Do Domestikator à obra domesticada

Domestikator é um trabalho arquitetónico-escultório (uma escultura habitável) em madeira, aço e fibra de vidro, com 12 metros de altura e 30 toneladas de peso, realizado na oficina do escultor holandês Joep van Lieshout.

Domestikator
Projeto: Atelier Van Lieshout, 2015

A obra foi criada para o festival de Bochum, em 2015, onde fazia parte da instalação mais alargada The Good, the Bad and the Ugly, e esteve para ser remontada e exposta no jardim das Tulherias, junto ao Museu do Louvre, por ocasião da FIAC – Foire Internationale d’Art Contemporain, que decorre em Paris, entre 19 e 22 de outubro. Os organizadores da feira, citados pelo The Times (Sage, 2017, 4 out.), consideraram que este trabalho “excecional” seria um dos destaques da feira.

Domestikator
Atelier Van Lieshout, 2015
Foto: Atelier Van Lieshout, 2015

A obra consiste num edifício modernista, com óbvias referências ao movimento De Stijl, cujo centenário se comemora este ano, mas é também óbvia a geometrização volumétrica de uma figura humana a penetrar, por trás, um animal de quatro patas, pretendendo simbolizar o poder da humanidade sobre o mundo, através da dominação, ou da domesticação, do meio que o rodeia. Joep Van Lieshout explica que “This work of art is funny, it is an obvious nod to the relationship of abstraction and figurative painting that co-exist in Dutch art in the 20th century. Spiritual yes, obscene no.” (cit. in Samuel, 2017, 18 out.). A alusão sexual, ainda que seja corrente em arte e não seja, aqui, imediatamente explícita, pelo menos no sentido em que não é uma representação realista, suscitou um debate público, encabeçado pelo Museu do Louvre e pelo Centre Georges Pompidou.

Jean-Luc Martinez, presidente do Louvre, no início de outubro, impediu a colocação da obra nos jardins das Tulherias, alegando, numa carta aos organizadores da FIAC, que “des légendes sur Internet circulent et attribuent à cette œuvre une vision trop brutale qui risque d’être mal perçue par notre public traditionnel du jardin des Tuileries” (cit. in Namias, 2017, 10 out.).

Em contrapartida, numa declaração à agência Reuters, Bernard Blistène, diretor do Centre Pompidou, elogiou a escultura de Joep Van Lieshout como “a magnificent utopia in harmony with the public space” (cit. in Samuel, 2017, 18 out.). Recusando as acusações de obra obscena ou pornográfica, defendeu que “obscenity is everywhere, pornography, sadly, is everywhere, certainly not in this work of art” (Id., ibid.). E, por isso, num golpe de publicidade certeiro, aceitou a instalação da obra na praça em frente ao Centre Pompidou, confirmando a marca vanguardista e controversa que lhe é própria.

Domestikator junto ao Centre Pompidou
Paris, FIAC, 19-22 out. 2017
Foto: Alain Jocard / AFP, 2017

Pode questionar-se a decisão de Jean-Luc Martinez como um ato de censura, ou de prepotência ao impor limites à criatividade artística. Talvez se possa ir um pouco mais longe e questionar-se a definição – ou a indefinição – da arte atual. Enquanto a polémica tem sido referida e descrita em muitos jornais, apenas o editor do The Guardian, Jonathan Jones, se atreve a uma análise mais aprofundada da obra enquanto arte e do seu impacto na sociedade e entra na polémica em defesa da posição de Jean-Luc Martinez. Contra a tendência de uma falsa intelectualidade que não questiona a identificação da arte com a disparidade ou a provocação, afirma que “It is the glibness and complacency of Domestikator’s use of sex that makes it repulsive” (Jones, 2017, 18 out.). É a partir daqui que define o cerne da questão em torno da arte, ou seja, se a arte é, ou não, para ser levada a sério:

“Take it seriously, and the image it shows is inherently violent and cruel. Take it even more seriously and it is animal abuse. But of course, we’re not meant to take it seriously. We’re supposed to laugh along and to understand that, obviously, Domestikator is not celebrating bestiality – merely making a clever comment about architecture.” (Jones, 2017, 18 out.)

Se a obra de Joep Van Lieshout for arte, a posição de Jean-Luc Martinez é um ato de censura. Mas se o não for, trata-se sobretudo de um ato fortuito (ou arrogante, como o classifica Jonathan Jones) que se torna estridente ao ocupar o espaço cívico e público. Não se trata de uma questão idêntica à suscitada pela pintura L’Origine du monde, de Gustave Courbet, exposta no Museu d’Orsay, onde o virtuosismo, sob a influência da escola veneziana, se alia a uma tomada de posição audaciosa em meados do século XIX. A evidência crua e realista da obra de Courbet é camuflada na obra de Van Lieshout. Assim, o Domestikator torna-se, ele próprio, domesticado, sem arriscar na demonstração daquilo que o autor afirma.

Domestikator junto ao Centre Pompidou
Paris, FIAC, 19-22 out. 2017
Foto: Alain Jocard / AFP

Entretanto, o público circula na praça, espera na fila para o Centre Pompidou, passa pela obra com indiferença. De facto, para obra de arte, parece pouco.

Referências:
Jones, J. (2017, 18 out.) Domestikator is nasty public art: The Louvre was quite right to reject it. The Guardian. Acedido em https://www.theguardian.com/commentisfree/2017/oct/18/domestikator-public-art-louvre-gallery-obscenity 
Namias, O. (2017, 10 out.). Villes et mémoires: L’espace urbain à l’heure du grand déboulonnage. Architectures CREE. Acedido em http://archicree.com/actualites/villes-et-memoires-lespace-urbain-a-lheure-du-grand-deboulonnage/ 
Sage, A. (2017, 4 out.). Joep van Lieshout’s Domestikator is too rude for the Louvre. The Times. Acedido em https://www.thetimes.co.uk/article/joep-van-lieshout-s-domestikator-is-too-rude-for-the-louvre-5hr6k287z 
Samuel, H. (2017, 18 out.). Giant sculpture proves ‘too rude’ for Louvre but not the edgier Pompidou. The Telegraph. Acedido em http://www.telegraph.co.uk/news/2017/10/18/giant-copulation-sculpture-proves-rude-louvre-not-edgier-pompidou/

Fonte das imagens:
Domestikator: https://www.domusweb.it/en/news/2015/08/28/atelier_van_lieshout_the_good_the_bad_and_the_ugly.html
Domestikator junto ao Centre Pompidou:
https://www.rtbf.be/culture/arts/detail_une-sculpture-trop-brutale-pour-le-louvre-accueillie-par-le-centre-pompidou?id=9740104
http://www.telegraph.co.uk/news/2017/10/18/giant-copulation-sculpture-proves-rude-louvre-not-edgier-pompidou/ 

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Do Domestikator à obra domesticada," in a.muse.arte , 2017/10/21, https://amusearte.hypotheses.org/1975.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *