos, a liturgia católica consagra, desde o início do século XI, o dia 2 de novembro à memória dos fiéis defuntos. Os dons e as libações junto aos túmulos são rituais ancestrais que revelam a crença numa vida post-morten e a crença de que estes rituais ajudavam os defuntos nessa transição. Os cristãos mantiveram o costume pagão do sacrifício oferecido pelos familiares dos defuntos. À medida que, a partir de Santo Agostinho, se consolidava a crença de que os pecados menores podiam ser remidos por um fogo purgatório antes do Juízo Final (Le Goff, 1981, pp. 92-121), passam a associar, a estes ritos complementados pela oração, a crença de que poderão contribuir para a remissão dos pecados e, por conseguinte, à diminuição das penas. Em contrapartida, sublinhava-se o caráter intercessor dos defuntos que protegiam os vivos através dos seus poderes invisíveis.

Dia de finados
Aurélia de Sousa (1866-1922)
Porto, Museu Nacional Soares dos Reis

A invocação dos santos como intercessores desenvolveu-se a partir do século VIII, por influência do crescente culto das relíquias, às quais se atribuíam poderes especiais, nomeadamente, a proteção de quem as tocava. A posse de relíquias constituía um thesaurum gratiorum, ou tesouro de graças, que justificava as doações solenes ou privadas feitas às igrejas e conventos, para conseguir a proteção dos santos cujas relíquias se encontravam nos respetivos altares. A necessidade de solidadriedade, ou de congregação, sentida pelos primeiros cristãos, minoritários numa sociedade que lhes era hostil, manteve-se e estendeu.se ao culto dos mortos, através da oração por todos os fiéis defuntos. Righetti (1955, v. 1, p. 1004) refere a Regra de Santo Isidoro que prescreve a Missa pro spiritibus mortuorum na segunda-feira após o Pentecostes. Posteriormente, Santo Odilon, em 998, (c. 962-1048), abade de Cluny, instituiu a festa dos Fiéis Defuntos, com a celebração do rito dos defuntos, a partir das Vésperas do 1 de novembro, e a celebração eucarística Pro requie omnium defunctorum no dia seguinte. Esta festa foi também institucionalizada oficialmente pelo papa Gregório IV.

Pode estabelecer-se uma conexão entre estas práticas e os rituais romanos destinados a aplacar os manes dos defuntos, como as Feralia, celebradas a 21 de fevereiro, e as Lemuriae ou Remuriae, Righetti, nas noites de 9, 11 e 13 de maio, durante as quais se sacrificava em honra dos mortos, oferecendo-lhes orações e oblações (Righetti, 1955, v. 1, p. 967). “The feeling possessed by the Romans that the manes of their departed friends came and hovered over their graves, and smiled upon the humble offerings made to them by the hand of affection, still exists, but more strongly in Catholic countries.” (The extractor, 1828, p. 292)

Cemitério em dia de Finados
Soajo, 2016
Foto: Rosalina Araújo e Armando Brito, 2016

A homenagem aos mortos tem particular incidência nestes dias, embora as manifestações do culto acompanhe os processos individuais do luto. Para o dos Fiéis Defuntos, limpam-se as campas e os jazigos, enchem-se as jarras de flores, desenham-se cruzes com crisântemos sobre a terra das sepulturas, acendem-se lanternas. É dia de ir ao cemitério e de rezar pelos mortos, numa tradição popular que ultrapassa o culto religioso, mesmo que nele se fundamente.

Referências bibliográficas:
Igreja Católica. (1784). Martyrologium romanum. Venetiis: Typis Francisci ex N. Pezzana.
Le Goff, J. (1981). La naissance du Purgatoire. Paris: Gallimard.
Origem da Festa de Todos os Santos. (1838, 24 nov.). O Archivo Popular, (47), 376.
Righetti, M. (1955). Historia de la liturgia. Madrid: Editorial Católica.
The extractor: Or, Universal repertorium of literature, science, and the arts… Vol. I. November to February. 1828-9. (1828). London: Printed for the proprietor.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Dias de Todos os Santos e de Finados," in a.muse.arte , 2017/11/01, https://amusearte.hypotheses.org/1993.

2 comentários a “Dias de Todos os Santos e de Finados

  1. E a este propósito, ouvi uma vez na Beira Baixa: o Santorinho e os Mortos, tanto é hoje como amanhã. O Santorinho é a designação local para o peditório que as crianças realizavam de casa em casa, aceitando castanhas, rebuçados e, muito raramente, dinheiro.
    A este propósito também, o entusiasmo que fica no cruzamento dos saberes. História e Etnografia, tanto é hoje como amanhã.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.